Celebridades

"Fui violada por um familiar próximo quando tinha dez anos". A recordação dolorosa da cantora luso-belga Lio

Abuso sexual e violência doméstica foram os principais temas da entrevista que a artista deu à revista 'Télé-Loisirs', em promoção do seu filme 'Elle m’a Sauvée'.

Foto: Getty Images
01 de abril de 2022 Ana Filipa Damião

Não é incomum que vítimas que sofram ou que tenham sofrido de violência doméstica ou sexual não se vejam exatamente como são – vítimas. É um "fenómeno" triste, sim, mas ainda recorrente. Numa entrevista recente à revista francesa Télé Loisirs, a cantora e atriz luso-belga Lio, cujo nome verdadeiro é Vanda Maria Ribeiro Furtado Tavares de Vasconcelos, recordou um dos episódios mais traumatizantes da sua vida.

"Fui violada por um familiar próximo quando tinha dez anos de idade, no banco de trás do carro dos meus pais", disse em voz alta, certamente um tema de conversa excruciante. "Digitalmente. Em silêncio, enquanto os meus pais conduziam, ao lado da minha irmã mais nova, que tinha três anos."

O crime nunca foi levado a sério nem considerado violação pela família da cantora pop dos anos 80. Na verdade, Lio só considerou efetivamente que tinha sido vítima de abuso sexual há dois anos atrás, com cinquenta e muitos anos. "Desde então, nada correu bem. Conseguimos safarmo-nos porque não somos reconhecidas, não somos bem-vindas. Somos maltratadas mesmo quando denunciamos e nada acontece."

À mesma publicação, mencionou também que sofreu violência doméstica na década de 90 às mãos do seu marido da altura, o artista Alexis Zad. "Apaixonei-me por um homem que me espancou." O perigo era tanto que a cantora viu-se, pelo menos uma vez, na sala de urgências do hospital. Inebriada na sua relação tóxica, Lio apenas apresentou queixa "quando ele começou a bater-me enquanto estava a amamentar os gémeos (Garance e Léa, hoje com 21), porque eu tinha medo por eles." Quem a ajudou a ver a luz foi a sua irmã mais nova, Helena, que a apresentou a uma associação para vítimas.

A entrevista surgiu numa altura em que a atriz integra o elenco do filme Elle m’a Sauvée, cujo tema principal é a violência doméstica e o feminicídio. De acordo com um artigo da revista Madame Fígaro, pelo menos 17 mulheres já foram mortas consequência de abusos físicos desde o início de 2022.

Saiba mais
celebridades, atualidade, violação, violência doméstica, Lio
Leia também

16 anos da morte de Gisberta, a transexual que não salvámos

Recordamos um texto escrito por Tiago Manaia a propósito do Festival Porto/Post/Doc, aquando da exibição do filme 'Madalena', sobre violência transfóbica e a falta de segurança que assombra o quotidiano das pessoas transexuais. Não será uma coincidência pensar de imediato em Gisberta, cidadã brasileira brutalmente assassinada por um grupo de adolescentes há 16 anos no Porto. O seu nome continua a ecoar na cidade.

Diário de uma violação. Entrevista a Tatiana Salem Levy.

A escritora luso-brasileira Tatiana Salem Levy acaba de lançar o seu novo romance, 'Vista Chinesa', sobre a violação de uma amiga em 2014, ano em que o Brasil foi sede das Olimpíadas. Falámos com a autora sobre literatura, feminismo e as diferenças de ser mulher no Brasil e em Portugal

As Mais Lidas