Prazeres

Terra Rosa, o paraíso minhoto onde se respira a arte do slow living

É a grande aposta de Eliana e Francisco Rosa, que nos últimos anos se têm dedicado de alma e coração à restauração da Quinta de Codeçosa e das suas vinhas, onde fica a Terra Rosa Country House & Vineards. Com passeios à beira rio e provas de vinho, é o lugar ideal para recarregar energias ou criar memórias em família.

Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
13 de janeiro de 2023 Ana Filipa Damião

Sabe aquelas vilas típicas dos filmes que dão ao domingo à tarde na televisão? Aquelas onde todos se conhecem e parece não haver espaço para segredos. Aquelas pouco conhecidas, mas lindas e cheias de história? É a dez minutos de uma dessas vilas que fica a Terra Rosa Country House & Vineards, na Quinta de Codeçosa. Referimo-nos a Ponte de Lima, a vila mais antiga de Portugal, no Alto Minho, sub-região conhecida internacionalmente pela sua produção de vinho verde. Quanto à quinta onde está inserida a Terra Rosa, podemos compará-la àquelas que vemos nas telenovelas portuguesas, mas sem os senhorios e devidos caseiros. 

Vista aérea da Terra Rosa Country House & Vineards.
Vista aérea da Terra Rosa Country House & Vineards. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards

Nada neste hotel é demasiado emproado ou vaidoso: tudo existe na medida certa. Eliana Rosa, responsável pela recuperação e decoração de interiores da country house, queria que os seus hóspedes sentissem como se do seu lar se tratasse, longe da azáfama da cidade. Se imaginarmos os resorts de luxo numa ponta do espectro, impessoais e à grande escala, a Terra Rosa encontra-se no extremo oposto. Sentimos de imediato o zelo que toda a equipa tem pelos seus visitantes, mas sem parecerem águias a caçar a presa (como acontece nos centros comerciais). Até porque ali vive-se em modo slow e em proximidade com a natureza. É o local indicado para pôr em prática a arte do niksen (verbo holandês que significa "não fazer nada") e desfrutar do serão, para ler ou passear pelo seu terreno generoso - dos 70 hectares, 50 são atualmente vinha. É como se estivéssemos num universo à parte. Apenas nos lembramos que não estamos em campo aberto pelas casinhas brancas aqui e ali.

Quando o clima permite, o convívio faz-se na rua junto ao espigueiro e sua eira, ao estilo slow living.
Quando o clima permite, o convívio faz-se na rua junto ao espigueiro e sua eira, ao estilo slow living. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards

A quinta, que remonta ao século XVIII, foi comprada em 1948 pelos avós de Eliana, mas foi apenas quando o terreno chegou às mãos de Francisco Rosa, seu pai, que os vinhedos começaram a ser verdadeiramente explorados, há mais de quinze anos. Foi numa visita casual, em 2017, que Eliana compreendeu que, afinal, havia ali potencial para algo mais além da produção.

Atualmente são o maior produtor de vinho verde da Adega Cooperativa de Ponte Lima - 700 toneladas de uva, principalmente da casta Loureiro e Vinhão.
Atualmente são o maior produtor de vinho verde da Adega Cooperativa de Ponte Lima - 700 toneladas de uva, principalmente da casta Loureiro e Vinhão. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards

Tirou gestão de empresas na universidade e passou pela indústria farmacêutica, antes de decidir abrir uma loja de decoração com a irmã em Viana do Castelo. "A minha mãe já tinha tido lojas de decoração lá, quando éramos pequeninas, e por isso acho que foi uma coisa que esteve sempre presente na nossa família", explicou em entrevista à Máxima. "Vendi a minha parte à minha irmã e abracei completamente o projeto". O processo não foi fácil nem rápido, "mas quem me conhece sabe que gosto de conviver com as pessoas e que sempre quis ter um hotelzinho. Gosto muito de turismo e de viajar, portanto isto era a minha cara".

Francisco e Eliana Rosa, pai e filha.
Francisco e Eliana Rosa, pai e filha. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards

A ideia era manter o charme da quinta e as características que lhe dão personalidade, como a chaminé em ferro da casa do lúpulo, por onde começaram a recuperação e onde, como o nome indica, se secava a planta anos atrás. É também aí que os hóspedes começam a sua estada neste pequeno paraíso, uma vez que agora é utilizada como área de receção e de estar, zona de refeições ligeiras e ainda onde fica a cozinha. A atenção aos detalhes é impecável. Ainda não absorvemos a beleza do que nos envolve e já temos um chá quentinho e uma fatia de bolo caseiro - divinal! - à espera, cortesia das meninas da Terra Rosa, do mais doce e amável que há. No mesmo edifício estão ainda os quartos: são sete no total, três deles suítes com quarto e sala de estar.

Nos quartos, o ambiente é sereno e intimista.
Nos quartos, o ambiente é sereno e intimista. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
Curiosamente, a decoração das casas-de-banho é a favorita de vários hóspedes, contou Eliana à Máxima.
Curiosamente, a decoração das casas-de-banho é a favorita de vários hóspedes, contou Eliana à Máxima. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards

"O estilo da Terra Rosa é inspirado numa filosofia japonesa chamada Wabi-Sabi, que significa ver a beleza nas coisas imperfeitas, porque todo o nosso mobiliário, principalmente por ser antigo, já tem marcas do tempo, mas são exatamente estas marcas que dão personalidade aos móveis e a que nós achamos graça. Como se fossem rugas, contam as histórias de vida do que os fez chegar àquele estado", explica Eliana enquanto olhamos para a chuva miudinha que cai no relvado. "Queria uma decoração muito sóbria e com materiais naturais como a madeira, os linhos e os algodões". Privilegiam as madeiras recicladas e as sublimes peças em segunda mão, algumas com cem anos ou mais, e envelhecem aquilo que tem de ser feito de raiz. A origem destes pequenos tesouros é variada, mas muitos vêm da China e da Índia, alguns da Tailândia e do Vietname.

A decoração serena da sala de estar, na casa do lúpulo, convida-nos a relaxar enquanto lemos um bom livro.
A decoração serena da sala de estar, na casa do lúpulo, convida-nos a relaxar enquanto lemos um bom livro. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
A maior parte do mobiliário e objetos na Terra Rosa é antigo, alinhando na perfeição com a filosofia Wabi-Sabi.
A maior parte do mobiliário e objetos na Terra Rosa é antigo, alinhando na perfeição com a filosofia Wabi-Sabi. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards

Formando uma espécie de praça comum, existem mais três casinhas perto da primeira: um solar minhoto, uma casa grande com capela e pátio interior e um antigo armazém de colheitas, atualmente a ser restaurado para servir de zona de atividades, como provas de vinhos ou workshops de artesanato e culinária, e para eventos como casamentos, batizados, festas de aniversário, entre outros, em princípio já em 2024. Chamam-lhe carinhosamente de Casa Rosa, pois descobriram que as paredes exteriores eram dessa cor no processo de retirar a tinta branca que as cobria, como nos contaram aquando da visita guiada. O seu interior alinha-se sem esforço com o resto da quinta graças à visão perspicaz de Eliana.

O antigo armazém das colheitas, hoje Casa das Colheitas (ou Casa Rosa), tem dois andares: o primeiro conta com uma cozinha e área de refeição e o segundo foi transformado numa sala de estar.
O antigo armazém das colheitas, hoje Casa das Colheitas (ou Casa Rosa), tem dois andares: o primeiro conta com uma cozinha e área de refeição e o segundo foi transformado numa sala de estar. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
"Quisemos tons neutros que dessem serenidade, tranquilidade e paz ao olhar e que fossem muito confortáveis, daí a cor de café com leite que optámos para os tons das paredes, do chão e do teto". Também foi ela que desenhou a cozinha, as portas e os quadrados de ferro que estilizam uma das paredes da casa do lúpulo, para puxar um pouco a vibe industrial que já havia. "Sofisticado sem ser pretensioso", era este o ADN que queriam construir para a Terra Rosa, algo que, na nossa opinião, foi muito bem sucedido. Das flores aromáticas escondidas entre as almofadas à ideia criativa de usar uma antiga mesa de carpinteiro como mesa de hall, olhar em redor apenas uma vez não chega, pois corremos o risco de perder metade do que faz a Terra Rosa... ser a Terra Rosa.

Porquê ficar dentro de casa quando podemos deleitarmo-nos com a paz do campo ao ar livre?
Porquê ficar dentro de casa quando podemos deleitarmo-nos com a paz do campo ao ar livre? Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
Na continuação da visita guiada espreitámos ainda a acolhedora capela e passámos pelo espigueiro de portas vermelhas, típico do Minho, e sua eira em direção à piscina exterior de água aquecida a 30 graus, a alguns passos dos tanques de pedra. Sem dúvida a área mais caprichada para receber o verão, embora a quinta tenha atividades compatíveis com temperaturas mais baixas.

A piscina aquecida a 30 graus e o tanque em pedra são zonas muito cobiçadas durante o verão.
A piscina aquecida a 30 graus e o tanque em pedra são zonas muito cobiçadas durante o verão. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
Depois do almoço fomos conhecer os terrenos. Passeámos à beira do rio Neiva, perdemo-nos entre vinhas, que estão no seu estado mais bonito, coloridas, ante a época da vindima, e tirámos fotografias no majestoso baloiço de madeira no ponto mais alto da propriedade, o melhor spot para se apreciar toda a sua beleza. Quando o clima permite, há a possibilidade de se fazerem piqueniques na relva, andar de bicicleta, jogar um pouco de golfe e desfrutar de uma massagem ao ar livre. Na altura dela, há a apanha da azeitona, da castanha e ainda a vindima, claro. É um projeto ambicioso (ainda não está terminado) que só agora começou a dar os primeiros passos - abriu portas em maio 2021 - mas que já está a provar o seu valor.

Há também a possibilidade de desfrutar de uma relaxante massagem ao ar livre, numa zona segura dos restantes hóspedes.
Há também a possibilidade de desfrutar de uma relaxante massagem ao ar livre, numa zona segura dos restantes hóspedes. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
Passeios à beira do rio Neiva é apenas uma das várias atividades que a Terra Rosa oferece.
Passeios à beira do rio Neiva é apenas uma das várias atividades que a Terra Rosa oferece. Foto: Terra Rosa Country House & Vineards
Para os amantes de decoração

O hotel funciona como um showroom, ou seja, todos os objetos e mobiliário que for do agrado dos hóspedes estão para venda. A isto, a Terra Rosa irá também vender peças têxteis, como as toalhas de mesa e os aventais da equipa, bem como outros pequenos objetos, de modo a que os visitante possam levar para casa um pouco do paraíso. E quem se apaixonar mesmo pela filosofia Wabi-Sabi, saiba que a Eliana está a fazer a decoração de interiores de casas particulares. 

Onde? Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo. Preçário: Época baixa (casal com pequeno-almoço) de €150 a €230 por noite; Época alta (casal com pequeno-almoço) de €210 a €300 por noite. Reservas aqui

Saiba mais
Lugares, Tendências, Terra Rosa Country House & Vineards, Ponte de Lima, Slow Living
As Mais Lidas