Prazeres

Ojo Gallery. Descobrir Portugal através do olhar

A um passeio de distância do Jardim da Estrela, a Ojo convida-o a conhecer as diferentes regiões do país com exposições de arte contemporânea que resgatam antigas técnicas artesanais, de norte a sul do território nacional.

Foto: João Guimarães
16 de maio de 2022 Ana Filipa Damião

Quando Marie de Carvalho se mudou para Lisboa em 2018 com dois dos três filhos, acreditava que só iria ficar por um ano. Filha de pai português e mãe francesa, mas nascida e criada em Paris, queria proporcionar aos filhos a oportunidade incrível de viverem num país estrangeiro, algo que ela própria nunca experienciou em pequena, visto que nunca teve Portugal muito presente na sua vida. De início teve alguma dificuldade em adaptar-se à vida pacata que a capital portuguesa oferecia em comparação com a azáfama de França. Porém, o fascínio pelo design português e pelas técnicas artesanais levou-a a ficar. Sem saber, estes passos foram decisivos para o início de uma grande aventura para Marie, fundadora da Ojo, uma galeria de arte contemporânea, design e artesanato português, situada junto ao Jardim da Estrela.

Ojo Gallery
Ojo Gallery Foto: João Guimarães

O negócio surgiu de forma inesperada, explicou à Máxima. "Comprei casa em Lisboa há dois anos e queria que as minhas paredes tivessem obras de artistas portugueses. Comecei a pesquisar e fiz algumas compras para a minha casa", contou, mas a oferta na altura não era suficiente. Vendia-se peças aqui e ali, mas não existia um espaço dedicado a práticas artísticas tradicionais de raízes portuguesas com uma perspetiva contemporânea, como acontece na galeria. E quando lhe perguntaram se queria alugar uma acolhedora loja na capital, a fundadora não hesitou em aceitar. Começou do zero e sem experiência na área – trabalhava em marketing e comunicação em Paris – gerindo tudo sozinha, da limpeza da loja à curadoria e direção artística dos artistas (que encontrou no Instagram ou através de amigos), passando pela entrega das obras aos diversos clientes satisfeitos.

Marie de Carvalho, fundadora da Ojo Gallery
Marie de Carvalho, fundadora da Ojo Gallery Foto: João Guimarães

"Foi pelo gosto e também por necessidade [que abri a Ojo]. Gosto de uma peça que tenha história, porque já estamos cheios de comprar no Ikea, toda a gente tem a mesma coisa, aqui temos coisas que têm uma história por trás, que têm uma alma", disse. O processo foi complexo e demorado. Afinal, Marie demorou um ano até ter a galeria a 100 por cento. Nem a escolha do nome e do logotipo foram tarefas simples.

Exposição Alentejo
Exposição Alentejo Foto: João Guimarães
Exposição Alentejo
Exposição Alentejo Foto: João Guimarães

"Ojo quer dizer olho em espanhol", começou por nos contar. "Fui com uma amiga a um museu em França, ao Museu Picasso, e lá havia olhos em todos os quadros. Para o Picasso o olho era importante." Quando a minha amiga sugeriu o nome, "conquistou-me de imediato. É o olho do artista, mas é também o olho de quem se apaixona completamente por esta ou aquela peça. Pode ser muitas coisas. É visualmente maleável, mutável. Lê-se de trás para a frente e vice-versa".

Exposição Alentejo
Exposição Alentejo Foto: João Guimarães
Exposição Alentejo
Exposição Alentejo Foto: João Guimarães

Para a primeira exposição, dedicada ao Alentejo, foram convidados 14 artistas a criarem peças que, de alguma forma, exprimissem o que esta região do sul do país significa para cada um. O resultado foi uma coleção de verdadeiras obras de arte, exclusivas, de cerâmica a têxteis e trabalho em arame, cujo elemento em comum é a paleta de cores quentes. Tratam-se de peças que falam por si. Contemporâneas, sim, mas sem nunca perderem a sua essência tradicional, com preços para todas as carteiras (entre os 40 e os 3900 euros). "Eu adoro o Alentejo. Adoro as ovelhas, as casas típicas. Quando o meu marido [que vive parcialmente em França] vem cá, eu não paro, tenho de visitar isto e aquilo. Adoro conhecer as pessoas das localidades e os artesãos dessas zonas. É preciso sair [de Lisboa] para se ter novas ideias, isso é importante, tenho a sorte de poder fazer isso."

Exposição Alentejo
Exposição Alentejo Foto: João Guimarães
Exposição Alentejo
Exposição Alentejo Foto: João Guimarães

Sem nunca realmente parar para respirar – e com várias peças de Alentejo vendidas - Marie encontra-se atualmente a trabalhar na segunda exposição, que desta vez se foca no Douro, outra região que a luso-francesa descobriu nas suas viagens pelos recantos de Portugal.

Onde? Rua de São Bernardo, 9 A e B1200-823 Lisboa. Horário: de terça a sexta-feira, das 11h às 13h e das 15h às 19h (outros horários por marcação).

Saiba mais
Cultura, Inspiração, Ojo Gallery, Artesanato, Lisboa, Cerâmica
Leia também

Analora, a nova galeria de arte decorativa de Lisboa

Numa rua movimentada no coração da capital, estão "escondidas" as peças feitas à mão da Galeria Analora. Criações únicas que prometem dar vida a qualquer casa, com preços desde os 20 euros. Conversámos com a fundadora.

As Mais Lidas