Prazeres

Viaje no tempo no Maxime Hotel, em Lisboa

O antigo cabaret transformou-se em hotel, trazendo de volta a alma do símbolo da vida boémia lisboeta que remonta a meados do século XX.

A carregar o vídeo ...
08 de março de 2019 | Aline Fernandez

Para quem nunca ouviu as histórias, o Maxime Dancing inaugurou a 30 de novembro de 1949, na Praça da Alegria, em Lisboa. O moderno cabaret inspirava-se no antigo Maxim’s, um dos mais emblemáticos e luxuosos clubes noturnos da capital, que ficava nos Restauradores na década de 1920, e conseguiu ser ainda mais memorável.

A começar pelo edifício, projetado pelo arquiteto João Simões e propriedade de Carlos Cabeleira. No dia da inauguração, estiveram presentes duas orquestras, uma portuguesa e uma espanhola e atuaram nomes como Anita de Montilla, conhecida como a "bailarina dos pés de bronze", ou a dupla portuguesa Linda & Constant, na altura o melhor par coreográfico de Portugal. O Maxime tornou-se, assim, num dos grandes acontecimentos da noite de Lisboa.

Mesmo ao lado do Parque Mayer, passou a ser um dos destinos favoritos da alta sociedade depois de sair do cinema e do teatro. António Calvário, Simone de Oliveira, Tony de Matos e até o espanhol Julio Iglesias cantaram por lá.

Depois de alguns altos e baixos, em 2006, Manuel João Vieira lá tentou recriar um cabaret português. Quando o cantor e Bo Backstrom assumiram a gerência, o Maxime voltou a ganhar espaço no roteiro da noite da cidade, sendo o lugar que relançou a carreira de José Cid e por onde passaram os atores d' Os Sopranos Michael Imperioli e John Ventimiglia e onde bandas portugueses como os Deolinda deram alguns dos seus primeiros concertos. Mas em 2011, o M vermelho apagou-se e o Maxime fechou as portas.

Agora faz-se hotel no mesmo número 58 da Praça da Alegria e está mais apaixonante que nunca. São 75 quartos – 70 duplos deluxe e cinco quartos duplos temáticos, cada inspirado pelo tema do respetivo andar: burlesque, bondage, dressing room, bar e stage – sempre com a estética do cabaret como referência. O boutique hotel convida-nos a viajar no tempo e explora a sensualidade com muito bom gosto.

Há ainda um restaurante e um bar – do balcão saem deliciosos cocktails–, onde é possível assistir a espetáculos todas as sextas-feiras e sábados. Às quintas-feiras, o espaço recebe apresentações de stand-up comedy. O palco principal cheio de história foi redecorado pela artista plástica e designer Alexandra Prieto. Antes de jantar ou de seguir para um dos quartos, preste atenção à entrada. Perto recepção há um peep show, onde pode espiar um filme antigo passado num cabaret. Afinal, está oficialmente no hotel mais sexy de Lisboa.

Onde? Praça da Alegria 58, 1250-004 Lisboa. Quando? Almoço de segunda a sexta-feira das 12h30 às 15h (€14), jantar das 19h30 às 23:00, exceto aos domingos. Dias de espetáculo residente: Sexta-feira e sábado das 20h30 às 23h30 (jantar + show = €69). Maxime Comedy Club nas quintas-feiras às 22h (€10). Quarto a partir dos €160. Reservas: 218 760 000 e askme@maximehotellisbon.com.

Saiba mais Maxime, hotel, Maxime Hotel, Praça da Alegria, Lisboa, cabaret, restaurante, bar, burlesque, bondage, dressing room, stage, stand-up comedy, peep show, Alexandra Prieto, Maxime Dancing, Maxim’s, João Simões, Carlos Cabeleira, Anita de Montilla, Linda & Constant, Parque Mayer, António Calvário, Simone de Oliveira, Tony de Matos, Julio Iglesias, Manuel João Vieira, Bo Backstrom, José Cid, Deolinda, Viagens&Gourmet
Relacionadas
Mais Lidas
Realeza As amantes da vida de Juan Carlos

Num momento de especulação sobre o seu paradeiro, e após informar a casa real espanhola do seu afastamento, voltam a surgir as histórias da vida de um rei que nunca gostou de ser discreto.

Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.