Prazeres

Consumir português, aqui e agora

No período de atual desconfinamento, o “novo normal” afeta principalmente os produtores portugueses, dependentes do consumo local. Saiba como apoiá-los.

30 de junho de 2020 | Vitória Amaral

Não é novidade que a crise provocada pelo novo coronavírus mudou a forma como consumimos. Sob o conselho de só fazer compras quando estritamente necessário, aliado à inquietude das medidas de distanciamento social, é provável que muitos tenham ignorado a origem dos produtos que compram.

No entanto, sendo um país que ainda depende significativamente da agricultura, Portugal viu a grande maioria dos trabalhadores deste setor com os seus postos de trabalho em risco, dada a paragem quase total da produção. No período atual de desconfinamento em que a economia nacional tenta adaptar-se ao "novo normal", este processo pode não ser tão simples para os produtores de menor dimensão, altamente dependentes dos consumidores locais.

Depois de uma situação de emergência e consequente desativação da maioria dos setores do país nos últimos meses, é importante diminuir os danos trazidos pela mesma. E é precisamente esse o objectivo destas ideias. Unindo forças com os produtores nacionais, o seu objetivo fundamental consiste em ajudar os portugueses a comprar com mais consciência e qualidade enquanto dinamizam a economia nacional (e, no caso de um deles, a apoiar os hospitais na linha da frente).

Eu Apoio a Produção Nacional

Lançada pela agência de comunicação Global Press, esta plataforma reúne lojas e marcas portuguesas de várias áreas, desde vinhos e cervejas artesanais aos têxteis e à joalharia, entre muitos outros produtos e pacotes solidários cujas vendas revertem 10% para os hospitais que de momento enfrentam a pandemia na linha da frente.

O objetivo deste movimento é, a longo prazo, incrementar a dinâmica da economia portuguesa, promovendo o consumo de produtos nacionais e tentando manter as relações comerciais para uma recuperação rápida das empresas e da economia nacional. "No primeiro momento de confinamento, com todas as restrições impostas, as disrupções nos canais de distribuição e consumo eram enormes e os produtores portugueses, alguns um pouco atrasados na digitalização e e-commerce, seriam necessariamente os mais impactados já que muitos produtores nacionais viram os seus principais canais de escoamento encerrados" explica Isabel Jorge de Carvalho, CEO da Global Press. "O site do movimento Eu Apoio a Produção Nacional apresenta-se como uma plataforma de contacto e comunicação facilitando o trabalho ao consumidor, naquilo que é hoje um desígnio de interesse nacional: escolher consumir português, gerando riqueza e mantendo os postos de trabalho em Portugal".

Com marcas como a Arcádia, A&D Wines, Victoria Handmade, Cerveja Letra e muitas outras, a plataforma continua a receber candidaturas de várias empresas, que têm apenas de reunir duas condições: serem portuguesas e doarem 10% das vendas de um produto ou pack solidário aos Hospitais Públicos. Isabel Jorge de Carvalho acrescenta que "a ajuda aos hospitais nacionais é neste momento menos necessária uma vez que o governo e a sociedade civil se mobilizaram com o objetivo de dotar os hospitais com os recursos necessários", mas a vontade de dinamizar a economia mantém-se. Saiba mais em (www.consumirportugues.pt)

Matéria

Esta iniciativa sem fins lucrativos foi desenvolvida em 2015 pelo chef João Rodrigues, inicialmente para o restaurante Feitoria (no Altis Belém Hotel & Spa) para divulgar produtores nacionais com boas práticas agrícolas e criação animal que respeitasse o meio ambiente. Nasceu de uma busca de Norte a Sul pela identidade da cultura gastronómica portuguesa numa época em que se recorria principalmente à produção internacional, por falta de consistência da nacional. Este fator reformulou o seu objetivo inicial, hoje a favor da divulgação, partilha de informação e criação de sinergias que possam colocar consumidores e chefs em contacto com os produtores, potencializando assim a distribuição dos produtos nacionais (como o Menu Matéria ou os Jantares Matéria). "Quantos mais chefes quiserem usar os produtos, mais fácil e sustentável será para os produtores criarem uma logística de entregas" resume João Rodrigues.

Embora o chef confesse que a pandemia afetou os produtores, por se verem privados do setor formado pelos hotéis, restaurantes e cafés, este garante que ao mesmo tempo "abriu uma janela de oportunidade para muitos deles arrancarem com a logística para entrega em casas particulares", sendo que a grande maioria não parou de trabalhar nem fornecer. Enquanto a vida nas cidades começa a abrir, o Matéria acaba de entrar na sua segunda fase, conectando-se com outros projetos semelhantes e virando-se toda a comunidade gastronómica: "São projetos multidisciplinares mas que são transversais à gastronomia: ceramistas, artesãos, cutelaria, mercearias, lojas especializadas, micologia, trabalhos sobre vinho, apicultura, azeite, sociologia, história da alimentação, etc". O projeto é financiado pelo Turismo de Portugal, em parceria com a Icel e o Grupo Altis Hotels como parceiros do desenvolvimento e com o apoio institucional da Comissão Nacional da Unesco. Saiba mais em https://www.projectomateria.pt/

Alimente quem o Alimenta

Lançado pelo Ministério da Agricultura (em parceria com a Rede Rural Nacional, a Federação Minha Terra, os Grupos de Ação Local e os Municípios), este novo site visa apoiar os agricultores e promover o consumo de produtos nacionais, ajudando-os a entregar ingredientes frescos e de qualidade enquanto aproxima o consumidor do produtor local (numa altura de apelo ao resguardo em casa). A ideia, claro está, é promover um consumo consciente e saídas moderadas. A partir desta plataforma online, qualquer produtor poderá, de forma simples e rápida, efetuar o seu registo para mais tarde anunciar os seus produtos e cabazes disponíveis para encomenda ou entrega. Do outro lado do ecrã, o consumidor poderá pesquisar rapidamente por concelho ou produto (biológico ou não) de forma a localizar os produtores na sua região, facilitando o seu contacto. Saiba mais em https://www.alimentequemoalimenta.pt/

Campanha do projeto "Eu Apoio a Produção Nacional"
Foto: Instagram @consumidorportugues
1 de 9 Campanha do projeto "Eu Apoio a Produção Nacional"
Campanha do projeto "Eu Apoio a Produção Nacional"
Foto: Instagram @consumidorportugues
2 de 9 Campanha do projeto "Eu Apoio a Produção Nacional"
Campanha do projeto "Eu Apoio a Produção Nacional"
Foto: Instagram @consumidorportugues
3 de 9 Campanha do projeto "Eu Apoio a Produção Nacional"
O chef João Rodrigues, fundador do projeto "Matéria", no restaurante Feitoria, em Lisboa
4 de 9 O chef João Rodrigues, fundador do projeto "Matéria", no restaurante Feitoria, em Lisboa
Campanha do projeto "Matéria"
5 de 9 Campanha do projeto "Matéria"
Campanha do projeto "Matéria"
6 de 9 Campanha do projeto "Matéria"
Campanha do projeto "Matéria"
7 de 9 Campanha do projeto "Matéria"
Campanha da plataforma "Alimente quem o Alimenta"
Foto: Facebook @agriculturapt
8 de 9 Campanha da plataforma "Alimente quem o Alimenta"
Campanha da plataforma "Alimente quem o Alimenta"
Foto: Facebook @agriculturapt
9 de 9 Campanha da plataforma "Alimente quem o Alimenta"
Saiba mais produção nacional, produtores, Portugal, projetos, mercearia, compras, alimentos, Viagens&Gourmet
Relacionadas

12 lugares únicos em Portugal

São imperdíveis, únicos, de uma beleza inigualável e… são todos em Portugal! Dozes cenários deslumbrantes para admirar e, quem sabe, sonhar com as próximas férias.

Mais Lidas
Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.