Atual

A arte de amar a moda – duas divas em exposição

Duas exposições, uma em Paris e outra em Nova Iorque, celebram duas mulheres, de épocas e culturas diferentes, que fizeram da moda parte do seu legado histórico.

26 de dezembro de 2019 | Carolina Carvalho

A História está recheada de mulheres cujas vidas podem ser contadas através dos seus guarda-roupas. Muito mais do que as roupas e os acessórios, as escolhas de moda tornam-se registos de uma época e fontes de inspiração artísticas. Em Paris, a exposição Marie-Antoinette - Metamorphoses of An Image, até 26 de janeiro de 2020, celebra a última rainha de França como fonte de inspiração inesgotável e intemporal. A abertura, a 16 de outubro, aconteceu na semana em que se completavam 226 anos da morte de Maria Antonieta (Viena, 1755 - Paris, 1793) pela guilhotina, aos 37 anos, e o local da mostra também tem um significado especial. A Conciergerie é um palácio medieval localizado na ilha onde está a igreja de Notre Dame e que foi residência real até ao final do século XIV e quando os reis de França decidiram trocá-lo pelo Louvre, este edifício tornou-se o Palácio da Justiça com uma prisão incluída. Durante a Revolução Francesa era ali que se encontrava o Tribunal Revolucionário e foi também onde Maria Antonieta esteve presa. Quando a arquiduquesa austríaca chegou a França, com 14 anos, para se casar com o futuro rei Luís XVI, ninguém previa que se tornasse uma figura de tal relevância na história do país, despertando ainda hoje paixões e ódios. Philippe Bélaval, presidente do Centro Francês para os Monumentos Nacionais e responsável pela Conciergerie, disse ao The Guardian: "Ela tinha gostos luxuosos, mas representava o melhor de um determinado período da cultura francesa." A história desta rainha foi contada várias vezes em livros e em filmes (só no cinema, pelo menos 10 atrizes interpretaram-na), a sua residência, o Palácio de Versalhes, é hoje uma referência cultural com visitantes de todo o mundo e o seu gosto por moda e por joias lançou as tendências de uma época. Maria Antonieta teve como costureira real a famosa Rose Bertin, que chegou a ser nomeada ministra da Moda e lhe criou vestidos deslumbrantes. Tudo isso tornou-a uma figura da cultura popular atual. Esta exposição está dividida em cinco partes e conta com 200 obras de arte e objetos, tal como a última carta escrita pela própria, retratos e caricaturas, bem como representações atuais em filmes, na moda e em manga japonesa.

Marie-Antoinette - Metamorphoses of An Image

Onde? Conciergerie, em Paris

Quando? De 16 de Outubro a 26 de janeiro de 2020

 

No outro lado do Atlântico, em Nova Iorque, o Metropolitan Museum inaugura a exposição de outono do Costume Institute, In Pursuit of Fashion - The Sandy Schreier Collection, aberta ao público de 27 de novembro a 17 de maio de 2020. Sandy Schreier vê a moda como uma forma de arte e de expressão criativa e, por isso, as peças que adquire não se destinam a formar um guarda-roupa, mas sim uma coleção. E a sua é uma das maiores dos Estados Unidos, tendo feito vários empréstimos ao museu para exposições temáticas anteriores. Em criança, Sandy Schreier (cujo nome de solteira é Miller) acompanhava o pai para o trabalho na filial de Detroit dos armazéns Russeks, de moda e acessórios de luxo, e o seu gosto por moda despertou a atenção de algumas clientes que lhe viriam a dar alguns dos seus luxuosos vestidos. Recentemente decidiu doar 165 peças da sua coleção ao museu, das quais 80 (acessórios, vestidos e ilustrações) compõem esta exposição e cobrem mais de 90 anos de história da moda, sendo a peça mais antiga uma ilustração de Paul Poiret, de 1908, e a mais recente é um chapéu de Philip Treacy, de 2004. Também é historiadora de moda e autora de dois livros sobre figurinos de Hollywood.

In Pursuit of Fashion - The Sandy Schreier Collection

Onde? Costume Institute, no Metropolitan Museum em Nova Iorque

Quando? De 27 de novembro a 17 de maio de 2020

 

Vestdio de Balenciaga, verão 1961. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Foto: Nicholas Alan Cope
1 de 9 Vestdio de Balenciaga, verão 1961. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Vestdio de Yves Saint Laurent para Dior, verão 1958. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Foto: Nicholas Alan Cope
2 de 9 Vestdio de Yves Saint Laurent para Dior, verão 1958. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Casaco de Mariano Fortuny y Madrazo, década de 1920/30. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Foto: Nicholas Alan Cope
3 de 9 Casaco de Mariano Fortuny y Madrazo, década de 1920/30. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Vestdio de Gilbert Adrian, outono 1945. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Foto: Nicholas Alan Cope
4 de 9 Vestdio de Gilbert Adrian, outono 1945. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Vestdio de Karl Lagerfeld para Chloe, primavera/verão 1984. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Foto: Nicholas Alan Cope
5 de 9 Vestdio de Karl Lagerfeld para Chloe, primavera/verão 1984. Na exposição In Pursuit of Fashion ‒ The Sandy Schreier Collection.
Kirsten Dunst no filme Marie Antoinette, de Sofia Coppola (2006). O vestido azul da imagem faz parte da exposição Marie-Antoinette ‒ Metamorphoses of An Image.
Foto: IMDB
6 de 9 Kirsten Dunst no filme Marie Antoinette, de Sofia Coppola (2006). O vestido azul da imagem faz parte da exposição Marie-Antoinette ‒ Metamorphoses of An Image.
Kirsten Dunst no filme Marie Antoinette, de Sofia Coppola (2006), com figurinos de Milena Canonero.
Foto: IMDB
7 de 9 Kirsten Dunst no filme Marie Antoinette, de Sofia Coppola (2006), com figurinos de Milena Canonero.
Diane Kruger no filme Farewell, My Queen, de Benoît Jacquot (2012). O vestido azul da imagem faz parte da exposição Marie-Antoinette ‒ Metamorphoses of An Image.
Foto: IMDB
8 de 9 Diane Kruger no filme Farewell, My Queen, de Benoît Jacquot (2012). O vestido azul da imagem faz parte da exposição Marie-Antoinette ‒ Metamorphoses of An Image.
Diane Kruger no filme Farewell, My Queen, de Benoît Jacquot (2012).
Foto: IMDB
9 de 9 Diane Kruger no filme Farewell, My Queen, de Benoît Jacquot (2012).
Saiba mais Exposição, Nova Iorque, Paris, Maria Antonieta, Sandy Schreier, Metropolitan
Relacionadas

Suas altezas, as influencers reais

Nos modernos contos de fadas, as plebeias que se tornam princesas continuam a ter sapatos e vestidos exclusivos, podem encomendá-los online e dominam as redes sociais. Afinal, também é nos palácios que estão as maiores influencers do nosso tempo.

“A Moda é mais democrática, mas todos parecem iguais”

Dos passeios de Maria Antonieta à chegada de celebridades a um desfile do século XXI passaram séculos sobre o Palácio de Versailles. Um novo livro lança o desafio de revisitar a sua allure e a sua relação com a Moda pelos olhos da autora, Laurence Benaïm, em entrevista à Máxima.

Mais Lidas
Realeza As amantes da vida de Juan Carlos

Num momento de especulação sobre o seu paradeiro, e após informar a casa real espanhola do seu afastamento, voltam a surgir as histórias da vida de um rei que nunca gostou de ser discreto.