Atual

Brincar com bonecas tem benefícios no desenvolvimento das crianças

A Barbie® juntou-se a investigadores para mostrar que brincar com bonecas desenvolve a empatia e competências sociais das crianças.

Foto: Barbie®
02 de outubro de 2020 | Inês Esteves

É um brinquedo que atravessa gerações e um ícone em vários sentidos. A Mattel, marca da Barbie, juntou-se a neurocientistas da Universidade de Cardiff, no País de Gales, para investigar os benefícios de brincar com bonecas, e os resultados, publicados no Frontiers in Human Neuroscience, são muito positivos.

O estudo "Exploring the Benefits of Doll Play through Neuroscience" comprovou que esta atividade estimula regiões cerebrais que "permitem às crianças desenvolver a empatia e as capacidades de processamento de informações sociais, mesmo quando brincam sozinhas", lê-se no comunicado à imprensa.

Estudo
Estudo "Exploring the Benefits of Doll Play through Neuroscience” Foto: Barbie®

 



A Barbie realizou um inquérito global em 22 países, no qual questionou 15 mil pais relativamente à inteligência emocional dos seus filhos. Os resultados mostram que 91% dos pais acham que a empatia é uma competência social fundamental para o desenvolvimento das crianças, mas apenas 26% desses acreditam que brincar com bonecas ajuda as crianças nesse mesmo sentido. O estudo foi feito durante os últimos 18 meses, liderado pela professora universitária Sarah Gerson, juntamente com os seus colegas do Centre for Human Developmental Science, na Universidade de Cardiff. A equipa recorreu à tecnologia da neuroimagem para fornecer as primeiras provas dos benefícios de brincar com bonecas – através da monitorização da atividade cerebral de 33 crianças, com idades entre os 4 e os 8 anos (enquanto brincavam com várias Barbie's). Durante esse período, a equipa descobriu que "o sulco temporal superior posterior (PSTS) - uma região do cérebro associada ao processamento de informações sociais, como a empatia - foi ativado mesmo quando a criança, menino ou menina, se encontrava a brincar sozinha.".

Dra. Sarah Gerson
Dra. Sarah Gerson Foto: Barbie®




Dra. Gerson
explica-nos que: "esta é uma descoberta inovadora. Nós utilizamos esta zona do cérebro quando pensamos noutras pessoas, especialmente quando refletimos sobre os seus pensamentos ou sentimentos. As bonecas incentivam as crianças a criarem os seus próprios mundos imaginários, em vez de as estimularem a resolver problemas e a encontrar soluções. Estes brinquedos estimulam as crianças a pensar sobre outras pessoas e sobre o modo como interagem umas com as outras. O facto de termos verificado que o PSTS é ativado durante esta atividade, comprova que brincar com bonecas contribui para o desenvolvimento de competências sociais de que as crianças precisarão mais tarde na sua vida. Como esta região do cérebro desempenhou um papel fulcral, no que diz respeito à empatia e ao processamento de informações sociais de crianças provenientes dos seis continentes, é bastante provável que possamos afirmar que estes resultados são transversais a qualquer país".

Dra. Gerson:
Dra. Gerson: "“Esta é uma descoberta inovadora. Nós utilizamos esta zona do cérebro quando pensamos noutras pessoas, especialmente quando refletimos sobre os seus pensamentos ou sentimentos." Foto: Barbie®

 







Para chegar a tais resultados
, os investigadores dividiram as atividades em diferentes categorias: brincar com bonecas sozinho; brincar com bonecas acompanhado; jogar um jogo no tablet sozinho ou fazê-lo acompanhado. Percebeu-se que as crianças "ao recriarem o mundo real nos seus mundos imaginários, estão a compreendê-lo e a assimilá-lo da forma como o apreendem. Ao simular determinadas situações, estão a desenvolver a imaginação, a fantasia e a criatividade, competências importantíssimas para o desenvolvimento infantil" afirmou a Dra. Vera Ribeiro da Cunha, psicóloga educacional.

Brincar com as bonecas estimula regiões cerebrais que “permitem às crianças desenvolver a empatia e as capacidades de processamento de informações sociais”
Brincar com as bonecas estimula regiões cerebrais que “permitem às crianças desenvolver a empatia e as capacidades de processamento de informações sociais” Foto: Barbie®

 






Saiba mais Barbies, Human Neuroscience, Universidade de Cardiff, Dra. Sarah Gerson, questões sociais, crianças, educação, ensino
Relacionadas

Existe um “gene do amor”?

Uma investigação recente demonstra que o gene CD38 pode influenciar os nossos comportamentos e dinâmicas numa relação amorosa.

Mais Lidas