Atual

"As mulheres vão gostar dele": Sean Connery, o escocês dos encantos mil

O mundo da sétima arte perdeu um dos seus grandes astros. O universo, em geral — e o das mulheres, em particular —, viu partir a voz mais ímpar de que há história, a par do sotaque mais desejado de sempre.

Sean Connery
Sean Connery Foto: Getty Images
02 de novembro de 2020 | Pureza Fleming

Conta-se que foi Dana, a mulher do coprodutor de 007, Cubby Broccoli, que o convenceu a considerar Sean Connery para o papel de James Bond. Na calha, estavam nomes fortes do cinema da época, como é o caso de Richard Burton, Cary Grant e Rex Harrison.

Sean Connery como James Bond, em Dr. No (1962)
Sean Connery como James Bond, em Dr. No (1962) Foto: IMDb



Todos eles candidatos exímios, qualquer um deles ator de excelência, nenhum deles com a voz e com o sotaque de Sean Connery. E, muito menos, com aquele ar que não chega a ser de malandromas que o roça muito bem —, adivinhando-se divino quando envolvido num charme distinto, bem como num oceano de encantos mil, como só Sean Connery. Para a mulher de Cubby Broccoli, aquele ator escocês tinha, precisamente, "o magnetismo e a química sexual" necessários para o papel de James Bond. Fleming, o criador de Bond, não concordou. Acontece que, no final das contas, Broccoli estava certo e Fleming estava errado.

Sean Connery como James Bond, em Goldfinger (1964)
Sean Connery como James Bond, em Goldfinger (1964) Foto: IMDb





"As mulheres vão gostar dele"

Foi em 1957 que Sean Connery conseguiu o seu primeiro papel principal, em Blood Money, uma versão da BBC de Requiem for a Heavyweight, no qual o escocês interpretou um pugilista cuja carreira se encontrava em declínio. Tornou-se famoso, na América, quando o ator, Jack Palance, se recusou a viajar para Londres, no âmbito daquele filme, e, então, Jacqueline Hill, a futura mulher do produtor da película, Alvin Rakoff, sugeriu Sean: "As mulheres vão gostar dele", fundamentou.

Sean Connery e Lana Turner em Another Time, Another Place (1958)
Sean Connery e Lana Turner em Another Time, Another Place (1958) Foto: IMDb





Um ano depois, Sean Connery contracenava ao lado de Lana Turner, em Another Time, Another Place (1958). O namorado daquela atriz, o mafioso Johnny Stompanato, reagiu mal aos rumores de um possível romance entre os atores, que despontaram na altura, invadiu o set e puxou de uma arma. Connery conseguiu agarrá-lo e dominá-lo, sem que tenha sido necessário outro tipo de intervenção. A realidade é que as mulheres, sim, gostavam dele. E as mulheres dos realizadores tinham sempre razão quando alertavam os seus maridos para esse facto: o poder (inquestionável) de sedução de Connery, Sean Connery. O ator escocês morreu aos 90 anos, divulgou a BBC na manhã de 31 de outubro. E, com ele, a voz mais sexy de sempre e o sotaque mais incomparável da história.

Saiba mais Sean Connery, Cubby Broccoli, James Bond, Fleming, artes, cultura e entretenimento, cinema, BBC, 007
Relacionadas

Brad Pitt e Joe Biden juntam-se em vídeo

Brad Pitt está entre as celebridades que apoiam Joe Biden. No último vídeo de campanha de Biden, o ator afirma que o candidato é “o presidente para todos os americanos”.

Mais Lidas
Shopping Presentes de Natal até €50

Sem ideias para os presentes deste ano? Conheça a nossa wishlist natalícia, que vai desde livros a joias, passando por coffrets de beleza ou objetos para decorar a casa.