Beleza / Wellness

Depois dos 30 já não se recupera da ressaca? Especialistas respondem

Depois de um intensivo período de festas, há quem adira ao à tendência do "janeiro sem alcóol" (dry january). Mas será que alguma vez recuperamos de uma ressaca depois da adolescência? Um especialista em adição responde.

Foto: Ahtziri Lagarde / Unsplash
03 de janeiro de 2022 Rita Silva Avelar

Depois de duas semanas em festas e encontros com a família e amigos, é de esperar que se tenham cometido alguns excessos relacionados com o alcóol. Seja vinho ou bebidas espirituosas, é rara a mesa que não brinde durante o Natal e na viragem do ano. Nos dias seguintes, a pergunta é quase sempre a mesma: porque é que a ressaca custa tanto para uns e não para outros? "Uma ressaca significa que se bebeu demais. Não há razão fisiológica para ser mais difícil de viver aos 40 do que aos 20 anos", começa logo por esclarecer Bertrand Nalpas, investigador na área de adição do Inserm (Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica francês). 

Em entrevista à Madame Figaro, o especialista garante que a idade não interfere com a ressaca (pelo menis até os 65 anos) e só afeta a nossa tolerância ao álcool - entenda-se a rapidez com que ficamos "embriagados" ou não. Por outro lado, o género de quem bebe desempenha um papel na gestão do álcool ingerido: "Entre os sexos, a diferença de reação é puramente fisiológica. O corpo da mulher contém menos água do que o do homem, mas o álcool é diluído na água contida no corpo. Isso também é verdade depois de 65 anos", afirma o investigador. Se se fica alcoolizado com a primeira bebida, isso também pode ser explicado pelas alterações na composição corporal. "Se tiver mais tecido adiposo, a concentração de álcool no sangue será maior, pois dissolve-se menos bem na gordura".

Por fim,e quanto à ressaca, o motivo da sua intensidade tem mais a ver com os hábitos de vida. "Depois de uma certa idade, ficamos menos acostumados a beber, então o corpo reage de forma diferente", esclarece Bertrand Nalpas. Com a idade, se a tendência for para consumir menos alcóol, o corpo metaboliza-o com mais dificuldade. Veja aqui como recuperar das festas.

 

Saiba mais
Ressaca, Saúde, Bem-estar, Inserm, Natal, Bertrand Nalpas, Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica, Alcool, Natal
Leia também

As mulheres e o sono

A privação de sono é um dos problemas do século XXI e as mulheres têm uma relação especial com ela. Dormir é essencial e até está na moda. Por isso, se este artigo lhe der sono, tanto melhor.

As Mais Lidas