Moda

Collectiva lança linha de joalharia solidária em parceria com a APAV

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) juntou-se à loja de joalharia de autor Collectiva para criar uma edição de peças solidárias para o Natal.

27 de novembro de 2017 | Marta Carvalho

O intuito é de angariar fundos para a instituição. Por casa joia vendida, 50% do valor reverte para a APAV. Inspirada na palavra "hope", cada autora criou pelo menos duas joias que representam simultaneamente a sua marca e este novo projeto. "Quisemos, nesta altura específica do ano, em que parece haver maior fé na mudança, que a compra de uma joia pudesse significar mais do que um ato de consumo ou adorno", realçam as mentoras da iniciativa em comunicado.

A Collectiva foi criada por Ana Bragança, Joana Santos, Lia Gonçalves, Marta Pinto Ribeiro e Susana Teixeira, que neste projeto se juntaram às designers convidadas Mater Jewellery Tales, Ana João, TelmaDA, Ana Dias e Mariadovale.

O lançamento oficial da coleção está marcado para esta quinta-feira, entre as 17h30 e as 20h, na loja física da Collectiva no Centro Comercial Bombarda, no Porto. Todas as peças da coleção HOPE estarão disponíveis para venda até 30 de janeiro e os preços variam entre os €60 e os €250.

€150, Ana Bragança
1 de 8 €150, Ana Bragança
€180, Susana Teixeira
2 de 8 €180, Susana Teixeira
€155, Lia Gonçalves
3 de 8 €155, Lia Gonçalves
€45, Joana Santos
4 de 8 €45, Joana Santos
5 de 8
6 de 8
7 de 8
8 de 8
Saiba mais APAV, Collectiva, Lia Gonçalves, Ana Bragança, Ana João, Marta Pinto Ribeiro, Joana Santos, Centro Comercial Bombarda, Susana Teixeira, Mariadovale
Relacionadas

Máxima de dezembro já chegou às bancas

A Máxima de dezembro celebra os 40 anos de existência da Companhia Nacional de Bailado e dá a conhecer cinco mulheres portuguesas que se dedicam a projetos de solidariedade. Descubra ainda o guia de compras de Natal, que traz as melhores ideias de presentes para todas as idades.

Mais Lidas
Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.