Celebridades

James Bond: 007 passa a ser protagonizado por uma mulher negra

O filme Bond 25, da saga James Bond, faz história ao escolher a atriz Lashana Lynch para interpretar o emblemático agente secreto: 007. A escolha é uma tentativa de por fim às críticas machistas em relação aos filmes e às suas bond girls.

Foto: Instagram @lashanalynch
15 de julho de 2019 | Camila Lamartine

Depois de a atriz Tessa Tompsom ter sido a eleita para interpretar um dos agentes no filme MIB: Homens de Negro - Força Internacional (2019), um filme que até à data tinha como protagonistas homens, chegou a vez de a icónica saga Bond revelar que o papel do agente inglês 007 deixa de pertencer a James Bond e passar a ser protagonizado por uma atriz negra.

A atriz que dará vida a nova fase da saga é Lashana Lynch, tem 31 anos, e entre os seus mais reputados papéis está o de Maria Rambeu no filme Capitão Marvel (2019). Daniel Craig será pela última vez James Bond e dará a Nomi, personagem de Lashana, a "licença para matar" no filme, cuja estreia está prevista para abril de 2020.

O 25.º filme da saga foi escrito por Phoebe Waller-Bridge, tem realização de Cary Joji Fukunaga e vai chamar-se Bond 25. Com a integração de um elemento feminino e de etnia negra, a produtora do filme tem como objetivo atenuar as críticas em relação ao filme ser machista e contribui para o avanço da desmistificação da mulher enquanto personagem-heróica. Este é, sem dúvida, um grande passo para igualdade de género na indústria cinematográfica.

Saiba mais Lashana Lynch, James Bond, Tessa Tompsom, Cinema, filmes
Relacionadas

As várias faces de Tessa Thompson

Mulher, negra e bissexual, a protagonista do reboot de ‘Homens de Negro’ vai-se afirmando como um ícone de moda e do novo ativismo da indústria cinematográfica.

Mais Lidas
Realeza As amantes da vida de Juan Carlos

Num momento de especulação sobre o seu paradeiro, e após informar a casa real espanhola do seu afastamento, voltam a surgir as histórias da vida de um rei que nunca gostou de ser discreto.

Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.