Atual

Quem é Clarissa Ward, a correspondente da CNN que faz frente aos talibãs?

Já reportou mortes, tragédias ambientais, prisões políticas, e passou por países como Moscovo, Pequim ou Irão. O seu rosto, tapado com um hijab preto, tem sido corajosamente revelado durante a cobertura da CNN da situação em Cabul, após a tomada de poder por parte dos talibãs no Afeganistão.

20 de agosto de 2021 | Rita Silva Avelar

Pergunta aos talibãs porque tem que cobrir o rosto, porque carregam armas ou o que pretendem fazer às mulheres afegãs. As imagens de Clarissa Ward em Cabul, capital do Afeganistão, têm corrido o mundo. A chefe correspondente da equipa internacional da CNN mostra-se destemida na abordagem aos afegãos, incluindo os talibãs, que tomaram conta da capital no passado domingo 15 de agosto, restaurando o Emirado Islâmico no Afeganistão. Ao lado da não menos corajosa equipa da CNN, a jornalista tem retratado os momentos de tensão na cidade, sobretudo no aeroporto, onde há um clima de medo provocado por talibãs armados e afegãos que querem escapar.

Aos 41 anos, é vista como uma das repórtes correspondentes mais destemidas e convictas da atualidade, e o seu percurso é prova disso. Começou como assistente na 
Fox News em 2003, tendo mais tarde coordenado a cobertura de acontecimentos como a captura de Saddam Hussein, o tsunami do oceano Índico em 2004 ou as mortes de Yasser Arafat (ex-líder da Organização para a Libertação da Palestina) em 2004 e do Papa João Paulo II em 2005. Em 2006, Ward trabalhou como produtora, em campo, para a Fox News. Foi ela quem produziu a cobertura da Guerra do Líbano de 2006, o sequestro de Gilad Shalit e a subsequente ação militar de Israel na faixa de Gaza, o julgamento de Saddam Hussein e o referendo constitucional de 2005 no Iraque. 

Leia também

Antes de outubro de 2007, Ward morava em Beirute e trabalhava como correspondente da Fox News. Ao longo da sua carreira, conduziu entrevistas com figuras notáveis como o general David Petraeus, o então vice-primeiro-ministro iraquiano Barham Salih ou o presidente libanês Emile Lahoud. É fluente em francês e italiano, mas também sabe russo, árabe e espanhol, e até o básico de mandarim. Formou-se na Universidade de Yale, nos EUA. 

De outubro de 2007 a outubro de 2010, foi correspondente da ABC News em Moscovo, onde conheceu o atual marido, com quem tem dois filhos pequenos (3 e 1 anos). Na Rússia, Ward cobriu as eleições presidenciais que levaram Vladimir Putin à presidência, em 2012. Mais tarde, Ward foi transferida para Pequim, como correspondente da ABC News na Ásia, onde reportou o terramoto Tohoku e o tsunami de 2011 no Japão. Também cobriu os conflitos no Afeganistão ao longo dos anos - pelo que não está num terreno que não conhece. Pelo contrário - em 2019, foi uma das primeiras repórteres ocidentais a cobrir a vida nas áreas controladas pelos talibãs no Afeganistão.

A carreira de Ward na CBS começou como correspondente internacional, em outubro de 2011. Foi colaboradora do programa televisivo 60 Minutes. Da guerra civil na Síria à passagem do ativista de direitos civis chinês Chen Guangcheng pela Embaixada dos Estados Unidos em Pequim, e às negociações subsequentes entre os Estados Unidos e a China, sem esquecer a revolução ucraniana de 2014, Ward cobriu eventos de enorme peso mundial. 

Em 2012, durante um trabalho para o programa 60 Minutes na cidade síria de Aleppo, Ward e a sua equipa sofreram disparos de franco-atiradores e bombardeios aéreos. Em julho de 2013, Ward esteve no Egipto, filmando na mesma área onde a correspondente da CBS Lara Logan foi abusada sexualmente alguns anos antes. Em outubro de 2014, Ward voltou à Síria clandestinamente para entrevistar dois jihadistas ocidentais sobre radicalismo.

Juntou-se, por fim, à CNN em 2015, baseada em Londres. Em julho de 2018, a CNN nomeou Ward como a principal correspondente internacional, sucedendo a Christiane Amanpour

Leia também

Em 2020 esteve à frente do caso do líder da oposição russo Alexei Navalny durante anos, que culminou no seu envenenamento em agosto do ano passado. Está agora em Cabul, a cobrir a tomada de posse dos talibãs e o clima de instabilidade na cidade.

Entre os prémios de carreira que já recebeu, sobressaem o Foster Peabody, em 2012, pela sua cobertura jornalística na Síria. Em outubro de 2014, a Washington State University anunciou que Ward receberia o prémio Murrow de Reportagem Internacional de 2015. Já tem sete Emmys. No Twitter e no Instagram partilha diariamente informações sobre o seu percurso, desafios que enfrenta e questões de atualidade. É autora do livro On All Fronts onde narra histórias duras que tem vivido ao longo da sua carreira.

Leia também
Saiba mais Clarissa Ward, Cabul, Cabul, Afeganistão, Afeganistão, Emirado Islâmico, Fox News, Saddam Hussein, Síria, ABC News na Ásia, Pequim, Pequim, CBS, Minutes
Mais Lidas