Moda

ModaLisboa: ao segundo dia Leslie apareceu, Luís Carvalho serviu-lhe cerejas

No sábado Luís Carvalho festejou os seus cinco anos de marca, Nuno Gama foi ao museu e Alexandra Moura regressou à ModaLisboa.
Por Catarina Moura, 14.10.2018

Ainda que o mau tempo não se tenha sentido como em outras edições da ModaLisboa, o furacão Leslie e as notícias e alertas da protecção civil fizeram com que a programação de rua da 51ª edição da ModaLisboa fosse interrompida este sábado, 13. Depois de desmontadas as estruturas exteriores, dentro do Pavilhão Carlos Lopes os designers portugueses continuaram indiferentes à expectativa de mau tempo, trazendo a primavera: a fechar o dia, Luís Carvalho serviu cerejas com esperança na sua internacionalização.

Na passerelle a única consequência de Leslie foi a progressiva diminuição do público na sala. A audiência voltou a compor-se para Luís Carvalho, que comemora este ano cinco anos de marca, sempre a desfilar em Lisboa, onde rapidamente se afirmou, fechando desde cedo a programação de alguns dias de ModaLisboa. "Cinco anos parece ser pouco tempo para comemorar, mas para mim é importante porque, no mundo da moda em Portugal, é muito difícil sobreviver e ter uma marca consistente. E há um grande crescimento desde a primeira colecção para a última: penso que esta representa bem aquilo que acho que é o ADN da marca", diz o designer acrescentando que a marca é neste momento sustentável.

Essa identidade que construiu está no trabalho dos volumes e nas silhuetas femininas rigorosamente estruturadas, em materiais como os tafetás, crepes e cetins de seda e nos estampados desenvolvidos por si e em que não investia tanto desde os primeiros anos. Para Cherry, a colecção que fechou o penúltimo dia de ModaLisboa, desenvolveu padrões com cerejas, tornando este fruto numa inspiração literal mas indo além disso. As cerejas estiveram também em moldes circulares que decoraram decotes e saias, em vestidos e tops volumosos e na inspiração oriental que vem com as flores de cerejeiras - houve quimonos e cintos ao jeito asiático.

O próximo passo da marca Luís Carvalho é a internacionalização, conta à saída do desfile avançando que está já a sondar showrooms internacionais. "Em Portugal já tenho um público conquistado e para o volume de vendas que quero preciso de ir para fora porque Portugal não é suficiente", explica acrescentando que o mercado parisiense é aquele com que mais se identifica e portanto aquele que primeiro vai tentar.

Enquanto Luís Carvalho falava sobre a progressão da sua marca nos últimos cinco anos, lá fora sentiam-se uns leves chuviscos e quase nenhum vento, mas já tinham sido desmontadas as estruturas do WonderRoom, a loja temporária da ModaLisboa onde desta vez se apresentam 24 marcas e designers nacionais, da Workstation, a exposição de fotografia que documenta o evento e que este ano inclui também ilustração, o espaço Portuguese Shoes e o showcase ModaPortugal, que conjuga moda, tecnologias e indústria - todos estes espaços abertos ao público em geral. O regresso desta programação está marcado para domingo, 14, último dia do evento, noticiou a agência Lusa.

Sábado começou com apresentações abertas a todo o público e não apenas com acesso por convite, como acontece com a maioria dos desfiles. Nuno Gama foi para onde se sente mais confortável: junto dos tesouros e da história portuguesa. As portas do Museu Nacional de Arte Antiga abriram-se ao público em geral para que todos pudessem circular entre os modelos masculinos, distribuídos pelo terceiro piso, dedicado à pintura e escultura portuguesas.

O MNAA como cenário apareceu como forma de "agradecer aos painéis de São Vicente de Fora a inspiração" da última colecção (Outono-Inverno 18), diz Nun Gama, e de "trazer-vos aqui para que possam receber aquela magnífica energia que os painéis emanam e todo o espólio do museu", acrescenta. Os seus fatos 100% alpaca, criações em tons secos e outras em preto, branco e vermelho foram inspeccionados de perto pelos visitantes do MNAA, enquanto aa onda de gente foi observada pela segurança do museu - toda concentrada neste piso.

 

Este sábado marcou ainda o regresso de Alexandra Moura à ModaLisboa com um "powered by Portugal Fashion" - é o resultado do protocolo entre o evento lisboeta e o portuense assinado em Setembro. Depois da ausência de quatro estações, a designer que começou a sua carreira com a ModaLisboa volta a esta primeira casa para lembrar a própria infância. Na passerelle do Pavilhão Carlos Lopes soaram sinos de igreja no início e no final do espectáculo, memórias das férias em Vila Verde da Raia, e Trás-os-Montes, onde moravam os avós Amélia e Delfim. As imagens da casa de aldeia vão ter a quadros com flores pintadas ao jeito impressionista - "uns mais elegantes misturam-se com outros mais kitsch" - ou a flores artificiais, a carpetes e sofás com brocados, colchas de cetim, folhos e laços. Isto tudo vê-se nos constantes laços que já são sinónimo de Alexandra Moura, nas saias com peitilho muito naifes, nos folhos, na viscose floral em preto para vestidos e tops femininos e numa ponte com o moderno no uso de gangas e tecidos impermeáveis com padrão floral em quispos e mochilas.

O dia seguiu no Lago do Botequim do Rei que foi pela primeira vez palco do evento - uma forma de o devolver à cidade depois das obras de reabilitação, explica Eduarda Abbondanza, directora da Associação ModaLisboa. Foi Awaytomars, a plataforma de design colaborativo encabeçada por Alfredo Orobio e Marilia Biasi, que estreou o sítio com um desfile aberto ao público em se olhou para a história da luz como agente estimulante da visão e da gravação de imagens. "Drawn By Light" foi criada por 809 designers e mostra padrões digitais semelhantes à forma como diferentes superfícies refletem e refractam a luz. As cores são as dos primeiros corantes dos slides de meados do século XIX para projeções em salas de entretenimento públicas: roxo profundo ou as cores de anilina estiveram em saias compridas e esvoaçantes, em fitas a marcar a cintura por cima de fatos e camisas, e em muitas assimetrias.

Dentro do Pavilhão Carlos Lopes, Constança Entrudo apresentou-se pela primeira vez na passerelle, aos 24 anos, depois de ter estado no WonderRoom na edição passada. Chega pela plataforma LAB, que apoia jovens designers e as suas marcas, e apostou numa colecção completamente unissexo e em que cada um pode ser ele próprio. "Para mim a moda é uma ciência social e a maneira como tu te vestes influência a tua vida", diz.

Constança que se identifica primeiramente como designer textil. Os tecidos foram de facto o mais marcante na sua colecção "Connections": muitos desfiados ou tecidos feitos de um aglomerado de fios por entrelaçar, malhas com torcidos aleatórios e até um top feito de cintos e as suas fivelas.

A primeira inspiração foi o trabalho da artista contemporânea Anne Colliers sobre a forma como todos estamos conectados e o livro Difficult Loves de Italo Calvino, em que uma há uma rede de pessoas apaixonadas, mas nunca correspondidas. Nesta colecção "nenhuma peça se usa apenas de uma maneira" e as criações estão ligadas por exemplo por jóias que resultam de um colaboração com a Colomb d’Humiers.

A completar a tarde, Patrick de Pádua acrescentou cores à sua habitual paleta de pretos e brancos: azul, amarelo, vermelho, laranja e roxo entretam em blazers a fazer conjunto com calções, bombers numa mistura de cor geométrica e silhuetas alongadas a piscar o olho ao  sportsware. Seguiu-se-lhe Aleksandar Protic a sua interpretação das novas gerações brasileiras - o que uma nova força perante as eleições presidenciais e o movimento #elenao. Em sedas, algodão e misturas de seda, viscose e tecidos tecnológicos houve vestidos compridos e fluidos, cheios de pregas, bege cortado por um amarelo fluorescente em pormenores, preto em conjuntos de rede e transparências a criar personagens poderosas na passerelle.

Mesmo antes de Luís Carvalho fechar o sábado, Ricardo Andrez deu espaço a quem vem de fora da terra e estampou marcianos em padrões repetidos ou em grande ao centro de sweats. O verde e roxo vivo extraterrestre - o que quer que isso seja - tomaram o palco em silhuetas oversize ou em macacões operários brilhantes. Domingo a ModaLisboa abandona Marte e regressa a Lisboa para o seu último dia.

 
Tags: museu nacional de arte antiga portugal fashion eduarda abbondanza leslie lisboa mnaa luís carvalho luís carvalho pavilhão carlos lopes ricardo andrez patrick de pádua
Partilhar
Ver comentários
Últimas notícias
Vídeos recomendados
0 Comentários
Subscrever newsletter Receba diariamente no seu email as notícias que selecionamos para si!