Atual

"Na altura, os modelos não eram bem vistos, tal como são agora", conta Mi Romano

Emília Romano ou Mi Romano, como é carinhosamente tratada por todos, exala uma aura de graciosidade que contagia todos em seu redor. Denota uma serenidade e uma beleza genuínas que mantém intactas.

08 de agosto de 2019 | Rita Silva Avelar

Ex-modelo profissional, Mi foi dos primeiros rostos portugueses a trabalhar como modelo além-fronteiras e, entre várias campanhas de sucesso, fez um editorial de moda para a marca Chanel. Nas aventuras profissionais acompanhou-a o também ex-modelo Tó Romano, de quem é companheira de negócio na agência Central Models que ambos fundaram, em Portugal, nos anos oitenta. Mi Romano é também a mãe de Afonso e de Gustavo, psicóloga e uma mulher do mundo. Sempre com um sorriso, narra-nos as aventuras da sua vida. Partindo do momento em que se tornou modelo devido a um acaso, numa época em que sê-lo ainda não era um desejo admirável, até ao momento em que escolheu o outro lado do espelho.

Mi Romano nasceu no Porto, onde estudou Psicologia (curso que só terminaria depois de os dois filhos terem crescido e saído de casa), uma área de conhecimento que a apaixonou, desde sempre. Mas a vida trocou-lhe positivamente as voltas e acabou por se tornar modelo, aos 19 anos, profissão onde conheceu o marido Tó Romano (começaram a namorar em 1982 e casariam em 1998). Viajou pelo mundo, conheceu outras culturas, alargou horizontes. Com o marido fundou agência de modelos Central, em 1989. Ao longo de três décadas, os dois catapultaram para o sucesso modelos, talentos, influencers… Destacando-se, nos primeiros tempos da agência, a modelo Júlia Schonberg, que acabou por se focar na carreira internacional, desfilando para criadores como Jean Paul Gaultier.

Surgiram nomes, entre muitos outros, como Paulo Pires e a mulher, Astrid Werdnig, os irmãos Pedro e Ricardo Guedes, Luís Borges, Francisco Henriques e, claro, Sara Sampaio (que Tó Romano descobriu num casting quando a modelo tinha 15 anos). Ao longo de gerações de modelos, Mi continua, desde o primeiro dia, a educá-los e a transmitir-lhes os valores em que acredita, atenta àqueles que sonham com um futuro no estrelato.

Mi, é verdade que ter sido modelo foi um acaso?
Eu nunca pensei ser modelo. Eu era tímida. Mas, um dia, uma colega pediu-me para a substituir [num casting] quando eu tinha 19 anos. Lá fiz [o casting]… E foi um outro cliente que me chamou para trabalhar. No primeiro dia em que comecei a colaborar com essa marca, conheci o Tó [Romano] e estava muito atrapalhada… Disseram-me que na sala ao lado estava um modelo no mesmo estado [nervoso] que eu! Fui à sala e vi um rapaz louro que estava, de facto, muito atrapalhado e a mastigar uma "chiclete" e a olhar para o chão [risos]. Tínhamos ambos caído lá de "paraquedas"…

Como é que tudo evolui a partir daí?
Por coincidência, ambos começámos a trabalhar para a [marca portuguesa] Traffic, coincidindo com a altura em que começámos a namorar. Tínhamos 20 anos… O Tó estava no curso de Arquitetura e eu no curso de Psicologia. Na altura, os modelos não eram bem vistos, tal como são agora, mas o dinheiro era aliciante e começámos a aceitar trabalhos e a gostar do que fazíamos, especialmente quando começámos a conhecer pessoas. Desfilávamos juntos nas feiras da PORTEX [feira representativa da indústria nacional de vestuário, no Porto] e da MOCAP [Mostra de Calçado Português]. Entretanto, em Portugal não havia uma agência de modelos, pois o que mais havia era desfiles e showrooms. Não havia revistas de moda [portuguesas].

Foi nessa altura que ambos foram à procura de uma agência?
Sim. Juntámos dinheiro e fomos a Espanha encontrar uma agência-mãe. Arranjámos a Olé (mais tarde passámos para a Group, que já não existe) e viajámos juntos durante cinco anos, a trabalhar, por Espanha, por Itália, pelo Brasil e pelo Japão… Essa agência permitiu-nos ter um portefólio, um composite... Adorávamos viajar e sentíamo-nos afortunados. O Japão foi uma experiência incrível porque nos ajudou muito a pensar "fora da caixa", a conhecer outras culturas, outras pessoas, outras agências, outros mercados, outros modelos… Como vivíamos nesses sítios, podíamos ter todo esse conhecimento. Como eu sempre tive a paixão por Psicologia, andava fascinada com isso tudo. E o Tó com a Arquitetura! Nessa altura, há bem mais de 30 anos, ele também já pensava: "Porque não havemos de abrir uma agência nossa?"

Acabam por fazê-lo, em 1989. O que recorda dos primeiros tempos da Central?
No fim das viagens, eu pensei que não iria acabar o curso de psicologia, tanto mais que o Tó queria abrir a nossa agência naquele momento. Mas foi o momento exato. Deu-se a "explosão" dos canais de televisão, das revistas de moda, da ModaLisboa… O Tó tinha mais essa noção do que eu, que não percebia o porquê de tanta pressa, pois tinha tido o nosso filho Afonso, há dois meses! E começámos assim: eu, o Tó, um telefone e um fax… Foi assim que a agência abriu, situada no Bairro Alto, na Rua João Pereira da Rosa. Hoje, é impensável abrir-se alguma coisa dessa forma. Os nossos colegas eram os nossos agenciados e, a partir daí, começámos a habituar os clientes às tabelas de preços, [para os trabalhos] levávamos a maquilhagem, os acessórios, tratávamos dos cabelos e fazíamos portefólios. Na altura, reunimos os fotógrafos que mais achávamos que tinham o "olhar" para a moda: o Paulo Valente, o Daniel Blaufuks, o Carlos Ramos, o Pedro Cláudio. E fizemos uma exposição.

Como é ter vivido tudo isso sem a era do digital e ter testemunhado essa mudança?
Na altura foi inovador trabalharmos com os portefólios e com os composites [dos agenciados]. Todos os meses mandávamos imprimir dois mil composites de nove modelos e depois fazíamos conjuntos para mandar aos clientes e às revistas. Porque ainda não havia telemóveis, os modelos tinham de nos ligar todos os dias, ao final da manhã e ao final da tarde, para saber se nós precisávamos de alguma coisa. Eles precisavam de andar sempre com moedas para fazer telefonemas nas cabines telefónicas. Às vezes, nós mandávamos telegramas a dizer: "Liga-nos com urgência!"

O que é que a Psicologia lhe trouxe de bom para o trabalho com esses jovens promissores?
Quando eu entrei para Psicologia só havia Psicologia Clínica e não me interessava tanto ir por aí. Quando retomei o curso, até as lágrimas me vieram aos olhos porque já havia uma série de tipos de psicologia em áreas diferentes, como a social, a positiva… E acabei por ir para recursos humanos. Adorei! Depois apaixonei-me pela Psicologia Positiva, onde há uma faculdade, em Harvard, que a leciona há mais de dez anos! Agora o nosso produto, em termos de empresa, são seres humanos [e a Psicologia] deu-me mais sensibilidade e deixou-me mais alerta. Eu aprofundei temas que me ajudam muito no dia a dia. Tento ensinar as modelos e os modelos a gostar, a aprender e a viver com a altura que têm, bem como a respeitar o próprio corpo. Não queremos transformar corpos. Nós motivamos os modelos para que estejam no seu melhor. A personalidade é muito importante e a moda é uma fatia pequena de tudo o que um modelo pode fazer.

Um dos últimos editoriais de moda que fez como modelo foi para a Máxima. Recorda-se?
Eu tenho esse editorial em nossa casa! Foi feito, em abril de 1989, pela então diretora de moda da Máxima, [Maria da] Assunção Avilez, com o fotógrafo Paulo Valente. Estava grávida de dois meses e isso ainda não se notava. Era a minha primeira gravidez... Lembro-me que me pediram para subir a um telhado e estava com tanto medo de cair que nunca mais me esqueci.

O que mais mudou no sector da moda, em geral, em Portugal?
Ganhou-se mais autoestima e confiança. É lindo de se ver modelos a dar cartas lá fora. Não só modelos, como também marcas. São bons exemplos portugueses. Finalmente!

Foto: Pedro Ferreira
1 de 1
Saiba mais Emília Romano, Mi Romano, artes, cultura e entretenimento, moda
Relacionadas

Leonor Xavier. “Sou uma devoradora da vida”

No seu último livro, Leonor Xavier partilha fragmentos de uma vida cheia. Memórias, pessoas, pensamentos e viagens condensados num exercício de literatura que é também, e tal como ela, um exemplo de liberdade.

Em busca do desejo perdido

As parangonas de um jornal anunciaram que mais de metade das mulheres portuguesas tem orgasmos sempre ou quase sempre que têm relações sexuais. E apesar de 75% se queixarem de que andam exaustas, sem tempo para si e insatisfeitas com o corpo e, muitas vezes, com o companheiro, aparentemente nada disto influi na sua performance, afirmando que fazem amor mais de duas vezes por semana, mesmo nas ligações amorosas que já levam 15 ou 20 anos.

Helena Sacadura Cabral: "não sou uma mulher virada para o passado"

Foi a primeira mulher a ser admitida nos quadros do Banco de Portugal. Foi, também, a primeira cronista da Máxima, onde, durante vários anos, assinou a página Olhar de Mulher. Helena Sacadura Cabral revela-nos agora um pouco mais das características e das rotinas que desenham o seu universo e a sua singularidade.

Não, isto não são os novos 20

“Um dia és uma pessoa jovem e no dia seguinte tens uma mercearia preferida.” Foi assim que um utilizador do Twitter resumiu o sentimento, por vezes avassalador, de completar 30 anos. Ou melhor: de completar 30 anos no século XXI porque, sejamos francos, antigamente as coisas eram muito diferentes. É também por isso, mas não só, que o testemunho que vai ler pode ter tudo ou nada a ver com a sua experiência pessoal.

Mais Lidas