Celebridades

Amber Heard foi mãe. "Não é preciso um anel para se ter um bebé"

A atriz recorreu a uma barriga de aluguer para ser mãe solteira. Eis o nome da sua filha, que nasceu em abril.

02 de julho de 2021 | Rita Silva Avelar
"Estou muito entusiasmada por partilhar convosco esta notícia. Há quatro anos decidi que queria ter um filho. Queria fazê-lo nos meus próprios termos" começa por escrever Amber Heard, na sua página de Instagram. A atriz decidiu ter uma filha e ser mãe solteira, recorrendo a uma barriga de aluguer. "Agora sei como é radical para nós, mulheres, pensar desta forma sobre uma das partes mais fundamentais dos nossos destinos. Espero que cheguemos a um ponto em que se normalize não se precisar um anel para se ter um "berço" diz, referindo-se a um bebé.

View this post on Instagram

A post shared by Amber Heard (@amberheard)

"Uma parte de mim quer defender que a minha vida privada não é da conta de ninguém. Também percebo que a natureza do meu trabalho me obriga a assumir o controlo disto" escreve.

"A minha filha nasceu a 8 de abril de 2021. O seu nome é Oonagh Paige Heard. Ela é o início do resto da minha vida" diz ainda Heard, que se divorciou em 2017 de Johnny Deep, um relacionamento que gerou uma controvérsia em Holllywood além de vários meses em tribunal (que se prolongam até hoje). A última relação assumida pela atriz foi com Bianca Butti, decoradora. 

Sabe-se que o nome do meio da bebé Oonagh, Paige, é provavelmente uma homenagem à mãe de Heard Paige, que faleceu em maio do ano passado. "A mulher que me fez - e me fez ser quem sou - deixou-nos muito cedo mas é lembrada todos os dias", escreveu a atriz, na altura. "Ela vive na minha alma e é levada no meu coração... sinto a sua falta todos os dias, mas tenho a sorte de ter tido o seu amor durante tanto tempo como eu".
Saiba mais Atriz, Amber Heard, Heard Paige, Instagram, Oonagh Paige Heard, Filha, Hollywood, Johnny Deep, Bianca Butti
Mais Lidas
Atual Uma novela gráfica dedicada à sexualidade feminina

Com um olhar atento e mordaz, a artista sueca Liv Strömquist expõe, na novela gráfica ‘O Fruto Proibido - Uma História Cultural da Vulva’, as mais diversas tentativas de domar, limitar e padronizar o sexo feminino ao longo da História. Acaba de ser publicada em Portugal e é tão divertida como acutilante.