Junte-se ao nosso canal de WhatsApp e aceda diretamente aos temas Máxima do momento. Seguir
Atual

Histórias de Amor Moderno: “Com o entretenimento, estive à beira do deslize. Experimentei o Call of Duty”

“Não consegui imaginar-me a levá-la para casa e a dormir com ela.” Todos os sábados, a Máxima publica um conto sobre o amor no século XXI, a partir de um caso real.

Foto: IMDB
25 de novembro de 2023 Maria Olívia Sebastião

Eu tenho um cão. Um Malinois, um Pastor Belga. Todos os dias, religiosamente às 6h45 da manhã, damos o primeiro passeio do dia. Num dia ideal, damos três passeios, o primeiro dos quais deve ter uma duração nunca inferior a 45 minutos, que devem ser distribuídos da seguinte forma: passeio rápido de trela sem comunicação além da essencial durante um terço do passeio; jogo com corrida no parque - normalmente, com bola ou com obstáculos - com uma duração de 20 minutos; 10 minutos para o regresso a casa, descontraído, com treats e festas. Chegados a casa, é hora da refeição: a ração de sempre na quantidade certa, à hora certa. Sem desvios.

O Dogo, o meu cão, é um animal de hábitos rígidos. A exigência das suas rotinas foi uma das características que me levaram a adotar um Malinois, e não qualquer outro cão. Físicos, enérgicos, inteligentes e leais, os Malinois são cães que exigem do dono cuidados rigorosos, atenção, planeamento e tempo. A palavra-chave aqui é tempo: quando adotei o Dogo, tempo era o que não me faltava.

Por vezes, é na mais profunda solidão que nos deparamos com a vida como se olhássemos para um puzzle: descobrimos lugares para as peças, às vezes peças de que desconhecemos a existência. E depois vamos montando tudo, preenchendo, até que o quadro ganhe forma, ganhe cores, ganhe uma paisagem, uma figura. Essa figura somos nós a existir. Antes da minha solidão, havia a Elsa. A minha paixão desde os tempos de faculdade, fez o curso ao mesmo tempo que eu fiz o meu. Conhecemo-nos porque frequentamos a mesma esplanada e porque tragicamente sofremos da mesma tendência para repetir padrões e horários, por dependermos mais do que seria saudável das rotinas intransigentes. Ao fim de algum tempo, reparámos um no outro. Depois sorrimos, depois falámos, depois sentámo-nos na mesma mesa. Cinco anos depois, casámo-nos. Ninguém da nossa geração se casava, muito menos com apenas 23 anos. Mas nós fizemo-lo. Não significa que tivéssemos feito bem.

Durante nove anos, fomos tentando construir uma vida em comum, enfrentando as dificuldades que as pessoas enfrentam no princípio da vida adulta e até encontrarem aquilo que, em princípio, será o seu lugar no mundo. Empregos instáveis e mal pagos, ambições oscilantes, insatisfação, incerteza, falta de dinheiro. À entrada nos trintas e sem uma cadeia de hábitos devidamente instituída, sem o conforto essencial a uma mente em permanente desassossego, descobrimos que não lidamos da mesma maneira com as mesmas coisas. Eu tentava reagir com método; a Elsa definhar, dia após dia, a caminho da frustração irremediável.

Eu tinha de a salvar e tudo o que podia fazer era deixá-la ir, deixá-la começar de novo - fazer reset, apagar-me da sua vida, tentar tudo outra vez. De início, a ideia não lhe fazia sentido, mas então decidi explicar-lhe com lógica, assertivo: se vais ficar deprimida, vais-me tirar ânimo e prejudicar; se me prejudicares, se eu ficar desanimado, nenhum dos dois terá cabeça para encontrar soluções; estaremos os dois condenados ao falhanço. Compreendeu a mensagem e aceitou. Acertámos detalhes da separação, dividimos o que havia para dividir, assinámos papéis, oficializámos o divórcio e concordámos nunca mais nos comunicarmos. Até hoje, temos cumprido. Já lá vão cinco anos.

Quando ficamos sozinhos e nos deparamos com o tal puzzle da vida do qual desconhecemos as peças e a imagem final, encontramos a primeira dificuldade: começar por onde? Tudo o que temos é um vazio e um monte de entulho indecifrável ao lado desse vazio. Depois de alguma hesitação, decidi arriscar e mexer no monte: tirei a primeira peça. E assim fui buscar o Dogo. Educá-lo, treiná-lo, cuidar dele, todo esse processo iria ajudar-me a criar as minhas novas rotinas. O tempo que o Dogo me ocupa ajudou-me ainda a descobrir uma nova preciosidade: o tempo que me sobrava. É muito importante sabermos a que horas do dia estamos livres para que possamos ocupá-las apropriadamente e sem desperdício. Acredito que uma rotina saudável produz mentes organizadas. E uma mente organizada estará sempre mais próxima da felicidade do que uma cabeça caótica.

Comecei a construir o puzzle. Entre o cachorro e o trabalho, determinei os tempos mortos e os espaços vazios. Aos poucos, fui encontrando as peças para os preencher: o ginásio, cinco vezes por semana, logo após o passeio matinal; o jantar de vinhos, uma vez por semana, de preferência à sexta-feira; experiências culinárias, leitura intensiva e entretenimento avulso nas outras noites da semana.

Com o entretenimento, estive à beira do deslize. Experimentei o Call of Duty. O entusiasmo pelo jogo, juntamente com a necessidade de o jogar em rede, dependendo da disponibilidade e das rotinas - ou da falta delas - de pessoas com quem não convivia e que divergiam de mim na maneira como estão na vida, fez-me baralhar horários e atrapalhar necessidades. Uma vez mais, o Dogo salvou-me: quando a sua rotina foi afetada, mostrou-se transtornado, diferente, mais triste, menos alerta, menos afetuoso. Vi-me obrigado a mudar, a corrigir. Deixei o jogo e escolhi outro. Hoje, o entretenimento lúdico limita-se ao Football Manager, cuja ampla vantagem reside na possibilidade de ser disputado em sossego e isolamento durante precisamente a quantidade de tempo de que disponho e que lhe destino.

Recentemente, num dos jantares vínicos, conheci uma pessoa. Chama-se Cândida, que é um nome encantador, e que remete para a imortal personagem criada por Voltaire. Sintonizámo-nos com muita facilidade durante as provas, trocámos ideias, rimo-nos com cumplicidade. Gosto da Cândida. Saímos uma vez, só os dois. Sacrifiquei uma das minhas noites de experiências gastronómicas, mas sinto que valeu a pena. No entanto, é hoje difícil para mim imaginar-me numa situação em que tenha de partilhar a minha vida e abdicar da minha solidão programada, em que todas as peças se encaixam com harmonia de maneira a formar aquilo que eu sou.

Nessa noite, jantámos, fomos a um restaurante simples, embora de qualidade. Depois disso, prolongámos o encontro e tomámos mais uma bebida noutro sítio. Mas não consegui imaginar-me a levá-la para casa e a dormir com ela. Cinco anos depois, prezo demasiado a minha vida com todos os meus pequenos rituais, todos os meus horários, todas as obrigações que assumi perante mim e também perante os que dependem de mim, como o Dogo.

Há uns dias, mandou-me mensagem, sugeriu que passássemos um fim de semana juntos. Mas eu disse-lhe que o fim de semana se dividia entre a família e o desporto: portanto, a minha visita aos meus pais, que estaria sempre dependente do calendário das equipas de futebol que acompanho. Ela respondeu-me com smiley. Sei que terá ficado triste. Sei que provavelmente me acha estranhíssimo e que dificilmente quererá arriscar alguma coisa comigo. E eu compreendo-a. Só que, no meio da vida, eu preciso de qualquer coisa que me seja infalível, que seja segura, estável, inabalável. E isso eu só posso encontrar em mim e no que construo, não existe lá fora. Resta-me esperar que a Cândida me compreenda e aceite.

* Se conhecer uma história real envie-a para m.oliviasebastiao@gmail.com. As suas ideias podem dar origem à história do próximo sábado.

Saiba mais
Mundo, Diversão, Histórias de Amor Moderno, Amor, Relações, Histórias, Maria Olívia Sebastião, Romance, Sozinho, Cão
Leia também

Os animais de estimação são os novos filhos?

Falar com cães e gatos com voz de bebé já é um comportamento praticamente obrigatório, mas desde quando começámos a tratar os animais de companhia como filhos? Mais importante ainda: qual é o mal?

As Mais Lidas