Especiais

O mistério do naked dress

Chamam-lhe naked dress, ou vestido transparente, e é impossível não o associarmos às irreverentes escolhas de várias celebridades. Afinal, qual é o efeito deste look?
Por Rita Silva Avelar, 04.12.2018

"Ela queria parecer incrível. E queria, de facto, provocar as pessoas!", diria, décadas depois, o designer Jean Louis, que em 1962 desenhou o vestido com que Marilyn Monroe entrou na Casa Branca para cantar os parabéns ao Presidente John F. Kennedy. E porque a moda é feita de mulheres que gostam de arriscar, três décadas depois, em 1993, a dupla de supermodelos Kate Moss e Naomi Campbell roubava todas as atenções numa festa da agência de modelos Elite Model, ambas em vestidos transparentes. O impacto foi imediato, mesmo para a irreverência da indústria da moda, realçando tendências e agitando os preconceitos associados aos ideais de beleza.

Mais tarde, em 1998, seria impossível não mencionar o vestido que Sarah Jessica Parker usou na icónica sequência inicial de O Sexo e a Cidade, deitada num anúncio colado a um autocarro. Seguiram-se vários momentos em que este vestido foi protagonista, em passadeiras vermelhas ligadas à televisão, ao cinema e à música.

Nos últimos anos, foram ainda mais as celebridades que levaram as transparências à letra, como aquele Adam Selman coberto de diamantes Swarovski que Rihanna escolheu para os prémios CFDA de 2014. No ano seguinte, na cerimónia da MET Gala, foi a vez de Beyoncé surpreender em Givenchy e Jennifer Lopez em Versace – ambos com o tecido e os bordados necessários para tapar algumas zonas-chave e pouco mais. Ainda em 2015 não conseguimos ficar indiferentes às escolhas de Kendall Jenner e Bella Hadid em Roberto Cavalli no Festival de Cinema de Cannes. Ambas repetiram a proeza várias vezes na passadeira vermelha de Cannes ou na Met Gala de Nova Iorque.

Em 2017, Kim Kardashian surgiu com um vestido feito em plástico e transparente, apenas com umas cuecas em seda por baixo e sem soutien. Bastou, para completar o conjunto, um casaco Jil Sander e umas sandálias, também em plástico, da Yeezy. O motivo para a ousadia do look? Uma ida a um restaurante de sushi, claro. Já este ano, foram os prémios Grammy a trazer-nos mais exemplos de vestidos naked, entre o Jean-Paul Gaultier de Rita Ora ou o Armani Privé, mais contido, de Lady Gaga. 

Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
2 Comentários
Comentário mais votado
Eu É Que Sei E quando depois vêm com as historias do MeToo e coisas do genero, ficam muito surpreendidas que ninguem lhes ligue nenhuma...
Há 1 semana
VÍBORA_MORTAL* Cuidado meus amigos: Não é a beleza feminina que está em causa e sim as tentações a que indubitavelmente somos sujeitos. Em causa poderão estar milhares de Euros... se não tivermos maturidade para sabermos resistir à provocação deliciosa, deste jardim de Éden.
Convenhamos no entanto, nada há de mais belo.
Há 1 semana
Eu É Que Sei E quando depois vêm com as historias do MeToo e coisas do genero, ficam muito surpreendidas que ninguem lhes ligue nenhuma...
Há 1 semana
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!