Atual

Como identificar uma relação tóxica (e aprender a viver sem ela)

Estes são os sinais de alerta a que devemos tomar atenção, quando estamos perante um relacionamento marcado por emoções negativas.

14 de fevereiro de 2018 | Rita Silva Avelar
Os especialistas chamam-lhes relações tóxicas. São relacionamentos, amorosos ou não, que trazem negativismo à vida do outro e que a poluem de forma perturbante. Para Filipa Jardim da Silva, psicóloga, uma relação tóxica é "uma relação disfuncional e destrutiva, em que não existe o respeito necessário pela individualidade do outro, predominando a crítica, o julgamento, o ciúme e o poder. Se uma relação saudável tende a gerar potenciação mútua e constitui uma interação segura, onde o amor e o companheirismo predominam, uma relação tóxica cria precisamente o oposto", descreve a especialista. Por outras palavras, em vez de nos sentirmos mais felizes, enérgicos e confiantes "vamos sentindo-nos progressivamente mais tensos, inseguros, com uma autoestima mais frágil numa relação tóxica".
 
E se a definição de psicopata não estivesse assim tão longe de alguns comportamentos associados a estas relações? A verdade é que, à partida, quem começa um novo relacionamento não considera a possibilidade da pessoa que acabou de conhecer ter um distúrbio de personalidade, mesmo que lhe vislumbre alguns comportamentos inadequados e até mesmo agressivos. Para muitos de nós, pode ser difícil determinar se o nosso parceiro é saudável ou se os seus padrões de comportamento são indicativos de um problema maior. Para Filipa, há sinais a que devemos prestar mais atenção do que outros. "Uma relação tóxica constitui uma fonte de intranquilidade, de tensão, de medo. As dinâmicas pautam-se por uma assimetria de poder, por uma forte dependência emocional, por desrespeito psicológico e/ou físico e/ou por manipulação. É importante que todos estes alertas não sejam ignorados, de forma a não normalizarmos algo que não é saudável. Nunca será suposto sentirmo-nos inferiores e desrespeitados numa relação e, por mais ambivalência que possa existir na tomada de consciência e de decisão, é crítico que mantenhamos uma rede de suporte com familiares e amigos que nos possam apoiar num momento mais desafiante."

Segundo um artigo do Psychology Today, há vários alertas verbais e comportamentais aos quais devemos estar atentos. Frases como "sou superior a ti" são comuns em pessoas que estão associadas a distúrbios de personalidade, sendo que a missão principal é fazer o outro sentir-se inferior ao dizer-lhe constantemente que não é boa, ou bom, o suficiente. Para Filipa, a importância verbal num relacionamento é inegável no processo de identificação de comportamentos tóxicos. "Todas as frases que possam denotar desrespeito pela individualidade e liberdade da outra pessoa, num registo passivo-agressivo, são alertas que em menor ou maior escala deverão ser reconhecidos. Por isso, conclui: "De uma forma transversal, uma relação a dois deve ser uma fonte de segurança, amor, companheirismo. Com todos os desafios inerentes e diferenças a gerir, a sensação de aceitação incondicional e bem-estar predominam."


Alguns sinais tradutores de que podemos estar numa relação tóxica, segundo a psicóloga, na galeria acima.

Quando alguém tem medo de expressar-se livremente numa relação, medindo as palavras e a informação que irá passar por temer a reação do outro.
1 de 7 / Blue Valentine Quando alguém tem medo de expressar-se livremente numa relação, medindo as palavras e a informação que irá passar por temer a reação do outro.
Quando a relação é pautada por imprevisibilidade, com oscilações de comportamento e interação súbitas.
2 de 7 / Vicky Cristina Barcelona Quando a relação é pautada por imprevisibilidade, com oscilações de comportamento e interação súbitas.
Quando a comunicação tende a ser passivo-agressiva.
3 de 7 / Vicky Cristina Barcelona Quando a comunicação tende a ser passivo-agressiva.
Quando nos pedem as passwords de contas de redes sociais e do telemóvel, exigindo o acesso a tudo como prova de confiança e transparência.
4 de 7 / A Rapariga no Comboio Quando nos pedem as passwords de contas de redes sociais e do telemóvel, exigindo o acesso a tudo como prova de confiança e transparência.
Quando necessitamos de estar permanentemente contactáveis e sentimos que nos é pedido um relato do dia.
5 de 7 / Vicky Cristina Barcelona Quando necessitamos de estar permanentemente contactáveis e sentimos que nos é pedido um relato do dia.
Quando as discussões são muito frequentes e com contornos destrutivos (tom de voz elevado, ofensas verbais, destruição de objetos, ameaça física).
6 de 7 / By the Sea Quando as discussões são muito frequentes e com contornos destrutivos (tom de voz elevado, ofensas verbais, destruição de objetos, ameaça física).
Quando o ciúme predomina, como se fôssemos propriedade da outra pessoa.
7 de 7 / Blue Valentine Quando o ciúme predomina, como se fôssemos propriedade da outra pessoa.
Saiba mais Filipa Jardim da Silva, Psicóloga, Psicologia, Relação Tóxica, Relacionamentos, Saúde, Namoro, Casamento, Amizade, Relações, Comportamento
Relacionadas

Uma nova geração de pais

Um novo estudo revela que os homens portugueses estão cada vez mais presentes nas tarefas diárias dos filhos.

Como falar de sexo aos seus filhos

Perguntam mais cedo e colocam questões mais difíceis. Têm muita informação, mas correm o risco de estar mais baralhados. Mário Cordeiro e Margarida Gaspar de Matos ajudam-no a falar de sexo aos seus filhos.

Os métodos de ensino alternativos que deve conhecer

Há escolas que ensinam diferente, com métodos High Scope, Waldorf, construtivista, com ou sem manuais. É de queimar as pestanas para leigos na matéria. E por isso visitámos alguns exemplos para lhe fazer esta cábula.

E agora, quem paga a conta?

Nos Estados Unidos já há uma app que nos ajuda a decidir, mas, aqui e agora, parece que nunca foi tão difícil chegar a um consenso.

Amor, essa linguagem universal

“Não se ama alguém que não ouve a mesma canção” cantava Rui Veloso em plena viragem para os anos 90. Não é ao acaso que continuamos a cantarolar esta metáfora. Terá o amor frequências sonoras diferentes, perdão, linguagens de expressão tão distintas que podem suceder em desencontros fatais? E será essa frequência assim tão difícil de sintonizar?

Mais Lidas