Atual

10 razões por que o tabaco prejudica a sua pele (e não só)

Wenqian Chen, especialista em medicina tradicional chinesa, revela quais as melhores formas para deixar de fumar.

20 de maio de 2020 | Rita Silva Avelar
É largamente sabido que o tabaco afeta a sua saúde e a das pessoas à sua volta. Mas fumar implica muito mais que isso, como alerta o Centro de Terapias Chinesas (CTC), este simples ato pode prejudicar também a sua imagem. Wenqian Chen, médica especialista em Medicina Tradicional Chinesa no CTC, enumera as 10 consequências mais nocivas do tabaco para a beleza.

Qual é o primeiro passo a dar para quem decide deixar de fumar?
O primeiro passo para deixar de fumar é desejar fazê-lo. Uma vez tomada essa decisão, deve estipular um período para observar os seus hábitos tabágicos. Por exemplo, perceber em que circunstância sente mais prazer em fumar e em que situação a necessidade é maior. Uma vez reconhecidos os seus padrões, fixe uma data e informe os seus familiares e amigos da sua intenção de deixar de fumar nessa data, para que aqueles o ajudem no processo. Por fim, agende uma consulta com um especialista (pode ser o seu médico de família), para que este o possa ajudar a encontrar alternativas ao cigarro.

Qual a melhor forma de o fazer?
A melhor forma de o fazer depende do nível de dependência de cada um. Há quem consiga cortar o hábito de imediato e de uma só vez apenas com a força de vontade. Para outras pessoas, no entanto, é mais difícil e podem levar mais tempo. Se pertencer ao segundo grupo, peça aconselhamento a um especialista.

Há algum truque ou conselho que possa dar para quem está agora a iniciar o processo?
Um truque que pode resultar muito bem é mudar de marca de cigarro antes de deixar de fumar. Compre uma marca que lhe dá menos prazer fumar. Lentamente vai começar a associar o cigarro a um sacrifício e não a um prazer. Outra dica é colocar pequenos desafios a si mesmo. Por exemplo: atrasar o primeiro cigarro da manhã, desafiar-se a eliminar o cigarro a meio da manhã ou comprometer-se a não fumar em público.

A medicina tradicional chinesa pode ter um papel fundamental? Se sim, de que forma?
A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) é uma ótima solução para deixar de fumar. Com a MTC, a vontade de fumar pode desaparecer logo após a primeira sessão. Nos casos de maior dependência, mesmo que a vontade persista, o sabor do tabaco passa a ser percebido como desagradável, o que leva a uma redução radical do hábito. Por exemplo, fazendo uso do método Jie Yan, exclusivo do Centro de Terapias Chinesas, é possível que 80%-90% dos fumadores deixem de fumar apenas com 3 tratamentos. Este método consiste numa combinação de auriculoterapia, acupuntura, tui-na e fitoterapia chinesa, combatendo a habituação física e promovendo a desintoxicação do organismo. Pela sua taxa de sucesso e rapidez em resolver o problema, o MTC pode ter um papel fundamental. Consulte um especialista em MTC para saber mais sobre este método.
Para quem deseje abandonar o hábito do cigarro, a Dra. Wenqian Chen recomenda o método Jie Yan, um método com mais de 15 anos que tem conseguido que 80%-90% dos fumadores que procuram o CTC deixem de fumar apenas com 3 tratamentos. Este método consiste numa combinação de auriculoterapia, acupuntura, tui-na e fitoterapia chinesa, combatendo a habituação física e promovendo a desintoxicação do organismo.
De acordo com a Dra. Chen, logo após a primeira sessão, a vontade de fumar desaparece. Em casos mais graves, mesmo que a vontade persista, o sabor do tabaco passa a ser percebido como desagradável, o que leva a uma redução radical do hábito.

1. Rugas. A pele é o maior órgão do nosso corpo e, como tal, é um dos mais afetados com o consumo de tabaco. O arsénico existente no tabaco seca a pele, levando a que esta envelheça mais rapidamente.
1 de 10 1. Rugas. A pele é o maior órgão do nosso corpo e, como tal, é um dos mais afetados com o consumo de tabaco. O arsénico existente no tabaco seca a pele, levando a que esta envelheça mais rapidamente.
2. Estrias. Outra consequência das toxinas existentes no tabaco é a perda de elasticidade da pele. Ao ficar mais flácida, esta perde a capacidade de se regenerar após alterações de peso, o que aumenta a probabilidade do aparecimento de estrias.
2 de 10 / 2. Estrias. Outra consequência das toxinas existentes no tabaco é a perda de elasticidade da pele. Ao ficar mais flácida, esta perde a capacidade de se regenerar após alterações de peso, o que aumenta a probabilidade do aparecimento de estrias. 2. Estrias. Outra consequência das toxinas existentes no tabaco é a perda de elasticidade da pele. Ao ficar mais flácida, esta perde a capacidade de se regenerar após alterações de peso, o que aumenta a probabilidade do aparecimento de estrias.
3. Seios descaídos. A juntar às rugas e às estrias, a perda de elasticidade da pele leva a que os seios descaiam, uma vez que se torna mais difícil suportar o peso dos mesmos.
3 de 10 / 3. Seios descaídos. A juntar às rugas e às estrias, a perda de elasticidade da pele leva a que os seios descaiam, uma vez que se torna mais difícil suportar o peso dos mesmos. 3. Seios descaídos. A juntar às rugas e às estrias, a perda de elasticidade da pele leva a que os seios descaiam, uma vez que se torna mais difícil suportar o peso dos mesmos.
4. Celulite. O tabaco prejudica as células do seu corpo, desfavorecendo os ritmos e as funções naturais do organismo, o que leva a que seja mais difícil queimar gordura localizada e a que esta se acumule em zonas menos boas. Dá-se assim também a acumulação de gordura visceral, que é altamente prejudicial para os seus órgãos vitais e se traduz no aparecimento de barriga.
4 de 10 / 4. Celulite. O tabaco prejudica as células do seu corpo, desfavorecendo os ritmos e as funções naturais do organismo, o que leva a que seja mais difícil queimar gordura localizada e a que esta se acumule em zonas menos boas. Dá-se assim também a acumulação de gordura visceral, que é altamente prejudicial para os seus órgãos vitais e se traduz no aparecimento de barriga. 4. Celulite. O tabaco prejudica as células do seu corpo, desfavorecendo os ritmos e as funções naturais do organismo, o que leva a que seja mais difícil queimar gordura localizada e a que esta se acumule em zonas menos boas. Dá-se assim também a acumulação de gordura visceral, que é altamente prejudicial para os seus órgãos vitais e se traduz no aparecimento de barriga.
5. Manchas nos dentes. Quer um sorriso bonito? Então pare de fumar. O fumo do tabaco provoca manchas nos dentes e leva a que o seu sorriso tenha um aspeto amarelo e ninguém aprecia sorrisos amarelos, seja lá por que razão for!
5 de 10 5. Manchas nos dentes. Quer um sorriso bonito? Então pare de fumar. O fumo do tabaco provoca manchas nos dentes e leva a que o seu sorriso tenha um aspeto amarelo e ninguém aprecia sorrisos amarelos, seja lá por que razão for!
6. Unhas amarelas. À semelhança do que acontece nos dentes, os dedos e as unhas também são vítimas do fumo do tabaco, acabando por ficar manchados e amarelos. Portanto, já sabe: se deseja unhas bonitas, deixar de fumar é o primeiro passo.
6 de 10 6. Unhas amarelas. À semelhança do que acontece nos dentes, os dedos e as unhas também são vítimas do fumo do tabaco, acabando por ficar manchados e amarelos. Portanto, já sabe: se deseja unhas bonitas, deixar de fumar é o primeiro passo.
7. Cabelos fracos. A nicotina diminui o diâmetro dos vasos sanguíneos e, consequentemente, o fluxo de sangue. Como consequência o cabelo recebe menos nutrientes, o que leva a que fique mais fino e fraco, caindo com mais facilidade.
7 de 10 7. Cabelos fracos. A nicotina diminui o diâmetro dos vasos sanguíneos e, consequentemente, o fluxo de sangue. Como consequência o cabelo recebe menos nutrientes, o que leva a que fique mais fino e fraco, caindo com mais facilidade.
8. Varizes. Ao diminuir a espessura da parede dos vasos sanguíneos, o tabaco promove o aparecimento de varizes. Outra consequência do tabagismo é o aumento da coagulação sanguínea, o que fomenta o risco de tromboses.
8 de 10 / 8. Varizes. Ao diminuir a espessura da parede dos vasos sanguíneos, o tabaco promove o aparecimento de varizes. Outra consequência do tabagismo é o aumento da coagulação sanguínea, o que fomenta o risco de tromboses. 8. Varizes. Ao diminuir a espessura da parede dos vasos sanguíneos, o tabaco promove o aparecimento de varizes. Outra consequência do tabagismo é o aumento da coagulação sanguínea, o que fomenta o risco de tromboses.
9. Olheiras e papos nos olhos. As toxinas do tabaco também danificam os vasos sanguíneos existentes em torno dos olhos, conduzindo ao aparecimento de olheiras e de papos nos olhos.
9 de 10 / 9. Olheiras e papos nos olhos. As toxinas do tabaco também danificam os vasos sanguíneos existentes em torno dos olhos, conduzindo ao aparecimento de olheiras e de papos nos olhos. 9. Olheiras e papos nos olhos. As toxinas do tabaco também danificam os vasos sanguíneos existentes em torno dos olhos, conduzindo ao aparecimento de olheiras e de papos nos olhos.
10. Mau hálito. O odor do fumo do tabaco fala por si, mas além do impacto imediato que ele causa, também deixa partículas na sua garganta e pulmões. Tal significa que o cheiro do cigarro pode ficar alojado durante horas na sua boca, causando mau hálito. Além disso, a acumulação dessas partículas traduz-se na alteração do olfato e do paladar.
10 de 10 / 10. Mau hálito. O odor do fumo do tabaco fala por si, mas além do impacto imediato que ele causa, também deixa partículas na sua garganta e pulmões. Tal significa que o cheiro do cigarro pode ficar alojado durante horas na sua boca, causando mau hálito. Além disso, a acumulação dessas partículas traduz-se na alteração do olfato e do paladar. 10. Mau hálito. O odor do fumo do tabaco fala por si, mas além do impacto imediato que ele causa, também deixa partículas na sua garganta e pulmões. Tal significa que o cheiro do cigarro pode ficar alojado durante horas na sua boca, causando mau hálito. Além disso, a acumulação dessas partículas traduz-se na alteração do olfato e do paladar.
Saiba mais Fumar, Deixar de Fumar, Tabaco, Dr.ª Wenqian Chen, Comportamento
Relacionadas
Mais Lidas
Realeza As amantes da vida de Juan Carlos

Num momento de especulação sobre o seu paradeiro, e após informar a casa real espanhola do seu afastamento, voltam a surgir as histórias da vida de um rei que nunca gostou de ser discreto.