Atual

Quatro exposições para viajar sem sair de Portugal

A época do Natal convida a experiências e passeios culturais, por isso sugerimos quatro exposições que vale a pena aproveitar para visitar.

13 de dezembro de 2019 | Carolina Carvalho

O brilho do tempo

No Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), a Sala do Teto Pintado recebe a exposição Luxo Asiático ? Porcelana, Laca e Seda ? Do Consumo à Apropriação (até 26 de janeiro de 2020) que reúne uma seleção de peças de vários museus nacionais com destaque para a produção de faiança portuguesa dos séculos XVI e XVII, além de lacas e de sedas. Rui Trindade, o comissário da exposição, elucidou-nos: "As peças selecionadas dão uma imagem do grande consumo e da comercialização das porcelanas, das lacas e das sedas na Lisboa dos séculos XVI e XVII. O fenómeno da apropriação aconteceu quando se começou a produzir a faiança e os outros objetos, como as lacas europeias e as sedas inspiradas na China. Quanto à faiança, os oleiros lisboetas começaram a produzir mais cedo do que se pensava, estando registada, na documentação de 1572, a primeira referência europeia ao fabrico da faiança ‘à feição de Porcelana’." Esta exposição acontece na sequência de uma outra, realizada em 2015 e de nome Azul Sobre Ouro – A Sala das Porcelanas do Palácio de Santos, que reuniu 58 peças de porcelana da época Ming (1368-1644) de um total de 263 pertencentes àquele palácio, atual sede da Embaixada de França, em Lisboa. Uma coleção de pratos de porcelana chinesa que, segundo o comissário, "constitui um testemunho fidedigno e raro do que foi o aparato decorativo palaciano de uma das mais importantes famílias nobres portuguesas e permite ter um deslumbre do cosmopolitismo e fascínio pelo Oriente existente na Lisboa dos séculos XVI e XVII".

Luxo Asiático ? Porcelana, Laca e Seda ? Do Consumo à Apropriação

Onde? Museu Nacional de Arte Antiga

Quando? De 27 de setembro a 26 de janeiro

 

Intriga palaciana

Em abril de 2018, Valentim Quaresma iniciou uma residência artística no Palácio Nacional da Ajuda para desenvolver um projeto de escultura inspirado nos cognomes dos reis portugueses. A exposição Apocalipse (patente até 31 de dezembro) é o resultado deste trabalho do artista português, conhecido pela obra que combina joalharia, moda e escultura. Para estas esculturas, o criador trabalhou numa escala muito superior à habitual, explorou a reutilização criativa de metal e de outros materiais e usou técnicas que tem vindo a aprofundar ao longo da carreira, num diálogo de contrastes com os interiores do palácio.

Apocalipse

Onde? Palácio Nacional da Ajuda

Quando? De 18 de setembro a 31 de dezembro

 

Pedro, O Grande

"A arte é expandir a inteligência e ampliar a capacidade do espectador de entender o mundo", disse Pedro Cabrita Reis (Lisboa, 1956) ao The New York Times, em junho de 2018. O reconhecimento nacional e internacional de Cabrita Reis deve-se ao seu trabalho como artista e como colecionador de arte. Em 1999, logo após a inauguração, o Museu de Serralves foi palco de uma exposição do artista e, agora, 20 anos depois, Pedro Cabrita Reis regressa ao museu com uma exposição concebida para os espaços que vai ocupar com uma única obra de grande escala e com inspiração autobiográfica, Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), patente até 22 de março de 2020.

Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto)

Onde? Museu de Serralves

Quando? De 22 de novembro a 22 de março de 2020

A vida de Sarah

No ano em que se comemoram os 120 anos do nascimento de Sarah Affonso (Lisboa, 1899-1983), duas exposições nacionais entram em diálogo para apresentar ao público uma visão mais completa sobre a artista modernista portuguesa. Depois de uma exposição no Museu Gulbenkian (entre julho e outubro de 2019), é agora o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado que apresenta Sarah Affonso ? Os Dias das Pequenas Coisas, até 22 de março de 2020. Uma exposição muito abrangente que conta com pinturas, ilustrações, bordados, cerâmicas, publicidade e paisagismo.

Sarah Affonso ? Os Dias das Pequenas Coisas

Onde? Museu Nacional de Arte Contemporânea

Quando? De 13 de setembro a 22 de março de 2020

Prato em porcelana, China, final do período Jiajing (1522-1566) ou início do período Longqing (1567-1572). Exposição Luxo Asiático ‒ Porcelana, Laca e Seda ‒ Do Consumo à Apropriação.
Foto: DGPC - ADF, Luísa Oliveira
1 de 18 Prato em porcelana, China, final do período Jiajing (1522-1566) ou início do período Longqing (1567-1572). Exposição Luxo Asiático ‒ Porcelana, Laca e Seda ‒ Do Consumo à Apropriação.
Peça da exposição Luxo Asiático ‒ Porcelana, Laca e Seda ‒ Do Consumo à Apropriação.
Foto: DGPC - ADF, Luísa Oliveira
2 de 18 Peça da exposição Luxo Asiático ‒ Porcelana, Laca e Seda ‒ Do Consumo à Apropriação.
Peça da exposição Luxo Asiático ‒ Porcelana, Laca e Seda ‒ Do Consumo à Apropriação.
Foto: DGPC - ADF, Luísa Oliveira
3 de 18 Peça da exposição Luxo Asiático ‒ Porcelana, Laca e Seda ‒ Do Consumo à Apropriação.
Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
4 de 18 Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
5 de 18 Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
6 de 18 Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
7 de 18 Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
8 de 18 Exposição Apocalipse, de Valentim Quaresma no Palácio Nacional da Ajuda.
Pedro Cabrita Reis.
Foto: Patrícia Garrido, 2019
9 de 18 Pedro Cabrita Reis.
Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
10 de 18 Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
11 de 18 Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
12 de 18 Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
13 de 18 Exposição Cabrita – A Roving Gaze (Um Olhar Inquieto), no Museu Serralves.
O meu retrato, Sarah Afonso.
14 de 18 O meu retrato, Sarah Afonso.
Meninas, Sarah Afonso.
15 de 18 Meninas, Sarah Afonso.
Moinho, Sarah Afonso.
16 de 18 Moinho, Sarah Afonso.
Menina com boneca, Sarah Afonso.
17 de 18 Menina com boneca, Sarah Afonso.
Maternidade, Sarah Afonso.
18 de 18 Maternidade, Sarah Afonso.
Saiba mais Exposições, Lisboa, Porto, Serralves, Museu Nacional Arte Antiga, Museu Nacional Arte Contemporânea, Pedro Cabrita Reis, Sarah Afonso, Palácio da Ajuda, Valentim Quaresma, Ásia
Relacionadas

Os anos 80 (também) foram assim

Memórias de como vivíamos e nos divertíamos, há 30 anos, todos teremos. Dependem é de como se viveram. Esta é a síntese (im)possível e as recordações da capital de 1988, ano de publicação da Máxima, até ao final dos “fabulosos anos 80” numa visão pessoal e não intimista.

Mais Lidas
Realeza As amantes da vida de Juan Carlos

Num momento de especulação sobre o seu paradeiro, e após informar a casa real espanhola do seu afastamento, voltam a surgir as histórias da vida de um rei que nunca gostou de ser discreto.