Atual

“Culpo o sistema que permitiu o abuso de Nassar”. Simone Biles denuncia FBI, USA Gymnastics e Comités

Na audiência da última quarta-feira, 15, Simone Biles, e as ginastas McKayla Maroney, Maggie Nichols e Aly Raisman, acusaram o FBI e o Comité Olímpico de permitirem os abusos de Larry Nassar.

A carregar o vídeo ...
16 de setembro de 2021 | Ana Damião

O grupo de ginastas olímpicas norte-americanas foram ouvidas esta quarta-feira pelo Comité Judicial do Senado dos Estados Unidos relativamente aos atrasos na investigação dos abusos sexuais que sofreram por parte de Larry Nassar, antigo médico da equipa nacional de ginástica.

No depoimento, Simone Biles acusa a federação de ginástica dos EUA e "todo o sistema" de permitirem que Nassar abusasse sexualmente dela e de centenas de outras ginastas durante 20 anos. Segundo a BBC News, Biles apelou a que os agentes envolvidos fossem processados. "Se permitirem que um predador magoe crianças, as consequências serão graves".

A campeã olímpica acusou também a USA Gymnastics e os Comités Olímpico e Paraolímpico dos EUA de terem conhecimento da situação. "Sabiam que eu estava a sofrer abusos por parte do médico da equipa". Acrescentou que o FBI, departamento federal de investigação dos EUA, é igualmente culpado por ter "virado as costas" e investigado mal as primeiras acusações contra o médico, o que permitiu que este continuasse os abusos sexuais. "Realmente parece que o FBI nos virou as costas. Não nos ajudou nem nos protegeu."

Também McKayla Maroney, que ganhou uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2012, descreveu a sua experiência com o departamento de justiça como "repleta de silêncio e desrespeito pelo meu trauma", questionando qual o propósito das denúncias "se os nossos próprios agentes do FBI vão tomar a iniciativa de enterrar essa denúncia numa gaveta?"

Leia também
Aly Raisman, Simone Biles, McKayla Maroney e Maggie Nichols, ginastas olímpicas, durante a audiência do Senado sobre a investigação do FBI do caso de Larry Nassar.
Aly Raisman, Simone Biles, McKayla Maroney e Maggie Nichols, ginastas olímpicas, durante a audiência do Senado sobre a investigação do FBI do caso de Larry Nassar. Foto: Getty Images

Às duas ginastas juntaram-se Maggie Nichols e Aly Raisman, que tinham anteriormente prestado declarações contra o médico agora condenado.

Raisman, capitã da equipa olímpica em 2012 e 2016, demonstrou quão "nojento" era ainda estar a "lutar pelas respostas mais básicas e por responsabilização" depois de seis anos do seu primeiro depoimento contra o médico. "Nestes últimos anos tornou-se dolorosamente claro como a recuperação de uma sobrevivente é afetada pela forma de como tratam o abuso [que sofreu]".

Segundo o relatório que o FBI realizou em julho sobre a investigação das denúncias de Nassar, foram encontrados diversos erros e encobrimentos por parte de agentes do departamento, o que levou a uma paragem de oito meses do processo. Apenas depois do relatório ter vindo a público é que o Senado avançou com uma audiência para investigar a resposta lenta do FBI, sendo que um dos funcionários superiores envolvidos no caso foi já despedido, afirmou Christopher Wray, diretor do FBI, de acordo com a BBC News.

Leia também

Larry Nassar utilizou a sua posição como médico para abusar de pelo menos, 330 jovens. Foi condenado em 2017 a pena perpétua por abuso sexual (40 a 175 anos) e pornografia infantil (60 anos).

Leia também
Saiba mais Simone Biles, BBC News, Larry Nassar, FBI, Aly Raisman, crime, investigação, inquérito, desporto, jogos olímpicos, ateltas, EUA, ginastas, Maggie Nichols, Aly Raisman, abuso sexual, Senado
Mais Lidas
Atual Os 5 signos que adoram criar drama

Sabe aquela amiga que faz um escândalo por uma coisa mínima? E a outra que atrai sempre olhares indiscretos com o seu tom de voz? Descubra se alguma delas está entre estes signos.