Atual

Brigitte Macron dispensa o título de primeira-dama

A mulher do presidente francês afirmou “Eu não sou a primeira ou a última, ou uma dama. Eu sou Brigitte Macron!”

Brigitte Macron dispensa o título de Primeira-dama
Brigitte Macron dispensa o título de Primeira-dama Foto: Getty Images
17 de agosto de 2017 | Margarida Ferreira

Durante a campanha presidencial, Emmanuel Macron mostrou que queria dar um título oficial à sua mulher, um papel no Governo. Ao contrário da Constituição americana, perante a Constituição francesa, a mulher do Presidente não tem nenhum título oficial ou cargo. Apesar do interesse demonstrado por Macron, os franceses não gostaram da ideia .

No início deste mês, mais de 300 mil pessoas assinaram uma petição contra a atribuição de um papel oficial no Governo francês a Brigitte Macron. O título permitia que recebesse, entre outras coisas, uma equipa própria e um subsídio extraído de fundos públicos.

Brigitte Macron não perdeu tempo em mostrar que pretende trabalhar e não depender de subsídios governamentais. Com ou sem título oficial, Brigitte afirmou: "Não me sinto como uma primeira-dama. Essa é a tradução de um termo americano e eu não gosto nada disso. Eu não sou a primeira ou a última, ou uma dama. Eu sou Brigitte Macron!"

Saiba mais frança, presidente, primeira-dama, macron
Relacionadas

Quem é Hope Hicks, o novo braço direito de Trump?

Depois da curta passagem de Scaramucci pela liderança do departamento de comunicação da Casa Branca, Donald Trump acaba de nomear Hope Hicks para o substituir. O que faz de uma jovem de 28 anos uma das mulheres mais poderosas dos Estados Unidos? Fomos investigar.

Graça Fonseca assume homossexualidade

Numa entrevista ao DN, a secretária de Estado Ajunta e da Modernização Administrativa diz que esta é uma afirmação política – e que é importante que outras personalidades assumam a sua sexualidade publicamente para acabar com o preconceito.

Marcha das Mulheres em documentário

Depois da eleição de Donald Trump (e consequentes declarações polémicas sobre as mulheres e as minorias), milhões de pessoas em todo o mundo marcharam em nome dos direitos humanos, da igualdade e da justiça social. Agora uma realizadora polaca quer trazer os testemunhos da manifestação ao grande ecrã.

Mais Lidas