Celebridades

A verdade obscura que o novo documentário sobre Britney revela

"Framing Britney Spears" explora a questão que fãs (e não fãs) da cantora pop têm colocado: está ou não está Britney a ser controlada, e manipulada pelo pai? O documentário recorda ainda um percurso marcado pela misoginia, no fim relacionamento com Justin Timberlake por exemplo, e por problemas de saúde mental.

A carregar o vídeo ...
10 de fevereiro de 2021 | Rita Silva Avelar
Um novo documentário do The New York Times examina o chamado movimento "Free Britney", criado por um grupo de fãs da estrela da pop e hoje um hashtag viral. "Defendemos-te, Britney Spears, e não vamos parar até alcançares a liberdade", escrevem os fãs. 

Disponível na Hulu desde o passado dia 5, dentro da secção The New York Times Presents, a primeira parte deste documentário já está a causar indignação sobretudo nas redes sociais. Realizado por Samantha Stark e escrito pela editora Liz Day, "Framing Britney Spears" relata a batalha judicial que Spears tem travado com o seu pai, acerca de quem deve controlar o seu património. Mas vai muito além disso.

Britney está sob tutela judicial desde 2008, após ter ultrapassado várias crises relacionadas com a sua saúde mental, que os media e o mundo saturaram ao máximo, chegando a persegui-la durante os meses em que sofreu os episódios mais graves. Além de expor a situação, o documentário analisa o comportamento de Justin Timberlake (e dos media), com quem Britney namorou entre 1999 e 2002. Na altura, as suspeitas seriam de que Britney teria traído Justin com o coreógrafo Wade Robson. Spears, por sua vez, negou as acusações e afirmou que a verdadeira razão era que ela e Justin tinham objetivos diferentes para a relação a curto prazo: Britney queria casar, Justin não. Independentemente das razões, a cantora sofreu as consequências.

Entre as acusações, o fim do namoro com Justin e a indignação dos fãs, Britney terá entrado numa fase de depressão. O crítico do The New York Times Wesley Morris afirma que Timberlake fez o videoclipe da música 'Cry Me a River' – que conta com uma atriz parecida com Britney – para reforçar o rumor da traição. No Twitter e no Instagram exige-se agora um pedido de desculpas público por parte de Justin Timberlake.

Leia também
"Framing Britney Spears", documentário do The New York Times Presents.

Mais tarde, em 2007, Britney foi capa de jornais em todo o mundo por ter rapado o cabelo. Foram ainda divulgadas fotografias em que conduz com os filhos no colo, Jayden e Sean, fruto do controverso relacionamento com Kevin Federline – um episódio que ainda hoje a persegue. Em 2008, ficou sem a guarda dos filhos. A tutela a que ficou sujeita nesse ano – e que seria apenas de um ano - trata-se de uma tutela legal designada por um tribunal que determina que um indivíduo não pode tomar as suas próprias decisões, devido à fragilidade da sua saúde mental ou física.

O pai de Britney, Jamie Spears, foi nomeado como responsável pela cantora, e, por consequência, pelo património financeiro e pelas negociações da sua carreira. Muitos têm afirmado que o pai de Spears forçou a filha a fazer três tours musicais pelo mundo e – 12 anos depois – está a tentar tornar a tutela permanente, pois acredita que ela sofre de demência precoce. Sabe-se que para já, Britney pediu que fosse a mãe a ser a nova tutora da sua fortuna, o que poderá ser decidido em breve nos tribunais.

Outra das razões pelas quais os fãs suspeitam que Britney viva sobre um controlo desmedido é a sua conta oficial de Instagram, onde regularmente publica fotografias e vídeos a dançar, onde conversa sobre os mais variados temas, entre eles mantras motivacionais, mas sempre dentro da sua mansão - nunca fora. O que leva o mundo a crer que está "presa" sob o controlo do pai. A primeira temporada tem seis episódios e pode ser vista na Hulu, aqui.

Leia também
Saiba mais Framing Britney Spears, The New York Times, Free Britney, Justin Timberlake, Música, Cantora pop, Celebridades
Mais Lidas