Atual

"Uma mulher, depois de ser mãe, pode ser sensual quando quiser, dançar como quiser"

Nesta rubrica, as mães desafiadas pela Máxima falam sem filtros sobre a maternidade. Blaya, mãe da Lau, fala sobre os tabus da maternidade sem filtros.

08 de setembro de 2020 | Rita Silva Avelar

Como descobriu que estava grávida?

A minha gravidez foi planeada por isso, quando percebi que a menstruação não estava a vir, fui fazer o teste e BAM!

Quem foi a primeira pessoa a quem contou, e quais foram as reações mais épicas/inesperadas?

Acho que a primeira pessoa a quem contei foi a minha amiga Andreia, a minha confidente. Em relação às reações mais épicas, acho que não houve. Provavelmente já andava a falar do assunto gravidez há algum tempo.

Leia também

Como correu a experiência de estar grávida? Prós e contras, vale tudo…

Correu super bem! Os prós é que continuei a fazer tudo o que fazia e os contras: nos primeiros meses de gravidez fiquei super enjoada e vomitava imenso. E ter de desmarcar aulas que tinha para dar.

Quando a Lau nasceu, quais foram os seus primeiros pensamentos?

Quando a meteram nos meus braços, eu não sabia se havia de chorar ou rir! E como sou a favor da amamentação, eu só a queria colocá-la a mamar.

Leia também
Blaya com a filha Aura Electra, a quem chama Lau.
Blaya com a filha Aura Electra, a quem chama Lau.

Quais foram as recomendações mais "enervantes" dos amigos e da família?

Acho que foi mais relacionado com a comida. Ela tem que comer aquilo, ela não pode comer aquilo! Mas, eu consigo lidar bem, e entra-me por um ouvido e sai imediatamente pelo outro.

Quando é que a sua filha a tira do sério? Se é que tira, que ainda é pequenina…

Leia também

Ora bem… Ela brinca com a minha paciência quando está cheia de sono e insiste em não dormir, quando está com fome e insiste em não comer (pelo menos o que está na mesa) e quando temos que ir ao médico... É O PÂNICO!!! E nós raramente lá vamos!

O que faz quando a sua filha não está a ver, mas que lhe diz para não fazer?

Não faço nada às escondidas, mas tenho uma certa mania de me sentar em cima da mesa... e quando ela faz o mesmo digo-lhe pra não fazer!

Qual foi a maior asneira do pai? Aquele dia em que estava despistado e…

Leia também

Não foi uma asneira, foi um percalço! Eu moro num apartamento, e quando ele foi ver qualquer coisa do outro lado da porta da rua, a Lau fechou-lhe a porta! Depois disso, andava a mandar-lhe lápis de cera por baixo da porta! O pai, teve que ir ao outro prédio, e pediu à vizinha do 4ª andar para saltar de um terraço para o outro ... até aí tudo bem! Mas, quando saltou a porta do meu terraço também estava fechada! Foi nesse momento que a Lau aprendeu a abrir e a fechar a porta do terraço. Com calma, o pai lá conseguiu que ela abrisse a porta nas calmas.

Quais são os maiores desafios da maternidade, a par de ser mulher e da profissão?

Existem imensos desafios consoante o tipo de pessoa que a mulher é. Mas, acho que um dos maiores desafios é fazer entender que a mulher mesmo sendo mãe, consegue fazer tudo o que fazia e ainda consegue ser mãe!

É importante ter momentos só para si? De que forma é que consegue fazê-lo?

Leia também

Sim, é muito importante. Eu e o pai da Lau estamos separados, e ela passa uma semana comigo e uma semana com ele. Na semana que está com ele, eu aproveito para me dedicar mais ao trabalho e também namorar um pouco.

Quais continuam a ser os tabus em torno da maternidade, que é urgente desmistificar?

Esta é daquelas perguntas que dava para encher uma página! E, na verdade…muita gente não vai concordar, mas, aqui vai: independentemente do trabalho de uma mulher, ela tem todo o direito de ter uma vida. Não é pelo tipo de profissão, que julgamos a educação dos seus filhos. Uma mulher depois de ser mãe, continua a ser mulher! Pode ser sensual quando quiser, dançar como quiser , vestir-se como quiser, nunca se deve anular o factor mulher. Nunca se deve julgar o esforço de uma mulher para com os seus, pelo que ela veste ou pelo que mostra nas redes sociais ou até no seu dia a dia.

Mulheres... parem de julgar as vossas parceiras! Cada uma tem a sua própria luta, respeitem isso!

Leia também
Saiba mais Confessionário das Mães, Blaya, Lau, Maternidade, Carolina Patrocínio, Mariana Patrocínio, Francisca Pereira, Amamentação, Filhos, Celebridades, Manas Patrocínio
Mais Lidas
Atual Uma novela gráfica dedicada à sexualidade feminina

Com um olhar atento e mordaz, a artista sueca Liv Strömquist expõe, na novela gráfica ‘O Fruto Proibido - Uma História Cultural da Vulva’, as mais diversas tentativas de domar, limitar e padronizar o sexo feminino ao longo da História. Acaba de ser publicada em Portugal e é tão divertida como acutilante.