Junte-se ao nosso canal de WhatsApp e aceda diretamente aos temas Máxima do momento. Seguir
Prazeres

Bailado de Natal no TNSC com “La Sylphide”

A Companhia Nacional de Bailado apresenta La Sylphide no Teatro Nacional de São Carlos com música da Orquestra Sinfónica Portuguesa. Para ver e ouvir entre 6 e 17 de dezembro.

Foto: DR
30 de novembro de 2023 Madalena Haderer

Este Natal, a Companhia Nacional de Bailado (CNB) leva La Sylphide aos palcos do Teatro Nacional de São Carlos (TNSC), entre os dias 6 e 17 de dezembro, e do Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, nos dias 29 e 30. Quem preferir o São Carlos, contará com o bónus de ter música ao vivo, tocada pela Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigida pelo maestro Vasco Pearce de Azevedo. Já no caso do teatro Joaquim Benite, a música será gravada. No dia 5 de Dezembro, às 20 horas, a CNB promove um Ensaio Geral Solidário, no TNSC – mediante um donativo mínimo de 12 euros, o público poderá assistir ao ensaio geral, numa iniciativa que reverterá para as associações de solidariedade social Leigos para o Desenvolvimento, Nexus 3.0 e Associação Novamente. No dia 9, às 17 horas, também no TNSC, haverá uma conversa pré-espectáculo, moderada pela jornalista Cristina Peres, sobre a história, curiosidade e processos de trabalho na produção de um bailado.

"La Sylphide" estreou e 28 de novembro de 1836, no Teatro Real da Dinamarca Foto: DR

La Sylphide, o primeiro bailado romântico de que há memória, é uma espécie de Pequena Sereia que, contrariamente à ideia passada pela Disney, é uma história trágica, ou seja, acaba mal para toda a gente. La Sylphide conta a história de James, um escocês, que no dia do seu casamento com Effie é acordado por uma Sylphide – um ser alado por quem se sente imediatamente atraído. Não conseguindo deixar de pensar nela, corre para a floresta para encontrar uma forma de a tornar humana, para que possam viver felizes para sempre. O resultado, evitando spoilers, é menos satisfatório do que o jovem James poderia imaginar.

A insustentável leveza da bailarina...
A insustentável leveza da bailarina... Foto: DR

A CNB sai de 2023 com este bailado e entra em 2024 percorrendo escolas de dança do país com masterclasses gratuitas, orientadas pelas bailarinas Carla Pereira e Susana Matos – uma iniciativa ao abrigo do Programa de Aproximação à Dança, que pretende contribuir para a formação de futuros bailarinos. As inscrições para as masterclasses terminaram em outubro, mas, se tiver crianças, ainda vai a tempo de participar nos ateliers de dança para crianças e famílias, que decorrem em Lisboa, até dia 3 de dezembro. Com Asas nos Pés procura contar a história e explorar os movimentos de La Sylphide de uma forma descontraída e divertida. A entrada é livre, sujeita a inscrição no site da CNB e não é necessária formação em dança.

E do bailarino
E do bailarino Foto: DR

La Sylphide estreou a 12 de março de 1832, na Academia Real de Música, em Paris, com coreografia de Filippo Taglioni e música de Jean Schneitzhoeffer. Em 1836, August Bournonville criou a sua versão coreográfica com uma nova partitura de Herman Löwenskjold, para o Ballet Real da Dinamarca. Esta versão, que continua a ser uma das versões mais dançadas por todo o mundo, chegou a Portugal a 10 de julho de 1980, no TNSC, onde agora regressa.

Saiba mais
Atualidade, Diversão, La Sylphide, Companhia Nacional de Bailado, Teatro Nacional de São Carlos, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Teatro Municipal Joaquim Benite
Leia também

Um dia com a Companhia Nacional de Bailado. Em direto

Esta terça-feira, dia 19 de outubro, assinala-se o World Ballet Day e a Companhia Nacional de Bailado vai mostrar os bastidores de um dia de trabalho no Teatro Camões, enquanto prepara a produção clássica Alice no País das Maravilhas, que estreia em dezembro.

"Livrar-me", um espetáculo escrito no feminino

Da dramaturga e encenadora Ana Lázaro, com co-criação de Sandra Barata Belo e Raquel Oliveira e música de Luísa Sobral, a peça, com estreia a 31 de janeiro, retrata os afetos do feminino - a relação entre uma mãe e uma filha.

Estivémos nos bastidores da Companhia Nacional de Bailado. Eis o que vimos

Em conversa com a Máxima, Fábio Lopez, coreógrafo de Avant Qu’il N’y Ait Le Silence, revela o processo de criação da sua nova obra, com figurinos de José António Tenente. Esta é a primeira peça do português para a Companhia Nacional de Bailado, incorporada no programa Keersmaeker/Lopez/Ekman e em exibição até dia 19 de março, no Teatro Camões, Lisboa.

As Mais Lidas