Apoio
Outubro Rosa
Outubro Rosa

Dar a volta (de mãos dadas)

Outubro é o mês internacional de prevenção do cancro da mama. O que podem hoje esperar as mulheres que lutam contra a doença? Que não estão sozinhas, acima de tudo. E que há um depois da doença.

Foto: Ave Calvar Martinez / Pexels
21 de outubro de 2020 | Rita Silva Avelar

Em 2015, a revista Time fazia capa com a imagem de uma mulher que tapava o seio direito com uma mão. Em baixo, lia-se What if I decide to do nothing? (E se eu decidir não fazer nada?) O artigo, assinado por Siobhan O’Connor, trazia uma nova luz sobre o tema, já de si tão fracturante, abordando a perspectiva das mulheres diagnosticadas com cancro da mama em fases muito iniciais, que escolhiam não ser tratadas a fim de evitar a exposição a tratamentos tóxicos, a cirurgias desnecessárias e também ao risco de novos cancros. A comunidade médica dividiu-se, nas reacções. Um dos especialistas nacionais na matéria, João Leal de Faria, médico cirurgião do IPO Lisboa, explica porquê: "O panorama do cancro da mama mudou radicalmente no que diz respeito ao diagnóstico e tratamento.

A maior sensibilização para a doença fez com que a mulher esteja muito mais atenta, recorrendo precocemente aos serviços de saúde, logo que lhe surja alguma suspeita." Investigado exaustivamente pelos especialistas, e tal como acontece com as restantes doenças oncológicas, o cancro da mama está hoje dissecado por toda a Internet em artigos com recomendações como You Can Take Steps to Lower Your Breast Cancer Risk (Estes passos podem diminuir o risco de cancro da mama) publicado em Maio de 2017 pelo The New York Times, que destaca algumas mudanças diárias pertinentes na prevenção; ou com testemunhos de apoio, como What I’m really thinking: the woman with breast cancer (O que estou realmente a pensar: a mulher com cancro da mama) publicado em Agosto de 2017 no The Guardian.

Questionada pela revista Visão, Fátima Cardoso (investigadora da Fundação Champalimaud e responsável pelo programa de investigação do cancro da mama) revelou numa entrevista publicada em Agosto de 2016 que, apesar de existir uma taxa de sobrevivência de 70%, "não podemos dar uma imagem cor-de-rosa: que se fizerem os tratamentos, comerem bem e fizerem exercício corre tudo bem", referindo-se à abordagem dos médicos. Ainda assim, de uma forma geral, houve uma evolução nos tratamentos em Portugal, contrapõe Leal de Faria: "A evolução das várias modalidades terapêuticas, da Cirurgia à Radioterapia, passando pelas várias opções de terapêutica medicamentosa, tem permitido a obtenção de melhores resultados terapêuticos." Ainda sobre a poderosa capa da Time, comenta: "Temos assistido a alguns casos em que a mulher recusa o tratamento, felizmente poucos e cada vez mais raros. Há evidência científica que prova que o tratamento pela medicina convencional é o mais eficaz, comparativamente aos tratamentos alternativos. A simples negação da doença também não é tratamento."

Por um lado, mais prevenção e conhecimento, por outro, mais ponderação? A verdade é que hoje sabemos que existem vários tipos de cancro da mama, que há fases de progressão diferentes e que, apesar de ser tratável, é uma doença galopante. Por isso, é preciso reagir. Em Portugal, há vários projectos que se dedicam a acompanhar em paralelo uma paciente em todo o processo de tratamento. "É fundamental que entrem em acção as várias organizações de apoio", explica Faria de Almeida, para concluir: "Muito já se fez, embora haja muito ainda por fazer."

A saber

Segundo as recomendações da American Cancer Society (ACS), o rastreio mamário deve realizar-se anualmente entre os 45 e os 54 anos, de dois em dois anos depois dos 55 anos e a cada dois ou três anos a partir dos 69 anos. 

O poder da maquilhagem

Joëlle Nonni é especialista de maquilhagem médica no Centro de Hidroterapia da Avène, em França. Ao longo de quase vinte anos, acumulou experiência ao trabalhar com vítimas de cancro da mama e com doentes dermatológicas. Mais do que um recurso superficial, a maquilhagem revelou-se sempre uma poderosa arma: "Temos de nos adaptar às expectativas e à própria condição da paciente, mas quando as incentivamos a usar maquilhagem nota-se uma mudança na sua atitude e na forma como é tratada pelos outros. Ainda que indirectamente, isso acaba por ter um forte impacto na sua recuperação, bem como na qualidade de vida."

6 rituais que uma mulher (em processo de recuperação) pode adoptar em casa

  • Contrariar a secura da pele (decorrente dos tratamentos) através de uma limpeza delicada e com a aplicação de cremes hidratantes (rosto e corpo).
  • Não esquecer de hidratar também as mãos e os pés.
  • Aplicar compressas com água termal no rosto após os tratamentos.
  • Fazer uma máscara hidratante uma vez por semana.
  • Usar maquilhagem em tons de rosa para dar um ar saudável à pele.
  • Usar um lápis para redesenhar as sobrancelhas.

Pure Life Concept

É um serviço de tratamento e aconselhamento de imagem que se dedica a acompanhar as mulheres que sofrem perda de cabelo e transformações na aparência da pele, provocadas pelos tratamentos de quimioterapia ou alopécias de foro dermatológico. Mentora do projecto implementado na CUF Infante Santo, Cláudia Piloto acompanha pessoalmente todas as pacientes: "As pessoas estão sujeitas a muitas dúvidas e isso desgasta-as imenso a todos os níveis. Elas precisam de uma energia vital para se conseguirem manter motivadas durante todo o processo. Uma pessoa não tem de passar por um processo doloroso sem cabelo, sem pestanas, sem sobrancelhas. As pessoas que acompanho passam por isso tudo acompanhadas, mimadas e protegidas."

Onde? Hospital CUF Infante Santo, Lisboa. Edifício Cláudia Piloto, Piscinas do Tamariz, Estoril. Cláudia Piloto no Lúcia Piloto Cabeleireiros, Avenida 5 de Outubro, Lisboa. Como chegar? 21 464 37 90

Wild Buddha Tattoo

Há mais de duas décadas que Sérgio Carvalho, tatuador e proprietário do estúdio Wildbuddhatattoo, faz tatuagens mamárias a mulheres que decidem fazer reconstrução mamária depois de perderem um ou ambos os seios no processo de tratamento de um cancro da mama. Nos últimos dois anos, e devido a uma associação feliz ao IPO, as tatuagens mamárias são mais frequentes e feitas a metade do preço de tabela. "É uma tatuagem muito emotiva. Há sempre uma história por detrás de tudo, algumas pacientes gostam de falar e contar a história, outras não falam, o que é normal."

Onde? Av. Dom Afonso Henriques, 846, Matosinhos. Como chegar? 93 644 50 25

B.headstyling

Depois de, aos 36 anos, vencer um cancro da mama, Rita Pereira decidiu criar a B.headstyling, um projecto que nasce da sua própria história e parte da sua experiência. "Sofremos inúmeras sequelas ao longo do tratamento, mas a falta de cabelo, apesar de não ser a pior, é a mais visível. Muitas pessoas não conseguem lidar muito bem com isso. Seja de peruca, de lenço ou careca, a forma como uma mulher decide lidar com essa exposição é muito pessoal e deve ser sempre respeitada", conta. Acabou por começar a fazer acessórios para se sentir bem, mas também para fortalecer a sua relação com as filhas. "Queria peças que pudessem viver além do diagnóstico, enquanto acessórios, e que criassem também uma ponte com as minhas filhas. Comecei então a criar produtos com os mesmos padrões para elas (elásticos, fitas de cabelo, etc.). Quando percebi que não havia nenhuma marca nacional que se dedicasse exclusivamente a este nicho de mercado, achei que não fazia sentido e decidi colocar mãos à obra. Se me tinha ajudado a estar bem comigo mesma durante o processo, porque não proporcionar o mesmo a outras mulheres?"

Onde? bheadstyling.pt Como chegar? b.headstyling@gmail.com

*Artigo originalmente publicado em outubro de 2017 (Edição 349)

Saiba mais outubrorosa, Cancro da Mama, Investigação, The New York Times, João Leal de Faria, Siobhan O’Connor, Portugal, B.headstyling, Hospital CUF Infante Santo, Lisboa, IPO, saúde, cancro da mama
Relacionadas
Mais Lidas
Celebridades Diana e Carlos em Lisboa: o princípio do fim do casamento real

Bela e espirituosa, Diana acompanhou o marido a Portugal em fevereiro de 1987, mas consigo trazia o segredo de um casamento arruinado. Sabendo dos quartos separados no Palácio de Queluz, os tablóides britânicos falaram, pela primeira vez, na crise conjugal dos príncipes de Gales e não mais pararam de os perseguir em busca de sinais comprometedores. A propósito da estreia da quarta temporada da série “The Crown”, recordamos esses quatro dias cruciais para a vida do casal