Atual

É possível que o eclipse nos esteja a deixar cansadas? O misterioso efeito da "lua de sangue"

Um eclipse lunar é muito parecido com uma lua cheia, embora 100 vezes mais intenso. Isto quer dizer que nos afeta mais? Uma escritora e astróloga defende que sim.

Foto: Unsplash
09 de novembro de 2022 Rita Silva Avelar
Há quem acredite que o que se passa no "céu" interfere com as nossas vidas. Falamos das fases da lua, mas também dos astros. "Se está a sentir-se lenta, com dores e e exausta, pode estar a sentir o peso que esse eclipse lunar significa para si", diz Roya Backlund, escritora especialista em astrologia, à Style Caster

Isto porque no passado 8 de novembro ocorreu um eclipse lunar. "
Na astrologia, um eclipse lunar é muito mais do que um evento lunar espetacular. Na verdade, é um presságio que grandes mudanças estão prestes a ocorrer", e que nós, humanos, sentimos os seus efeitos como uma explosão de energia cósmica "que pode deixar-nos com a sensação de que fomos atropeladas." Pela explicação de Backlund, um eclipse ativa o Nodo Norte e o Nodo Sul, "que são os pontos mais altos e mais baixos da linha imaginária da órbita da lua" e que significam "o destino" e as "vidas passadas", respetivamente.

"A verdade é que este eclipse é tão potente que todos os signos o sentem. Afinal, esse eclipse não é parcial, mas total. Isso também significa que é uma 'lua de sangue', um dos eventos lunares mais transformadores que podem ocorrer. É também o último a ocorrer até 2025", avisa. 

Por fim, Backlund garante que os signos mais afetados são aqueles que têm o seu signo solar, lunar e/ou ascendente em Touro, Leão, Escorpião ou Aquário.
Saiba mais
Mundo, Discussão, Eclipse, Signos, Lunar, Lua Cheia
Leia também

Bruxarias, mortes, infância. Cristèlle Alves Meira, realizadora, é um nome a fixar

Alma Viva, que acaba de estrear, é o escolhido para representar Portugal nos Óscares deste ano. Não só é uma primeira longa-metragem muito bela sobre a identidade cultural e a intimidade dos afetos, como nela a realizadora condensa o princípio do seu cinema humanista que ultrapassa fronteiras de nacionalidade. A Máxima foi conhecê-la.

As Mais Lidas