Celebridades

Isabel II e Harry: uma relação nem sempre clara, que o neto revela agora como era

William e Kate são os principais alvos de Na Sombra, o livro de Harry que ontem chegou às livrarias de dezenas de países. Mas existem muitos outros, dentro e fora da família real, e nem a avó escapa às suas acusações.

Foto: Getty Images
10 de janeiro de 2023 Maria João Martins
"Disse-lhe em voz baixa que esperava que estivesse feliz, que estivesse com o avô. Disse-lhe que admirava ela ter cumprido as suas funções até ao fim. O jubileu, a sessão de boas-vindas a um novo primeiro-ministro." Assim narra Harry, duque de Sussex, o momento em que se despediu de sua avó paterna, a rainha Isabel II, após a morte desta, a 8 de setembro último. O desaparecimento da soberana com o mais longo reinado da História do Reino Unido e os acontecimentos familiares que envolveram o seu funeral marcam o epílogo de Na Sombrao livro em que o segundo filho do rei Carlos III se propõe contar ao mundo as dificuldades da sua existência no seio da dinastia Windsor.
Com a avó, em 1988.
Com a avó, em 1988. Foto: Getty Images


Embora já fossem conhecidas algumas das farpas que Harry lança a vários membros vivos e mortos da família real (sendo William e Kate os mais visados), não deixa de surpreender que também a rainha Isabel II não deixe de ser atacada, ainda que de forma algo velada e discreta, quatro meses após o seu desaparecimento. Em causa está, antes de mais, a ambiguidade com que, em várias situações, Isabel II terá lidado com Meghan. Ou em que terá pecado mais por omissão do que por ação.

O primeiro caso ocorre ainda durante os preparativos de casamentoA rainha recebe os noivos com bonomia e mostra a sua coleção de tiaras, disponibilizando-se a emprestar uma delas para que Meghan a usasse no grande dia. Tomada a decisão, as semanas que se seguem serão marcadas por uma sucessão de entraves colocados por Angela, uma das camareiras mais antigas de Isabel II. Harry escreve a propósito: "Era evidente que estava a colocar entraves, mas por que razão? Não fazíamos a mínima ideia. Pensei em recorrer à avó, mas isso poderia desencadear um conflito aberto e não sabia que partido a avó tomaria."

Outra situação terá ocorrido num dos regressos dos duques de Sussex a Inglaterra. Harry telefona previamente à avó a perguntar se estaria livre para lanchar com eles. Esta não só se mostrou encantada com a ideia como os convida a pernoitar em Sandringham, onde ela estava. Mas tal não se veio a verificar e a rainha invocou compromissos súbitos. O neto, decepcionado, fica com a sensação de que a avó estaria a ser instrumentalizada por terceiros.
Com a avó e o irmão, em 1987.
Com a avó e o irmão, em 1987. Foto: Getty Images


Outra situação descrita no livro está relacionada com as gaffes cometidas por Meghan durante uma viagem em que acompanhou a rainha: "Meg regressou radiante da viagem. Criámos laços, disse-me. Eu e a rainha criámos mesmo laços! (...) Os jornais, porém, classificaram a viagem como um rotundo desastre. Retrataram Meg como uma pessoa mandona, emproada, desconhecedora do protocolo real porque cometeu o erro inconcebível de entrar num carro antes da avó. (...)  Durante dias saíram notícias sobre a infração de Meg, a sua falta de classe em geral - a ousadia de não usar chapéu na presença da avó. O Palácio tinha instruído especificamente Meg a não usar chapéu." E conclui: "O Palácio fará um telefonema. Esclarecerá o problema. Não o fez."
Durante o Trooping of the Colour em 2003.
Durante o Trooping of the Colour em 2003. Foto: Getty Images


Claro que Harry é prudente o bastante para não ir mais longe e trata de esclarecer que defende a monarquia com todas as suas forças: "As minhas emoções são complicadas a este respeito mas a minha posição final não o é. Apoiarei para sempre a minha rainha, a minha comandante suprema das Forças Armadas, a minha avó. Mesmo depois dela partir. meu problema nunca foi com a monarquia, nem com o conceito de monarquia. Tem sido com a imprensa e com a relação doentia que se tem desenvolvido entre esta e o Palácio. Amo a minha Pátria e amo a minha família e sempre as amarei." Afinal, esclarece, "de acordo com o último estudo a que tive acesso, a monarquia custa ao contribuinte médio o preço de uma cerveja por ano." Não fosse o leitor pensar que mais lhes valia ter uma República.
Em 2018, numa das últimas aparições públicas com a rainha e Meghan.
Em 2018, numa das últimas aparições públicas com a rainha e Meghan. Foto: Getty Images
Saiba mais
Celebridades, Discussão, Harry, Avó, Isabel II, livro, revelações
Leia também

Ladies and gentlemen, Miss Meghan Markle!

No dia do 41º aniversário de Meghan Markle, recordamos o texto de Helena Matos de 2019, um olhar sobre a vida da duquesa de Sussex. Sedutora ou impostora? Autoritária ou dinâmica? Estrela ou duquesa? Demasiado Hollywood ou pouco royal?... O presente é um jogo que ora leva Meghan Markle à Glória de um casamento feliz ora a mergulha no Inferno das intrigas em torno da família real.

Embaraços, gaffes e humilhações no funeral de Isabel II

Tudo foi coreografado ao pormenor e seguindo as vontades que a rainha de Inglaterra expressara há muito para o seu próprio funeral. Mas as emoções humanas escaparam ao guião e tornaram-se um acontecimento dentro das maiores exéquias de Estado do nosso tempo.

Isabel II. Rainha, mulher, mãe, avó, ícone pop

Sabíamos que um dia aconteceria mas talvez não o esperássemos. Afinal, Isabel II, rainha da Grã-Bretanha durante 70 anos, não era imortal. No seu reinado, o mais longo da História do seu país, o mundo mudou de forma radical e só ela parecia um rochedo de constância. Mas também ela mudou e foi-se adaptando às circunstâncias. Em nome da sobrevivência da Monarquia.

As Mais Lidas