Junte-se ao nosso canal de WhatsApp e aceda diretamente aos temas Máxima do momento. Seguir
Beleza / Tendências

A Glossier está na sua era flop: como a marca da clean girl quer voltar à ribalta

Em quase 10 anos, a Glossier começou como uma novidade incomparável, tornou-se uma espécie de culto com uma enorme legião de fãs e teve o destino que qualquer marca teme: o cancelamento. Em 2023, parece ter sido posto em prática um plano de rebranding, que passou por trazer a marca a Portugal.

Foto: Glossier
12 de dezembro de 2023 Joana Rodrigues Stumpo

Emily Weiss fez história antes de se aperceber. Em 2010, criou o que podia ter sido só mais um blogue num universo de milhões, mas foi o início de um império multimilionário. Chamou-lhe Into The Gloss. Quatro anos depois, viria a mergulhar ainda mais fundo no mundo da beleza, fundando a marca mundialmente cobiçada Glossier. Chegou ao mercado com apenas quatro produtos: uma bruma facial, um primer hidratante, uma base líquida e um bálsamo labial (o eternamente essencial Balm Dot Com). Para a marca, Weiss quis seguir os mesmos valores com que conquistou os seguidores no site: um espaço de celebração da beleza natural e de aceitação do próprio. Quase uma década depois, percebeu-se que, dentro da empresa, não era tão eficiente a garantir a mensagem que pregava.

O Célebre bálsamo de lábios, Balm Dot Com, €19
O Célebre bálsamo de lábios, Balm Dot Com, €19 Foto: Glossier

A receita para o sucesso (apenas inicial) da marca era simples e eficaz: investir na qualidade e não na quantidade de produtos, apostar num branding neutro (o chamado "sem marca") e centralizar do sistema de comercialização - a Glossier vendia maquilhagem e cuidados de pele apenas nas suas próprias boutiques e lojas pop-up.

Talvez seja um esticão, mas há uma tentação para dizer que Emily Weiss foi uma mulher à frente do seu tempo. Não tanto enquanto empreendedora - porque o historial da marca não é tão linear assim -, mas como adivinha, profetisa, visionária que viu nascer (ou terá sido ela própria uma das origens de) uma tendência que em 2023 finalmente ganhou nome e rótulo: a clean girl. Os produtos da Glossier eram simples, desenhados para realçar em vez de esconder, feitos para um acabamento o mais natural possível. Dito isto, à primeira vista deveria ter tudo para ser um enorme must nos últimos tempos. Então, porque é que a Glossier está na sua era flop?

Por muito contraditório que possa parecer, foi essa mesma simplicidade alvo de críticas dentro e fora da empresa. Embora continuassem a ser lançados novos produtos, a estética natural manteve-se e Weiss foi acusada de ser pouco inovadora. Numa tentativa de provar aos haters que não estava presa a um conceito, em 2019 lançou a Glossier Play: uma submarca mais irreverente, mais moderna e, acima de tudo, mais colorida. Sim, estes produtos eram certamente mais intensos do que os clássicos da marca, mas não tiveram o sucesso necessário e a tentativa de Weiss falhou redondamente. Em 2021 a Glossier Play foi descontinuada e a fundadora, em declarações ao Business of Fashion (BoF), admitiu que, em vez de ter criado toda uma nova linha, "podia só ter lançado mais produtos de maquilhagem".

Assim foi o início do fim da marca que fazia filas infindáveis à porta de qualquer loja. Durante a pandemia, no verão de 2020, começaram os despedimentos coletivos. Pouco depois, a Glossier nunca mais foi o lugar de segurança e aceitação que outrora fora (se é que alguma vez o foi). Uma das principais razões do seu êxito foi associar aos produtos Cloud Paint e Boy Brow uma ideia: comprar um deles não era comprar blush ou gel de sobrancelhas, era tornar-se ainda mais delicada, serena e parte de uma comunidade. Como tantos que nunca tiveram oportunidade de entrar numa boutique da Glossier, o sentimento era só imaginado. Mas algo na decoração cor de rosa suave, nas flores e no espaço amplo suscita uma sensação de aceitação sublime. Em agosto de 2020, soube-se que esse ambiente era plenamente fabricado para os consumidores, a custo do bem-estar e até dignidade dos trabalhadores. O movimento chamou-se Outta The Gloss e revelou aos milhões de fãs a realidade do dia-a-dia de trabalho numa das lojas da Glossier: por causa da redução das equipas, eram obrigados a trabalhar horas extra em espaços sem condições, muitas vezes ainda em construção, numa dinâmica de submissão ao cliente. Nas palavras dos próprios: "Acreditamos firmemente que a ideia de que uma venda se sobrepõe à humanidade e à dignidade de um trabalhador é abominável, independentemente do local de trabalho". Na carta aberta, os trabalhadores partilham situações de discriminação, como uma consumidora chamar aos colaboradores latinos "ilegais", em que a gerência não defende a sua própria força de trabalho. Quem trabalha em atendimento ao cliente sabe que é uma profissão que implica ter de lidar com incidentes mais do que desagradáveis às vezes, mas uma das funções das hierarquias é precisamente a de proteção dos trabalhadores. Como se não fosse suficiente, a carta da Outta The Gloss revelou situações de discriminação racial vindas de membros da própria empresa.

Gel de sobrancelhas Boy Brow, €24
Gel de sobrancelhas Boy Brow, €24 Foto: Glossier

O impacto foi estrondoso: as vendas diminuíram, lojas fecharam e a marca perdeu cerca de 110 mil seguidores no Instagram nos meses seguintes. Seguiram-se mais despedimentos coletivos, que Emily Weiss justificou numa carta à empresa dizendo "precipitámo-nos nas contratações". A internet, como já era de esperar, não gostou nada do cenário. Criou-se uma espécie de movimento anti-Glossier no TikTok (que até recentemente se manteve) que apontou o dedo à marca e à própria criadora pela incapacidade de garantir boas condições de trabalho. Antigos fãs olhavam agora para a marca com outros olhos e viram, por exemplo, a base que só tem 12 tons (quando a Rare Beauty tem 48 e a Fenty uns espantosos 50) e o tédio que surgiu com a falta de inovação ao longo dos anos. Assim foi a era do cancelamento da Glossier.

@hydrationceo I dont usually complain in bed, but when I do its about Glossier #glossier ? original sound - HydrationCEO

O ano de 2021 foi marcado por ainda mais despedimentos coletivos e pelo adiamento do inevitável, que Emily Weiss finalmente aceitou em maio de 2022, mês em que a fundadora da Glossier abandonou o cargo de CEO. Perguntou-se se seria a melhor pessoa para guiar a marca para o futuro e percebeu que não, que era Kyle Leahy quem a levaria de volta à ribalta.

E durante o ano e meio em que esteve encarregue da direção, Leahy conseguiu fazer a Glossier renascer das cinzas? Bom, é um processo longo e certamente não faltaram tentativas. A exclusividade (e inacessibilidade inevitável) da marca acabou: no início deste ano, passou a vender os seus produtos nas lojas da Sephora nos Estados Unidos e no Canadá. Lá se vão os dias das filas nas boutiques Glossier - um cenário planeado ao mais pequeno detalhe para o proveito do consumidor -, em prol de chegar a públicos bem mais amplos. Foi com o mesmo objetivo que anunciou, em outubro, que os produtos no site da marca passam a ser enviados a mais de 180 países, incluindo Portugal. Para além da expansão a outros cantos do mundo, já foram lançados novos produtos - agora há velas, sabonete e até um desodorizante. No início de dezembro, anunciaram a mais recente colaboração com a Starface, da qual nasceu um colorido pack de adesivos de hidrocolóide para borbulhas. Com cada novidade e lançamento, perguntamo-nos se alguma vez assistiremos à redenção da Glossier.

Pack de adesivos para as borbulhas, colaboração entre a Starface e a Glossier
Pack de adesivos para as borbulhas, colaboração entre a Starface e a Glossier Foto: Starface

Mas já os pais de muitos avisavam: "Cuidado, porque o que publicas na internet fica lá para sempre". Embora não seja totalmente verdade, sabemos que a web tem boa memória e, para já, talvez ainda seja cedo demais para dar os erros da Glossier como apagados do histórico.

Saiba mais
Beleza, Educação, Glossier, Flop, Clean girl, Rebranding, Cancelamento, Emily Weiss
Leia também
As Mais Lidas