Atual

Alexandra Lucas Coelho: Trinta anos de jornalismo, dez livros e quatro romances

A vida profissional de Alexandra Lucas Coelho não se conta em números nem se mede em prémios, ainda que ambos contribuam para documentar a experiência e o talento. Trocámos algumas ideias com a autora, a partir de Maputo, sobre A Nossa Alegria Chegou (Companhia das Letras), o seu mais recente livro.

20 de outubro de 2018 | Rita Lúcio Martins

Como nasceu a ideia deste romance?

Nasceu do romance anterior, Deus-dará. Depois de o publicar, no fim de 2016, viajei até ao ponto da Terra para onde parte uma das personagens de Deus-dará no final. Ou seja, fiz a viagem que essa personagem faria, se o livro continuasse. E aí nasceu a paisagem principal deste novo romance. Uma longa praia, que vai dar à foz de um rio. Uma praia que foi avançando na imaginação, com um vulcão numa ponta e a foz na outra, catos de flores azuis, selva em volta. Uma praia inexistente em qualquer lugar onde eu tenha estado, mas que partiu dessa viagem. Aí nasceu também a primeira cena de A Nossa Alegria Chegou: três pessoas de diferentes cores de pele a acordarem nuas numa cama de rede. Há vários triângulos no romance. Esse é o primeiro, o mais jovem, o principal.

Que lugar (mágico) é Alendabar?

Um universo imaginário, com a sua própria fauna, a sua própria flora, a sua própria língua (quase) perdida. Fica algures no planeta Terra, mas não sabemos onde, nem em que ano acontece a história.

 Que livros tem, actualmente, entre mãos?

O próximo romance. Não comecei a escrever ainda, estou a preparar algumas estadias e pesquisa. O que tenho na cabeça são romances. Quanto a leituras, vou começar a ler A Paixão Segundo João de Deus, de António Cabrita, senhor de prosa magnífica.

 

Um autor contemporâneo a não perder de vista?

O francês Jean-Marie Le Clézio, que foi Nobel da Literatura aqui há uns anos. Destaco em especial: Deserto, O Caçador de Tesouros, Raga, Índio Branco, Estrela Errante.

Alexandra Lucas Coelho
Foto: D.R.
1 de 2 Alexandra Lucas Coelho
Capa do livro "A Nossa Alegria Chegou", de Alexandra Lucas Coelho
2 de 2 Capa do livro "A Nossa Alegria Chegou", de Alexandra Lucas Coelho
Saiba mais A Nossa Alegria Chegou, Alexandra Lucas Coelho, Máxima, Entrevista, Revista, Livro
Relacionadas

Beatriz Batarda: “Rir é a mesma coisa que chorar, são ambas uma descarga emocional”

Nascida no fervilhar da Revolução dos Cravos, a 1 de abril de 1974, Beatriz Batarda respirou o primeiro fôlego da liberdade, mas não esquece a geração de mulheres que não a tiveram. Uma das mais aclamadas atrizes portuguesas da sua geração e da nossa, Batarda tem um discurso claro, uma voz determinada e uns olhos imensos. Escutámo-la, com atenção, num dia de sol ameno, em Lisboa.

Sofia Ribeiro (Lince): “Neste disco, deixo-me ser eu”

A artista volta a transformar-se em Lince para lançar um disco de canções algures entre a melancolia e a vontade de viver com intensidade. Conversámos com Sofia Ribeiro antes dos concertos de apresentação no Porto e em Lisboa.

Mulheres que valem por 30: de Michelle Obama a Kathryn Bigelow

Passaram 30 anos desde o lançamento da Máxima e um número incontável de mulheres contribuiu para enriquecer e dignificar com talento, coragem e combate essas três décadas. Recordamos muitas delas numa homenagem às próprias e à condição feminina.

Fátima Cardoso: "Nenhum oncologista pode ser frio e distante"

Uma das poucas mulheres à frente de um serviço de saúde, em Portugal, Fátima Cardoso tem sonhos de voo alto. Mas, primeiro, tem os pés bem assentes na Terra. Recordamos a entrevista publicada na Máxima de outubro 2018 neste Dia Mundial da Luta contra o Cancro.

Os diálogos de amor que importam em ‘O Amor é’

Inês Meneses, radialista de profissão e comunicadora de coração, e Júlio Machado Vaz, médico psiquiatra, são a dupla perfeita para falar do amor. Depois de o “pregarem” aos seus ouvintes, oferecem-no agora em forma de livro.

Mais Lidas