Atual

17 séries icónicas com mulheres

As séries instalaram-se nas nossas vidas com tal glamour e astúcia que quase nem demos por isso. Desde os anos sessenta até à atualidade, veja quais são as melhores séries onde as mulheres são protagonistas.

07 de agosto de 2020 | Rita Silva Avelar

1962

É indiscutivelmente uma referência feminista e foi a primeira série a conquistar os portugueses, com Lucille Ball e Vivian Vance, nos papéis de uma viúva e de uma divorciada, ambas com filhos e independentes. Falamos da famosa The Lucy Show.

Anne Francis e John Ericson em Honey West.
Anne Francis e John Ericson em Honey West.

1966

O inédito aconteceu quando a atriz Anne Francis agarrou o papel de protagonista numa série: a Honey West. Uma mulher detetive e que batia nos homens, algo nunca visto, já que esse papel era dos homens.

1970

A cantora e atriz Diahann Carroll foi a primeira mulher negra a surgir num papel principal, em Julia. Era a viúva de um militar morto no Vietname, mãe solteira de um rapaz com oito anos e enfermeira. Foi também a primeira série a ter uma afro-americana que não desempenhava papéis de serviçal.

1981

A personagem odiosamente glamorosa de Alexis Carrington Colby, interpretada por Joan Collins, roubou todas as atenções na série Dinastia, tornando-se um ícone de estilo com um guarda-roupa, sem limite orçamental, criado por Nolan Miller.

1990

Murphy Brown colocou Candice Bergen no papel de uma jornalista perspicaz, irónica e determinada num mundo de homens quando, até então, esse tipo de papel era atribuído aos mesmos. Na CBS.

1992

Amorais, cínicas e loucas, mas deliciosamente irreverentes. Assim são Joanna Lumley e Jennifer Saunders (esta última, a argumentista) em Absolutamente Fabulosas. Drogas, álcool, sexo com homens mais novos e todo o rock’n’roll dos anos 90 couberam nesta tela. Na BBC.

Joanna Lumley e Jennifer Saunders em Absolutamente Fabulosas.
Joanna Lumley e Jennifer Saunders em Absolutamente Fabulosas.

1998

As desventuras desastrosas e hilariantes de Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda em Sexo e a Cidade mostraram como as mulheres podiam e deviam falar livremente de tudo, sem rodeios, nem cerimónias. Na HBO.

2000

Se há série que mostrou sem pudor o lesbianismo e a bissexualidade foi a Letra L, escrita por Ilene Chaiken. 2020 traz um remake com o elenco original, em A Letra L: Geração G. Na Showtime.

2004

Em Donas de Casa Desesperadas, as atrizes Eva Longoria, Felicity Huffman, Teri Hatcher e Marcia Cross abriram-nos as portas de suas casas para mostrar, sem filtros, os dramas conjugais, familiares e pessoais de cada uma. Na ABC.

2009

Com Uma Família Muito Moderna, Sofia Vergara tornou-se a mulher mais bem paga da televisão americana e, em 2019, era a 76.ª mulher mais poderosa na lista da Forbes. Na Fox.

2010

Em Downton Abbey, Maggie Smith, Michelle Dockery, Elizabeth McGovern e Laura Charmichael são algumas das atrizes que desempenham papéis subtis, mas fundamentais, nesta série já de culto. Na Amazon Prime.

2011

Além de ter mudado para sempre o mundo das séries, A Guerra dos Tronos colocou de forma crescente, mas astuta, as atrizes Emily Clarke, Sophie Turner e Maisie Williams em papéis de poder. Na HBO.

2013

No papel da intransponível Claire Underwood, em House of Cards, Robin Wright desempenha uma personagem tão poderosa quanto a do marido, Frank. E nunca se deixa "pisar" por ele. Na Netflix.

Robin Wright em House of Cards.
Robin Wright em House of Cards.

2014

Na série Como Defender um Assassino, Shonda Rhimes elege Viola Davis para o papel principal de Annalise Keating. Davis foi a primeira atriz negra a ganhar um Emmy de Melhor Atriz em séries dramáticas, em 2017, e tornar-se-ia a primeira atriz negra a ganhar um Óscar, um Emmy e um Tony. Na AXN.

2016

Phoebe Waller-Bridge assinou o argumento e protagonizou Fleabag, uma série que ultrapassa o politicamente correto e que mostra, a nu, as fragilidades, as ambições e os desejos mais obscuros das mulheres. Na Amazon Prime.

2019

Em Catarina, A Grande, Helen Mirren é a protagonista de uma história sobre a realeza, onde se narra a vida de uma mulher simultaneamente polémica e fascinante. Na HBO.

2020

Cate Blanchett é a protagonista de Mrs. America, na qual interpreta Phyllis Schafly, uma ativista conservadora contra o movimento feminista. Ao elenco juntam-se atrizes como Rose Byrne, Margo Martindale, Uzo Aduba, Elizabeth Banks e Sarah Paulson. Na HBO.

Cate Blanchett é a protagonista de Mrs. America.
Cate Blanchett é a protagonista de Mrs. America.
Saiba mais Honey West, Anne Francis, Joanna Lumley, HBO, Jennifer Saunders, Absolutamente Fabulosas, A Letra, Amazon Prime, Emmy de Melhor Atriz, Davis, Blanchett
Relacionadas

Viciadas em séries. Esta adição explicada por especialistas

As séries instalaram-se nas nossas vidas com tal glamour e astúcia que quase nem demos por isso. Não deixando de fora os perigos da adição comportamental, nem o facto de, também neste domínio, as mulheres continuarem a lutar por um lugar ao sol, vamos em busca de respostas: afinal, porque é que gostamos tanto de séries?

Mais Lidas
Celebridades O outro lado de Joana Aguiar

Atriz, estudante de gestão e modelo, Joana Aguiar dá cartas na televisão e no cinema portugueses. Por aqui, mostra um lado mais camaleónico que tanto aprecia na profissão, e uma atitude edgy que não se disfarça: ou se tem, ou não se tem.