Prazeres

Os poderes da dieta alcalina, a dieta de Jennifer Aniston

Trocar os alimentos mais ácidos por aqueles que tornam o organismo mais alcalino é o princípio orientador de uma dieta que, mais do que a perda de peso, oferece o rejuvenescimento e mais anos de vida com saúde.

Foto: Getty Images
18 de agosto de 2020 | Carla Marina Mendes

Ouvimos falar dele na escola, sobretudo nas aulas de Física ou Química, que nos ensinam que o pH é uma escala que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de um qualquer meio. Agora, o pH chega à mesa, como princípio que norteia um regime alimentar que já conquistou os ricos e famosos. Gwyneth Paltrow, Jennifer Aniston, Uma Thurman ou Kirsten Dunst são apenas alguns dos nomes de uma lista bem mais vasta dos que seguem uma dieta alcalina. E que não se cansam de lhe atribuir vantagens e benefícios.

Rita Boavida é nutricionista e conhece bem o fator pH, que dá mesmo nome a um livro, recentemente lançado, onde explica como e porque é que nos devemos preocupar com o pH do que comemos. À Máxima, confirma que "é preciso existir um equilíbrio no nosso organismo entre o ácido e o básico. Porque se tivermos um pH básico no nosso estômago ele não vai funcionar; se tivermos um pH ácido nos nossos intestinos, ele não vai conseguir fazer a digestão corretamente; se tivermos um pH desequilibrado no sangue, ele é incompatível com a nossa vida". Resumindo, "tudo no nosso organismo tem de funcionar com um pH ótimo", uma máxima que faz todo o sentido. O pior é mesmo consegui-lo e a culpa recai aqui sobre a correria e o stress constantes a que chamamos estilo de vida e, claro, sobre o que comemos. "Há alterações, desequilíbrios graves no nosso organismo e esta relação entre básico e ácido está a ser um bocadinho esquecida", garante a especialista. Resultado: cansaço, obstipação, dificuldade de concentração, constipações, dores musculares e problemas bem mais graves, como as doenças autoimunes ou até mesmo os tumores malignos.

E para aqueles que acreditam que o nosso organismo até é capaz de se equilibrar sozinho, Rita Boavida esclarece que é verdade. De facto, ele costuma conseguir fazê-lo. O problema é quando isso deixa de acontecer. "O excesso de ácidos vai desequilibrar e adoecer o nosso corpo e depois ele fica sem essa capacidade. Fala-se muito, por exemplo, no açúcar, e que, em excesso, é capaz de provocar problemas de saúde. Mas o excesso de acidez faz a mesma coisa e sobre isso pouco se fala."

O primeiro passo é conhecer o pH do organismo, valor que os médicos costumam pedir nas análises de rotina, mas que se pode conhecer em casa, com recurso a umas tiras compradas nas farmácias. "Eu costumo pedir às pessoas para fazerem a medição todos os dias, uma vez por dia, durante uma semana e depois fazer a soma dos valores e dividir pelos dias para nos dar a média do pH. Isto porque só uma medição pode levar a um erro, já que podemos ter feito desporto excessivo no dia anterior, ou um excesso ao jantar, o que vai alterar o pH da urina no dia seguinte", explica Rita Boavida.

Depois, há que começar a escolher os alimentos mais alcalinos, excluindo os mais ácidos. A boa notícia é que esta é uma dieta que, ao contrário de muitas outras, não proíbe, não exclui e não impõe. Aqui, o equilíbrio é mesmo a palavra de ordem. "Qualquer pessoa pode fazer esta dieta, independentemente do seu regime alimentar. Ou seja, um vegetariano pode fazê-lo, um macrobiótico também e por aí fora. Isto porque, aqui, a intenção não é proibir nenhum alimento. O que se pretende é que a pessoa faça as escolhas corretas daquilo que consome, tendo em atenção que deve escolher alimentos mais alcalinos, que são os menos processados, e comer menos alimentos de origem animal." Até porque, defende Rita Boavida, "a dieta alcalina é um modo de vida e não apenas uma dieta". Todas as pessoas a conseguem seguir, garante, "porque não há proibições. Enquanto as dietas restritivas levam as pessoas a abandoná-las mais facilmente, uma vez que gostam de comer certas coisas que não podem, aqui isso não acontece".

E, mais do que perder peso, "a primeira intenção é a saúde. Claro que com um organismo equilibrado e a funcionar corretamente, em que retiramos uma parte dos alimentos processados, vamos ter uma perda de peso natural. Mas como qualquer plano, se a pessoa quiser perder muito (20 quilos, por exemplo), terá de fazer sempre uma restrição calórica. No entanto, se quiser perder apenas alguns quilos (dois, três ou até cinco), perde-os naturalmente quando começa a fazer esta dieta, sem estar a pensar em restrições".

Claro que, como qualquer outra dieta ou regime alimentar, começar é sempre o que mais custa. Até porque é preciso conhecer os alimentos e ter em conta a lista dos que são mais ou menos ácidos. E é também claro que isto não significa ir a correr atacar as bolachas ou devorar os chocolates só porque não são proibidos. Na dieta alcalina, todos os alimentos que contêm açúcares refinados, sal refinado e gorduras trans "devem ser retirados e comidos esporadicamente". E é fácil perceber porquê. "Não têm vitaminas, nem minerais e as gorduras trans foram processadas pelo homem, de tal forma que o organismo não as consegue identificar como um nutriente."

Se estes devem ficar de fora, outros há dos quais podemos – e devemos – abusar. "Os vegetais, a fruta, as sementes e as oleaginosas são importantíssimos. É óbvio que temos de ter sempre uma boa fonte de proteína, mas podemos comer o peixe, o ovo, a soja fermentada, que é de melhor digestão, e até a carne, mas em menos quantidades."

Para quem, por esta altura, se questiona sobre se é possível seguir este regime alimentar nos dias de hoje, definidos pela falta de tempo para tudo, até mesmo para comer, o que acontece muitas vezes fora de casa, Rita Boavida tem a resposta. E não tem dúvidas que os portugueses têm a vida facilitada. "Claro que é compatível com o nosso estilo de vida! Podemos perfeitamente comer um peixe, uma boa salada, batatas e legumes, que é um prato típico português. Se o fizermos, estamos aqui a ter uma alimentação alcalina. Com uma entrada de sopa, é uma refeição que conseguimos comprar ou fazer em casa com facilidade."

Aquilo que falta aos portugueses, aponta, é mesmo "falta de imaginação para cozinhar de maneira diferente os legumes. As pessoas acabam por ficar um pouco saturadas de estar sempre a comê-los cozidos ou grelhados. O tal meio prato, de salada ou legumes, é o que falta na nossa alimentação, em que temos, isso sim, um meio prato de arroz ou de massa. Fazendo essa inversão tornamos logo o prato alcalino".

Amiga do peso e da saúde

De forma simples e sem grande esforço é então, garante a especialista, possível perder alguns quilos. Mas mais do que isso, a dieta alcalina promete ser amiga do organismo de outras formas. "Esta dieta ajuda muito a melhorar a nossa imunidade. Por isso, penso que é uma dieta ótima para quem tem problemas autoimunes, para pessoas com tumores, já que é uma dieta que ajuda a alcalinizar o organismo. E sabemos que as células cancerígenas produzem bastante acidez e que se adaptam e proliferam melhor em ambientes ácidos. É também uma dieta com toda a vantagem para pessoas que querem ganhar massa muscular, para as mulheres na menopausa e na pré-menopausa, em que há uma perda de massa muscular e de massa óssea bastante elevada, uma vez que ajuda bastante a que haja uma diminuição na perda de cálcio." Mas há mais. "As pessoas sentem muita energia. Deixam de se sentir tão cansadas e sentem menos a preguiça e a moleza. Dizem também que sentem muitas diferenças na parte digestiva, que não têm tanto a barriga inchada ou tantos gases, ou até as dificuldades de digestão."

Alimentos mais e menos alcalinos

No livro O Fator pH (Manuscrito Editora), Rita Boavida oferece uma lista de alimentos mais ou menos ácidos e mais ou menos promotores de um organismo que se quer equilibrado. Entre os alimentos muito alcalinizantes encontramos, por exemplo, a banana, a batata-doce, as castanhas ou o ananás. O dióspiro também aqui entra, assim como o quivi ou o sumo natural de limão que, apesar da acidez que lhe é característica, não é considerado um alimento ácido. Pelo contrário. O coco seco, o funcho, a alface ou os coentros têm também um índice alcalino elevado. Depois há os outros, aqueles que são altamente acidificantes. O açúcar branco surge no início da lista, ali ao lado das batatas fritas, dos biscoitos ou das bolachas. As pipocas doces, o pão de trigo, os óleos refinados ou o café expresso estão também no grupo de alimentos que devíamos eliminar ou, pelo menos, consumir de forma muito esporádica.

Saiba mais Jennifer Aniston, Dieta Alcalina, Dieta, Poderes, Emagrecer, Livro, Nutricionista
Relacionadas
Mais Lidas