Atual

Casos de denúncias de violência no namoro têm maior gravidade em Portugal

Apesar do número ter decrescido em 2019, o Observatório da Violência no Namoro diz que as agressões apresentaram maior seriedade e danos para vítimas.

Foto: Kat J | Unsplash
14 de fevereiro de 2020 | Aline Fernandez

O Observatório da Violência no Namoro registou um total de 74 denúncias de situações de violência no namoro em 2019, casos que foram vividos diretamente ou testemunhados por terceiros. O valor corresponde a uma média mensal de mais de seis casos por mês – lembramos que esses números são apenas os reportados, infelizmente não representam a realidade, já que muitas mulheres e também homens ainda se sentem receosos de denunciar. Apenas três dos registos foram feitos por homens.

Apesar de o número de denúncias ter decrescido relativamente a 2018 – onde foram reportadas 128 vítimas – o mapeamento da realidade da violência no namoro em Portugal mostra que os casos apresentaram maior gravidade. Os tipos de violência mais denunciados são a violência verbal (87,8%) e psicológica (75,7%). Do total, 13,5% das vítimas necessitaram de receber tratamento médico e em 12,2% dos casos foram alvo de ameaças de morte – há também tentativas de homicídio (4,1%) – e 1,4% tiveram de ser hospitalizadas.

A grande maioria (73%) das situações denunciadas não fizeram com que as vítimas apresentassem queixa às autoridades competentes. Outro dado alarmante é que em 77% dos casos os agressores são atualmente os namorados das vítimas. As denúncias foram registadas pela plataforma de diversas formas: mais da metade (38) foram efetuadas por ex-vítimas, 28 foram registadas por testemunhas desses casos e apenas oito por vítimas que continuam a sê-lo.

A principal causa da violência no namoro em Portugal é o ciúme (70,3%), seguido de problemas mentais do agressor (40,5%), mas há também casos relacionado com o consumo de álcool ou de outras substâncias por parte do agressor (14,9%) e até questões de dificuldades económicas (13,5%).

Porto apresenta maior número de casos

Dos crimes analisados, 51,4% foram no Porto, seguidos por Lisboa e Aveiro, ambos os distritos com 10%.

Discrepância de género

As vítimas do sexo feminino ainda são a maioria (95,9%) e 91,9% dos agressores são do sexo masculino. A média de idades das vítimas é de 21 anos e a dos agressores é de 23.

O local de maior incidência da violência é a casa

É na intimidade do lar que os casos de violência acontecem mais vezes (62,2%), em seguida na rua (48,6%) e numa instituição de ensino (36,5%).

Pode ler o levantamento completo do Observatório da Violência no Namoro aqui.

Saiba mais violência, mulher, denúncia, namoro, agressão, Observatório da Violência no Namoro, Comportamento
Relacionadas

Como sair de relações tóxicas?

Parecem extratos de romance ou resumos de filmes. Mas os exemplos aqui partilhados saíram da vida real. Histórias destas podem acontecer a toda a gente. Atenção ao veneno nas amizades, nas relações amorosas, nos laços familiares destrutivos e nos ambientes profissionais arrasadores. Ligações tóxicas podem custar a alegria, o equilíbrio e a saúde de quem as tolera mais do que é devido.

Mais Lidas
Realeza As amantes da vida de Juan Carlos

Num momento de especulação sobre o seu paradeiro, e após informar a casa real espanhola do seu afastamento, voltam a surgir as histórias da vida de um rei que nunca gostou de ser discreto.

Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.