Atual

Como saber se sofre de depressão pós parto

O que se sente realmente? É tristeza ou é só cansaço? Questiona-se Júlia Pereira, 30 anos. Descubra que sintomas se identificam com este diagnóstico que afeta mais mulheres do que se pensa.

Foto: Naomi August / Unsplash
19 de agosto de 2020 | Maria do Céu Santo
Depois de tantos meses à espera, pensar-se-ia que os primeiros dias do bebé seriam vividos por todos com emoções fortes, todas elas positivas e de extrema alegria. No entanto, nem sempre é assim. É frequente que a recém-mãe se sinta triste e insegura, devido ao conflito emocional provocado pelas alterações hormonais sofridas nesta fase. Após o parto, cerca de 50 por cento das mulheres passam por uma leve depressão conhecida por baby blues. Uma das principais causas da depressão pós-parto é a diminuição súbita das hormonas: os estrogénios e a progesterona. Esta situação surge normalmente entre o segundo e o sétimo dia após o parto e geralmente desaparece ao fim de duas semanas. O baby blues caracteriza-se pela existência de uma tristeza inexplicável, labilidade emocional (choro fácil), irritabilidade e insegurança para cuidar do recém-nascido.

Se durante nove meses, a mãe foi o centro de todas as atenções, após o nascimento do bebé ela passa para segundo plano, ocupando o recém-nascido o lugar de destaque. Por isso, não são raras as vezes em que a mulher tem alguma dificuldade em adaptar-se a uma série de novidades que chegam juntamennte como o novo elemento da família.

Existem formas de tentar minimizar esta situação, pelo que a recém-mãe deve: sair de casa para passear, de preferência, deixando o bebé com alguém de confiança; arranjar-se e evitar andar o dia inteiro de robe; aproveitar para dormir quando o bebé dorme, para evitar sentir-se tão cansada; encomendar um jantar e preparar um ambiente romântico.

Em situações mais graves, em que a tristeza se mantenha por mais de um mês acompanhada de insónias, falta de apetite, de sentimentos de conflitualidade e até, por vezes, da rejeição do recém-nascido, a depressão pós-parto (psicose puerperal) pode exigir tratamento médico adequado, nomeadamente antidepressivos.
Saiba mais Saúde, Depressão Pós Parto, Mulheres, Gravidez, Parto, Realidade, Mito
Relacionadas

Histórias de partos de mães coragem

Há quem tenha os filhos em casa, quem não passe sem o conforto da maternidade ou quem opte por métodos alternativos. E há depois as que não têm escolha. Mães coragem, capazes de enfrentar a fúria da natureza ou de levar de vencida o terror da guerra. São histórias destas que aqui contamos. As delas e as de quem as ajudou, em condições extremas, a trazer uma nova vida ao mundo.

O pai deve assistir ao parto?

"Estou a chegar ao fim do tempo de gestação e gostava de ter o meu marido comigo no momento do parto...mas não sei se é a melhor decisão." É a pergunta de Benedita Q., 33 anos. Conheça a resposta da ginecologista e obstetra Maria do Céu Santo.

Mais Lidas