Prazeres

Poder matriarcal, maternidade e direitos das mulheres. É disto que se fala no FEST

O FEST também precisou de reinventar-se. Este ano, a presença feminina neste festival de novos talentos atinge um record que mostra que há cada vez mais mulheres atrás das câmaras. Ou será que elas estão, agora, com mais visibilidade?

A carregar o vídeo ...
31 de julho de 2020 | Rita Silva Avelar

Com uma presença feminina que supera as programações de outros anos, o FEST tem boas novidades para os amantes da sétima arte. O festival português, que dá a conhecer novos talentos na realização, teve que reinventar-se para os novos tempos e este ano aposta na visão feminina. "Perto de 70% do programa é constituído por trabalhos realizados por mulheres, e só na nossa competição de longas-metragens, das 10 obras em exibição, 7 são de mulheres realizadoras" revela Fernando Vasquez, programador do FEST. No total são mais de 230 filmes que, entre os dias 2 e 9 de agosto, ocuparão a cidade de Espinho, pólo central de uma edição que pela primeira vez se estende a Porto e Lisboa. 

Nesta edição, estão em destaque os projetos cinematográficos da francesa Zoé Wittock e da australiana Shanon Murphy. "A primeira produziu uma obra que rapidamente se está a transformar no grande êxito do ano, um filme intitulado Jumbo, que retrata uma história de amor muito invulgar e uma relação tensa e complexa entre uma mãe e uma filha" revela, acrescentando que a "segunda é dos nomes mais badalados do momento, já que com o seu filme Babyteeth, que ganhou dois prémios em Veneza, construiu uma comédia sobre uma doença terminal de uma adolescente, trabalhando muito bem a forma como uma família pode lidar com um final inevitavelmente trágico" revela este programador, sobre os trabalhos em destaque. Mas há mais.

Babyteeth é o filme da australiana Shanon Murphy.
Babyteeth é o filme da australiana Shanon Murphy. Foto: Lisa Tomasetti

Talentos emergentes, sempre no feminino

A presença de mulheres na realização traz temas como a maternidade, religião, o poder matriarcal ou os direitos das mulheres. "Com uma presença tão significativa de autoras femininas no nosso programa não é de estranhar que o tema mais dominante seja a maternidade" revela Fernando Vasquez. "Aqui o destaque inicial tem de ir para a argentina Maura Delpero, com o filme Maternal, que nos transporta até uma casa de acolhimento de mães adolescentes no centro de Buenos Aires. O filme apresenta-nos diferentes visões e perspectivas do que é ser mãe, ao mesmo tempo que explora de forma brilhante a relação tensa entre as adolescentes, maioritariamente rebeldes, e as freiras que controlam a instituição" revela, sobre uma das aguardadas novidades do festival.

Com o filme Maternal, Maura Delpero transporta-nos até uma casa de acolhimento de mães adolescentes no centro de Buenos Aires.
Com o filme Maternal, Maura Delpero transporta-nos até uma casa de acolhimento de mães adolescentes no centro de Buenos Aires.

E acrescenta mais uma visão: "este tema da maternidade manifesta-se ainda de forma clara na curta-metragem da polaca Agata Puszcz, Home Sweet Home, um filme passado num futuro distópico, onde várias crianças e adultos são contratados para participarem em eventos sociais, como festas de aniversários. O filme ganha novo tom quando uma das crianças é contratada para participar na mesma festa onde a sua mãe biológica está a trabalhar."

Ainda nesta temática, outro dos destaques é o trabalho da realizadora ucraniana Iryna Tsilyk, com a sua longa The Earth Is Blue As an Orange. "Apresenta uma família onde todos os homens estão ausentes, e que vive na frente de batalha do conflito na Ucrânia. O filme retrata a produção de um filme familiar que reproduz algumas das experiências aterradoras dos últimos anos, como forma de terapia familiar."

As relações familiares são um dos temas paralelos à programação, com destaque particular para a longa Wildland da dinamarquesa Jeanette Nordahl. "Apresenta-nos uma família de criminosos violentos, controlada por uma matriarca, cuja união é posta em causa com a chegada de uma jovem sobrinha com dificuldades em aceitar a verdadeira natureza da sua família" explica o programador.

Em Wildland, a dinamarquesa Jeanette Nordahl fala sobre dramas familiares.
Em Wildland, a dinamarquesa Jeanette Nordahl fala sobre dramas familiares. Foto: Christian Geisnaes

E por fim, não passam despercebidas as vozes que se levantam pelos direitos das mulheres, em filmes como Papicha de Mounia Meddour, "que nos fala sobre a luta de um grupo de jovens raparigas contra a crescente influência de grupos conservadores islâmicos", e o documentário Lovemobil da alemã Elke Margarete Lehrenkrauss, "que nos revela os perigos do dia a dia de um grupo de prostitutas que trabalha em rulotes estacionadas nas estradas rurais germânicas."

A presença portuguesa no FEST e as apostas do ano

Há também fortes realizadoras portuguesas a competir no Grande Prémio Nacional. Tânia Prates com Quando a Luz se Apaga, Beatriz Bagulho com (In)dividual, Carolina Neves com Alvorada e Susana Ramalho Marques com Ara. "Todas elas estão a dar sinais de enorme talento e temos poucas dúvidas que nos próximos anos se vão tornar figuras de referência" revela Fernando Vasquez, que deixa ainda duas grandes apostas este ano. "Aliha Thalien é uma jovem realizadora francesa que tem tudo para se tornar numa figura de renome nos próximos anos. A sua curta Feu soleil é dos trabalhos mais elegantes e robustos que vamos exibir. A austríaca Anne Thorens apresenta-nos uma curta-metragem de nome Diagonal em que aborda, de forma muito inteligente, a pressão exercida sobre jovens mulheres por parte de homens para não utilizar contraceção. É sem dúvida um dos nomes que pode vir a dar que falar num futuro próximo."

*Em Espinho, as sessões decorrem no Auditório da Junta de Freguesia e no cinema drive-in instalado no parque de estacionamento da Nave Desportiva. As extensões simultâneas às duas maiores cidades do país farão circular as longas em competição pelo Cinema Trindade e Cinema Ideal e as curtas pela Casa Comum da Reitoria da Universidade do Porto.

A programação completa para o evento, assim como os horários das sessões e preço de bilhetes pode ser consultada em detalhe em FEST.

Saiba mais Fernando Vasquez, FEST, Lisboa, Porto, Espinho, Artes, Cultura, Entretenimento, Cinema, Realização, Novos talentos, Mulheres Realizadoras, Poder matriarcal, maternidade, direitos das mulheres
Relacionadas

7 festivais de verão a não perder

Descentralizar e desconfinar são as palavras de ordem nos festivais deste verão. Do cinema à música, passando pela gastronomia, conheça os programas imperdíveis do próximo mês.

Mais Lidas
Celebridades O outro lado de Joana Aguiar

Atriz, estudante de gestão e modelo, Joana Aguiar dá cartas na televisão e no cinema portugueses. Por aqui, mostra um lado mais camaleónico que tanto aprecia na profissão, e uma atitude edgy que não se disfarça: ou se tem, ou não se tem.