Celebridades

As posturas de Amber Heard e Johnny Depp analisadas por especialistas

Vários especialistas esclarecem os significados das linguagens corporais que o ex-casal de atores tem adoptado em tribunal.

Foto: Getty Images
06 de maio de 2022 Rita Silva Avelar
Amber Heard e Johnny Depp estão numa espécie de palco de Hollywood, e não pelas melhores razões. Há semanas que se arrasta o julgamento por difamação que envolve alegações de violência doméstica e abusos psicológicos, com ambos a dar testemunhos fortes e emocionados, sobretudo nos últimos dias.

Depois de Depp, agora foi a vez de Amber Heard dar um testemunho detalhado sobre as situações que diz ter vivido com Depp: num dos momentos conta que o ator a violou com uma garrafa de bebida, de vidro, magoando-a na zona genital; noutro recorda o primeiro momento em que este a agrediu, em 2012, dando-lhe uma bofetada que fez com que o seu lábio sangrasse e manchasse uma parede. E vai mais longe, dizendo que sabia que não era suposto estar a viver aquilo, mas que amava Depp.

O que dizem, então, os gestos corporais e as microexpressões de um e de outro, num julgamento a que o mundo pode assistir? "Toda análise de um comportamento tem de começar primeiro na biologia, depois na emoção, e depois na razão. Para ler este caso, é preciso perceber o tipo de relação que existe", começa por explicar à Máxima Alexandre Monteiro, autor do livro Torne-se um Decifrador de Pessoas e especialista em linguagem corporal. "Nas relações há sempre um alfa e um beta, e neste caso, ambos são agressivos (fascinamo-nos por pessoas iguais a nós) e, aparentemente, desenvolveram uma luta por controle [na relação]", explica. Durante o julgamento, explica Alexandre Monteiro, pode observar-se uma Amber Heard imparcial, sem exprimir emoções, quando Johnny Depp fala. "Nem faz os gestos chamados de comportamentos de pré-negação - que são gestos que fazemos quando ouvimos uma pergunta ou uma acusação, porque o nosso cérebro fala mais rápido não verbalmente. Como acenar que não. A Amber Heard não faz estes gestos."

Por outro lado, quando Johnny Depp ouve algo que o deixa desconfortável, explica Alexandre Monteiro, "ele toca no pescoço, protegendo a jugular, ou quando tapa a boca - sinal de que quer dizer qualquer coisa mas não pode - ou ainda quando faz o "sorriso irónico, acha que ela está a inventar."

Há traços de construção nos discursos de ambos, aponta o especialista. "As microexpressões de desprezo, ou o chamado sorriso do manipulador, estão evidentes em ambos. Quando estamos a relatar alguma coisa de forma a declararmo-nos inocentes, ou a tentar iludir o outro, como o nosso subsconsciente não gosta de mentiras, fazemos a microexpressão do desprezo, é uma microexpressão contranatura. Quanto mais queremos esconder a verdade do outro, mais esta microexpressão surge. Os dois fazem isto, em momentos diferentes das histórias."

Outro traço em comum a ambos, explica Alexandre Monteiro, é a chamada "projeção de língua", um gesto manipulador. A construção da história também os denuncia. "Neste caso, Johnny Depp começa a história de forma geral, dando os detalhes depois. Com a Amber Heard, acontece o contrário, dá muitos detalhes iniciais, e depois faz muitas pausas. Quando as pessoas dizem a verdade, recordam o que lhes dá fluidez na linguagem."

Embora o especialista afirme que não é possível apurar a verdade a partir dos gestos, não deixa de notar que há um outro detalhe neste julgamento. "Enquanto Amber Heard fala, olha para o júri, e Johnny Depp fixa o advogado. O que não é normal em nenhum dos casos. Quando nos defendemos, viramo-nos para o acusador, nunca para quem nos vai salvar." 

Judi James, especialista americana em linguagem corporal, disse ao Daily Mail nnline que é difícil ler as emoções destes dois atores, e nota o mesmo detalhe nos olhares dos atores, tal como Alexandre Monteiro. A especialista afirma que quando Heard tomou a palavra pela primeira vez, dirigiu deliberadamente as suas respostas ao júri, numa tentativa de a "humanizar" e criar um laço emocional. Mas durante o testemunho, a atriz mostrou as suas emoções a soluçar e a fungar, sem realmente chorar - ou pelo menos aparentemente. "Os gestos das suas mãos eram 'congruentes' com as suas palavras, frequentemente usadas para se exprimir antes de falar, o que é normalmente um sinal de autenticidade", disse Judi James. 

Amber Heard também olhou fixamente para Depp, que escapou ao seu olhar, o que pode ser visto como um jogo de poder ou uma tentativa de abertura e honestidade, adianta a decifradora de gestos.
Saiba mais
Celebridades, Atualidade, Alexandre Monteiro, Amber Heard, Johnny Depp.
Leia também
As Mais Lidas