Junte-se ao nosso canal de WhatsApp e aceda diretamente aos temas Máxima do momento. Seguir
A Flor do Cacto

Mais mulheres na política, por favor

Foto: IMDB / As Sufragistas
02 de fevereiro de 2024 Cláudia Lucas Chéu
A diferença começa logo na filiação partidária, há mais homens do que mulheres a pertencer a um partido. Na Europa, a média é de 70% de homens e 30% de mulheres. Em Portugal também é assim. Continuamos com as quotas que impõem um determinado número de mulheres no Parlamento, mas também consta que as mulheres não permanecem e não fazem carreira. Não deixa de ser surpreendente que, nestes quase cinquenta anos, sejam raros os nomes das mulheres que estiveram em cargos de liderança. Segundo Sandra Ribeiro, presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), numa entrevista recente à CNN, «apesar da lei da paridade que efectivamente conseguiu trazer muitas mais mulheres para o exercício de cargos políticos, a verdade é que se percebe claramente que ao nível dos partidos políticos, de uma forma geral, continua a ser um mundo de homens. A igualdade entre homens e mulheres implica sempre que alguém tem de abdicar de poder para que outras pessoas entrem para o círculo do poder e, obviamente, essa é sempre uma equação muito difícil. Mas precisamos mesmo de mais mulheres na política, mais mulheres em cargos governativos de relevo, porque isso dá ânimo a outras mulheres para também entrarem na política. Os modelos são muito importantes, e a maioria dos modelos na política ainda são masculinos.» Sandra Ribeiro indica um dos pontos fundamentais que perpetua a ausência das mulheres em cargos de liderança na política: a ausência de modelos que motivem outras mulheres. Mas a dificuldade passa precisamente por conseguir furar esse círculo de poder, maioritariamente constituído por homens. Por isso precisamos obviamente de homens feministas na política, aliados que reconheçam valor nos seus pares femininos e que estejam dispostos a abdicar de algum poder. Caso contrário essa conquista teria de ser pela força, o que me parece impensável. Não é difícil entender que se tivéssemos mais mulheres em lugares de liderança teríamos um olhar mais amplo e diversificado sobre a sociedade e o mundo. Isto não significa que uma governação feita por mulheres seja melhor ou pior, simplesmente constituiria um outro olhar, uma forma nova. Penso que não só sou eu a desejá-lo: Mais mulheres na política, por favor. Em Portugal e no mundo. Queremos mais exemplos de liderança para que as nossas filhas, sobrinhas, irmãs, tenham referências que as possam balizar. Sei que estamos a caminhar para que tal aconteça, mais ainda falta bastante.

*A cronista escreve de acordo com o Acordo Ortográfico de 1990.
Saiba mais
Mundo, Educação, Política, Portugal, Crónica, Liderança, Feminismo, Opinião
Leia também

Feminismo: para os rapazes da geração Z, o que é demais enjoa

Um alarmante estudo recente da King's College London avisa que os jovens do género masculino e feminino da Geração Z têm opiniões opostas sobre o feminismo, o que poderá causar uma fratura. Dos rapazes entre os 16 e os 29, 16% diz que o feminismo fez mais mal do que bem à sociedade.

Maria Teresa Horta: "Eu sempre fui considerada uma pessoa de mau feitio em todo o lado, dos jornais à família"

Símbolo máximo da poesia erótica, do jornalismo e do feminismo português, pôs-se no meio da arena, em plena ditadura, e deu o peito às balas para que as mulheres tivessem todos os direitos que foram negados às gerações anteriores, e às anteriores. Aos 86 anos, continua a ser uma inspiração e uma referência de justiça, inteligência e sensibilidade, como de candura, de teimosia e do “mau feitio” dos muito poucos que fazem o mundo avançar.

Céline Dion comove nos Grammys

A artista canadiana estava reclusa há três meses para combater o Síndrome de Pessoa Rígida (SPR), uma condição neurológica autoimune. Foi aplaudida de pé pela plateia dos Grammy Awards, mas não escapou a uma polémica com Taylor Swift.

As Mais Lidas