Moda / Tendências

De tecidos antigos, colchas e toalhas de mesa para novas peças: o universo sustentável de Béhen

A jovem criadora portuguesa apresenta pela primeira vez na ModaLisboa, uma coleção da sua autoria com consciência ambiental, social e cultural. E foi ao baú das avós para o fazer.

A carregar o vídeo ...
09 de outubro de 2020 | Rita Silva Avelar

Joana Duarte é nome por detrás da marca nacional Béhen. De sorriso sempre aberto, é assim que nos fala daquilo que a incentivou a criar a marca que reutiliza os materiais no fundo dos baús das avós, para resgatar as colchas, as toalhas de mesa – todo enxoval de antigamente, na verdade – para criar peças frescas, criativas e irrepetíveis.

A visão sobre como o fazer nasceu numa viagem à Índia. "Descobri muitas coisas, por exemplo em relação à passagem de geração dos saris, e sobre a proteção em relação aos têxteis." Mais tarde, já em Portugal, foi no enxoval da avó que descobriu como poderia por em prática aquilo que a Índia lhe ensinou. "Eu não sabia se haviam muitas pessoas que se iriam relacionar com o conceito, mas o que é certo é que toda a gente se lembra do tal napron que tem em casa e que não usa."

É assim que dá vida, hoje, aos "enxovais da avós do Portugal inteiro" conta-nos, entre risos, nos quais descobre tecidos antigos como colchas, lençóis, saris ou naprons com bordados, rendas ou com outras técnicas de costura feitas à mão. "Já tenho uma rede de mulheres que me enviam fotografias, vídeos, vou ter com elas a feiras e mercados. Há já uma networking de mulheres que não só me mostram as coisas como me contam as histórias por detrás das peças." Também vai à procura de tesouros lá fora, como nos revela. "Procuro ter um mix de outras culturas."

Talvez te escreva, o nome que deu a esta coleção, é "uma ode à infância e à dor de crescimento chamada amor, bordado com cristais Swarovski, gota a gota por mãos de fada como que lágrimas de felicidade" lê-se na apresentação da coleção, que foi apresentada no segundo dia da ModaLisboa, na Estufa Fria. O branco, o rosa, o vermelho, o azul e o amarelo são as cores que contam a história de peças como vestidos de noiva dos anos oitenta, descobertos em parceria com a Humana e com a Fundação Aga Khan, entre outras peças como tops e casacos, muitas vezes apimentados com frases típicas dos chamados pratos falantes portugueses, com frases como "És má", "Amo-te muito" ou "Viva os noivos". Os sapatos foram recriados através de coleções antigas da Seaside e os ramos de flores são da Oh, Maria.

Leia também

Sobre as histórias destes vestidos, conta que "é engraçado porque contam histórias felizes mas também tristes, têm um mix de carga emocional. É interessante juntar as peças e ver o que acontece. "É a minha avó que me conta a maior parte das histórias. A minha favorita tem a ver com o bordado que é o logo da marca: tem a ver com um coração com uma chave que a minha trisavó bordou quando casou com o meu trisavô."

Conheça a coleção no vídeo, acima.

1 de 25
2 de 25
3 de 25
4 de 25
5 de 25
6 de 25
7 de 25
8 de 25
9 de 25
10 de 25
11 de 25
12 de 25
13 de 25
14 de 25
15 de 25
16 de 25
17 de 25
18 de 25
19 de 25
20 de 25
21 de 25
22 de 25
23 de 25
24 de 25
25 de 25
Leia também
Saiba mais Béhen, Tecidos Antigos, Colchas, Moda, Estilo, Tendências, Bordados, Tops, Casacos, Malhas, Reciclar, Sustentabilidade
Mais Lidas