Junte-se ao nosso canal de WhatsApp e aceda diretamente aos temas Máxima do momento. Seguir
Beleza / Wellness

Como aquecer o corpo sem gastar dinheiro? Uma dermatologista e uma nutricionista respondem

Há alimentos que contribuem para o aquecimento natural do corpo, mas também medidas que podemos aplicar diariamente sem dificuldade.

Foto: Pexels
21 de dezembro de 2023 Rita Silva Avelar

O inverno começa oficialmente a 22 de dezembro, mas os efeitos das baixas temperaturas já se fazem sentir. Nas casas portuguesas, geralmente as temperaturas baixas notam-se mais em comparação com os países nórdicos, por exemplo, devido às carências de aquecimento, problema que ajudamos a combater aqui. Assim, de que maneira podemos mitigar os efeitos do frio no corpo? "Nesta época do ano, são comuns algumas alterações no nosso organismo, a nossa imunidade tende a baixar, a pele fica mais seca e o corpo pede, por vezes, alimentos mais quentes", afirma Fernandes Marques, nutricionista da Clínica Pilares da Saúde, à Máxima.

A alimentação é um dos segredos, embora isso possa parecer bizarro. "Deve-se garantir que metade do prato tem verduras, legumes variados e cozidos e optar pelas frutas cozidas, assadas ou misturadas na comida. Incrementar a salada com folhas com opções cozidas e frutos secos, o que a torna mais apetitosa. Se não se tiver vontade de consumir folhas, verduras e frutas frias deve-se modificar a forma de consumo", explica ainda a nutricionista, que também menciona as sopas, desde que consigamos garantir a presença de: quatro legumes, um hidrato (batata, batata doce, mandioca, pastinacas, inhame), uma proteína e uma opção de especiarias: gengibre, pimenta, hortelã, só para nomear alguns.

Fernandes Marques, nutricionista da Clínica Pilares da Saúde
Fernandes Marques, nutricionista da Clínica Pilares da Saúde Foto: DR

"Não abandonar a ingestão de água, se for muito difícil pode optar-se pelos chás que aumentam a temperatura corporal ou utilizar água morna ou à temperatura ambiente com especiarias: canela, cravo, gengibre", e há alimentos que podem ajudar a manter a nossa imunidade equilibrada, "como as frutas cítricas, gengibre, alho, própolis"

Priorizar os alimentos da época, a natureza é sábia e traz todos os nutrientes importantes "para o nosso organismo nesta época, como a vitamina C, que se encontra por exemplo na abóbora, no kiwi, nas laranja, nas tangerinas, nos dióspiros, nas couves ou nos grelos", e ainda "consumir frutos secos, ricos em arginina, que aumentam a vasodilatação, o que leva ao aumento da circulação sanguínea e à sensação de calor corporal, além de serem riquíssimas em vários nutrientes e compostos antioxidantes importantes para a pele."

A nutricionista recomenda ainda que se façam caminhadas ao sol, "nesta época a nossa exposição solar diminui, mas a nossa necessidade de vitamina D continua a mesma, por isso é necessário tentar caminhar durante o dia" e o uso de hidratantes, filtro solar e protetor labial para evitar pele gretada.

Marta Ribeiro Teixeira, dermatologista da Clínica Espregueira no Porto, nomeia outras formas de aquecer o corpo. "Manter-se ativo, evitando grandes períodos de imobilidade e praticar exercício físico, que ajuda a manter a temperatura corporal. Também muito importante é a ingestão de quantidade adequada de líquidos e um aporte calórico suficiente, com a realização de refeições regulares. Pode dar-se preferência a bebidas quentes, como chás e café, que, apesar de não aumentarem a temperatura corporal, ajudam na sensação de aquecer", garante a dermatologista. "A escolha do vestuário adequado (várias camadas e materiais quentes) é também relevante. Evitar o consumo de álcool e tabaco. Este último é um conhecido e potente vasoconstritor, o que diminui a circulação sanguínea, sobretudo nas extremidades", alerta.

Marta Ribeiro Teixeira, dermatologista da Clínica Espregueira no Porto
Marta Ribeiro Teixeira, dermatologista da Clínica Espregueira no Porto Foto: DR

A dermatologista reforça, ainda, que é importante nomear alguns dos mitos sobre o frio, como que estar sujeito a temperaturas frias poder levar ao desenvolvimento de infeções respiratórias (vulgares constipações). "É verdade que no inverno há uma maior prevalência de infeções víricas, mas isto deve-se ao faco de realizarmos mais atividade no interior, em que convivemos com um maior número de pessoas, o que aumenta o risco de transmissão dos microrganismos."

Outro mito é que o frio faz emagrecer. "Existem poucos estudos, realizados sobretudo em animais, que mostram que a exposição a temperaturas baixas estimula o tecido adiposo castanho e, portanto, a perda de peso. Contudo, não existem estudos científicos randomizados que atestem este facto em humanos e esta perda de peso com a exposição ao frio parece ser insignificante ou inexistente."

Marta Ribeiro Teixeira nomeia mais três: a ideia de que no inverno, quando está frio, não é preciso usar protetor solar; que no inverno é necessária uma menor ingestão de líquidos; e que o álcool aquece.
Saiba mais
Beleza, Educação, Inverno, Proteção, Aquecer, Dicas, Dermatologista, Nutricionista
Leia também
As Mais Lidas