Atual

Mulheres Más. Um livro que celebra as mulheres que fizeram a História

María Hesse quis ser irónica, provocativa e, ao mesmo tempo, usar a sua imaginação e a criatividade. A rebeldia começa logo pelo título: 'Mulheres Más' ilustra as histórias destas “princesas passivas, bruxas perversas, mães maldosas, femmes fatales, loucas apaixonadas e personagens secundárias perfeitas.” Assim as classifica. Quem são elas?

A ilustradora María Hesse lançou o seu novo livro, "Mulheres Más".
A ilustradora María Hesse lançou o seu novo livro, "Mulheres Más". Foto: D.R
08 de março de 2023 Rita Silva Avelar

Nascida em Huelva, Espanha, 41 anos, a carreira criativa de María Hesse é marcada por temas tão diferentes quanto a ilustração, a educação e o feminismo - três domínios que são usados como poderosas ferramentas em Mulheres Más, uma bonita homenagem às anti-heroínas da nossa História. Editado pela chancela Iguana, da Penguin Random House, este livro reconta as vidas de figuras femininas como Madame Bovary, Sarah Connor, Yoko Ono, Helena de Troya ou Monica Lewinsky. Ilustradas com uma graça que só alguém que "leu" bem as trajetórias destas mulheres o poderia ter feito, todas são uma fonte de inspiração.

Mulheres Más é um título forte. O que a levou a escolher estas mulheres em particular?

A ideia surgiu depois de pensar muito sobre como a narrativa ficcional tinha construído [histórias de] mulheres más dando-as como exemplos a não seguir, quando no fundo eram mulheres poderosas e livres. E como essas histórias tinham, por sua vez, servido para apontar o dedo a mulheres da vida real que incomodavam o patriarcado.

O que vê nos olhos destas mulheres, que são sempre tão acentuados nas suas ilustrações?

Para mim, os olhos das pessoas dizem muito, talvez seja por isso que são tão importantes nas minhas ilustrações. Penso que através deles tudo é dito. 

"Mulheres Más" homenageia as anti-heroínas da nossa história. Foto: D.R

Como vê a sua geração de mulheres, o que as caracteriza? Quando pensa nas mulheres da sua família, nas suas amigas…

Penso que há um pouco de tudo. Há mulheres que acordaram e estão a lutar para que as coisas mudem. Não tem de ser uma luta pública, é também importante lutar dia após dia em todas as áreas das nossas vidas. Mas ainda há muitas que não abriram os olhos porque não é fácil. Depende muito do contexto em que se vive. É por isso que é tão importante que estas questões sejam abordadas na escola.

Mães más é um capítulo irónico, que conta as histórias de várias mulheres famosas. A maternidade ainda é uma luta solitária?

A maternidade ainda é uma questão por resolver, mas não só a maternidade, penso que é muito importante questionar a paternidade. Co-responsabilidade pela paternidade. É fácil julgar e fazer exigências do exterior quando se exige tão pouco dos homens.

Quando é que percebeu que queria ser ilustradora? Diz que a professora e a mãe foram as primeiras a saber, e a María?

Eu sempre gostei de desenhar e contar histórias. Quando era criança, queria ser pintora, cantora ou atriz. Eu era terrível nas duas últimas. Nunca deixei de desenhar e escrever, precisava de o fazer. No liceu já sabia que queria fazer isto, mas o caminho era longo e não era fácil.

Madrastas cruéis, mulheres infiéis, filhas rebeldes. Será que a sociedade ainda olha e julga as mulheres nestes papéis, muito mais do que os homens nas mesmas posições?

Bem, os homens são recompensados. São vistos como bem sucedidos com as mulheres, livres. Um pai ou padrasto, se passar algum tempo a experimentar a paternidade, torna-se padrasto, esse termo não existe para as mulheres.

Qual é a sua história favorita e porquê?

Não tenho uma história favorita, penso que elas formam um todo. É preciso olhar para elas como um todo para as compreender.

Qual delas foi a mais ambiciosa a ilustrar?

Não tinha pensado nisso. Normalmente acho a parte da escrita muito mais difícil, mas quando se trata de desenhar, é um prazer total para mim.

Que mulher a inspira?

Todas elas. Suponho que acima de tudo a minha mãe e os meus amigos.

Saiba mais
Mundo, Discussão, Livro, Feminismo, Dia da Mulher
Leia também
As Mais Lidas