Atual

"Mães que não ameaçam e que não se ‘passam’ poderão ser mães certinhas, mas dificilmente serão boas mães"

No âmbito do Dia Internacional da Família celebrado no passado 15 de maio, conversámos com o psicólogo Eduardo Sá, que nos explicou como estão as famílias portuguesas e para onde caminham.

Anne Dorval e Antoine Olivier Pilon no filme canadense Mommy
Anne Dorval e Antoine Olivier Pilon no filme canadense Mommy
01 de agosto de 2018 | Pureza Fleming

No âmbito do Dia Internacional da Família, celebrado ontem, 15 de maio, a marca Limiano levou a cabo um estudo sobre as Famílias Portuguesas, cujo objetivo foi perceber o que as preocupa, hoje em dia, e ainda compreender as principais características comportamentais e emocionais das mesmas, assim como os desafios e necessidades do presente e do futuro. O estudo contou com a colaboração do psicólogo e professor Eduardo Sá, com quem a Máxima teve a oportunidade de conversar. Quisemos saber para onde caminham as famílias portuguesas e para onde deveriam caminhar.

De acordo com o estudo, as mulheres continuam a ser as principais cuidadoras do lar (83% contra 8% dos homens). Ou seja, o gap continua a ser gigante. Uma vez que as mulheres já trabalham tanto quanto os homens, isto não deveria ser um cenário em mudança?

Deveríamos obrigar-nos, a todos, a repensar a família. Mães que têm um trabalho, que cuidam do lar e que serão as verdadeiras "entidades reguladoras" da educação dos filhos demonstram-nos, todos os dias, que a divisão das tarefas numa família tarda, assustadoramente, a mudar. E ajuda-nos a perceber que as mulheres, por mais que pareçam ser "multifunções", acabam por ser as mais prejudicadas nas oportunidades que só o tempo nos dá.

A maioria dos inquiridos com filhos diz que a sua grande preocupação é a educação dos filhos seguida da felicidade. Qual a coisa mais importante para se fazer um filho feliz, além do óbvio amor?

Aquilo que de mais importante serve para fazer um filho feliz passa por colocarmos a felicidade dos pais antes da educação dos filhos. Porque pais mal-amados, por melhores pessoas que sejam, serão sempre (contra a sua vontade) piores pais.

A felicidade dos nossos filhos não deveria passar por estarmos mais presentes? Ainda que estejamos cada vez mais longe, graças ao trabalho e à loucura que são os horários dos dias de hoje?

Sim, sem dúvida. Receio que nos desculpemos todos com o trabalho e com os compromissos que se encavalitam uns sobre os outros e nunca façamos todas as escolhas que devemos fazer. Nomeadamente, colocarmos os nossos filhos na agenda. Em primeiro lugar. Não que eles precisem de todo o nosso tempo do mundo. Mas sem nós mais perto de si, eles não crescem saudáveis, humildes e sábios. E não há nada de pior do que crescermos com a sensação de não termos sido tão crianças quanto teremos precisado de ser, para sermos amigos do futuro.

Os portugueses dividem mal o seu tempo, ou seja, trabalha-se muitas horas versus a eficácia alcançada ao fim do dia?

Dividimos, sim. Mas talvez acabemos todos a dividi-lo mal quando não definimos aquilo que queremos e as estratégias que achamos exequíveis para lá chegarmos. A eficácia começa na escolha!

Chegar-se mais cedo a casa deveria ser uma medida urgente para um lar mais feliz e equilibrado?

Obrigatoriamente! Devia, aliás, ser proibido que as crianças jantassem antes dos pais. Devia ser proibido que os pais chegassem a casa unicamente a tempo de lhes darem um beijinho, antes de irem dormir. Ou que, mesmo quando estão com elas, dessem mais atenção aos ecrãs que aos olhos dos filhos.

Indique-nos pequenos gestos que possam fazer a diferença no dia a dia de uma família.

Escutarmo-nos com o coração. Falarmos daquilo que sentimos sem que seja preciso que nos perguntem porquê. E nunca pouparmos nos pequenos gestos sem os quais acabamos por nos divorciar uns dos outros.

De acordo com o estudo, a maioria das mães considera-se boa mãe. Somos, de facto, boas mães e próximas dos nossos filhos? Ou já houve épocas melhores?

Temos as melhores mães que a Humanidade já conheceu! Agora, imagine só como o futuro irá agradecer quando todos descobrirmos que, ao lá chegarem, as mães conseguirão ser, ainda, melhores mães!

Perder a cabeça, gritar e até dar um safanão é legítimo? Há quem defenda que nunca se deve recorrer à "violência"…

Mães que não se esganiçam, que não ameaçam e que não se "passam" poderão ser mães certinhas, claro, mas dificilmente serão... boas mães.

Saiba mais Dia Internacional da Família, Psicólogo, Limiano, Famílias Portuguesas, Professor Eduardo Sá, Comportamento
Relacionadas

Os benefícios da meditação nas crianças

O primeiro festival de yoga e meditação para crianças acontece dia 2 de junho. Conversámos com o responsável pelo projeto, Tomás de Mello Breyner, que nos explicou os benefícios da prática para os mais novos.

Vacinar é viver: todas as dúvidas dos pais

Para o pediatra Mário Cordeiro, não vacinar é um maltrato grave, um retrocesso civilizacional intolerável. Por isso, não lhe peçam meias-palavras, nem contemplações, mas contem com ele para responder com ciência a todas as dúvidas dos pais.

Família aluga-se!

Comprar afetos como quem compra um electrodoméstico ou um novo vestido? Sim, no Japão. Como se explica o fenómeno das famílias de aluguer, mais popular do que nunca na Ásia Oriental? Fomos investigar.

Mais Lidas