Moda / Shopping

11 relógios nas cores tendência para 2021

Este é o ano dos relógios coloridos, ousados, divertidos. Depois de tanto tempo debaixo de um manto escuro, é caso para dizer que vieram em boa hora.

07 de maio de 2021 | Bruno Lobo

Piaget Limelight Gala Precious

Não sabemos o que há no fim do arco-íris, mas podemos desejar que seja este novíssimo Piaget Rainbow Precioso. Um verdadeiro tesouro para o pulso, de um colorido espetacular graças às tsavoritas verdes e safiras coloridas, numa caixa, bracelete e mostrador em ouro rosa. Este design assimétrico de caixa curva foi apresentado pela primeira vez nos anos 1970, mas cintila especialmente este ano, onde também brilha o genial movimento mecânico de corda automática 501P1, ultrafino (com apenas 3.63 mm de espessura!) e 40 horas de reserva de marcha. Preço sob consulta

Piaget Limelight Gala Precious
Piaget Limelight Gala Precious

 

Leia também

Breitling Premier B09 Chronograph

Se é fã de relógios masculinos, oversized, e de relojoaria mecânica então é quase impossível resistir ao pistácio no mostrador deste Breitling, que herda, por descendência direta, a legitimidade dos primeiros cronógrafos (há quem, erradamente, lhes chame cronómetros) com dois botões inventados por Willy Breitling nos anos 1930. Movimento mecânico de corda manual Breitling B09, com reserva de marcha de 70 horas. € 7400

Breitling Premier B09 Chronograph
Breitling Premier B09 Chronograph

Oris Divers Sixty-Five "Algodão Doce"

Leia também

A Oris surpreendeu este ano com um trio de relógios com caixa em bronze e mostradores que se destacam pelos tons pastel, verde, azul e rosa. Três cores que prometem dar uma nova energia aos nossos dias - e mal podemos esperar para ver como irá evoluir a patine da caixa (e bracelete) em bronze, material que ganha novas nuances com o passar do tempo. Movimentos mecânicos de corda automática, com 38 horas de reserva de marcha. €2400 

Oris Divers Sixty-Five “Algodão Doce”
Oris Divers Sixty-Five “Algodão Doce”

 Chanel Première Electro

Foi há quase 35 anos que a Chanel entrou para o mundo da relojoaria. Precisamente com este modelo, o Première. A caixa octagonal e a bracelete com os elos condizentes têm uma estética intemporal, mas este ano recebem nova vida com uma linha inspirada pelas batidas da música eletrónica. Cool vibes, diria um Dj, mesmo que no interior bata um movimento de quartzo, em lugar de um calibre mecânico. O Electro está disponível nesta versão arco-íris ou numa só cor (e também em três outros modelos Chanel: o J12, o Code Coco e o Boy Friend). Preço sob consulta

Leia também
Chanel Première Electro
Chanel Première Electro

  Swatch Bio Ceramic

A Swatch fez uma coisa extraordinária este ano, que foi pegar num dos materiais coqueluche da alta relojoaria - as cerâmicas - e produzir um modelo mantendo os custos ao seu nível. O resultado foi então uma caixa incrivelmente mais resistente, e com um toque absolutamente sedoso, que a marca decidiu apresentar em cinco cores: rosa, azul e cinza pastel, branco e preto. Lá dentro um típico movimento quartzo Swatch. €125 euros

Swatch Bio Ceramic
Swatch Bio Ceramic

 

Rolex Oyster Perpetual Datejust

A Rolex foi buscar inspiração às luxuriantes florestas tropicais para criar este novo mostrador para o Oyster Perpetual Datejust 36. Com motivos de "palmeiras" em tons verdes, e completa sintonia com a cor tendência do momento na relojoaria. Para além do aço, este Oyster Perpetual está também disponível nas versões em ouro Rolesor (amarelo) e Everose. O interior esconde também o muito admirável e fiável calibre 3235 da marca. €6750 euros

Rolex Oyster Perpetual Datejust
Rolex Oyster Perpetual Datejust

 

Patek Philippe Nautilus Ref. 5711 1A-014

Mantendo o momentum no verde, disparamos para um dos mais falados e cobiçados relógios do mundo, desde que foi lançado nos anos 1970. Descobrimos que a PP vai substituir o famoso mostrador azul por esta versão em verde. Fora com o azul, in with the green. Para já temos uma versão simples, numa caixa de 40 mm ou num binómio raro, pois junta aço e diamantes, que normalmente estão ligados a outros metais mais preciosos… mas esta dicotomia aço/luxo sempre foi uma das belezas do Nautilus. Lá dentro o calibre 26-330 S C de corda automática, um dos melhores calibres mecânicos que se podem encontrar.  €31 109 euros

Patek Philippe Nautilus Ref. 5711 1A-014
Patek Philippe Nautilus Ref. 5711 1A-014

 Moser Pioneer Tourbillon

À pergunta verde ou azul, a H. Moser responde turquesa. Tal como as convidativas águas das ilhas paradisíacas. No fundo a ideia é mesmo essa, transmitir a sensação de relax, férias e boa disposição. Isso é bem evidente no mostrador sfumato, com várias graduações de turquesa, mas também na caixa, em aço e com um design muito simples, e na correia do mesmo tom, em nylon… Movimento automático, com reserva de marcha de 72 horas e, aqui, com turbilhão (também existe sem). Um lindíssimo relógio, de uma pequena e independente marca de relojoaria, mas herdeira de uma tradição quase bicentenária. €49 900 euros
H. Moser Pioneer Tourbillon
H. Moser Pioneer Tourbillon

 Audemars Piguet Royal Oak "Jumbo" Extra-Thin

É nos Royal Oak deste ano que encontramos uma das mais completas coleções de mostradores verdes, mas foi também aqui que descobrimos esta pérola com o mostrador em azul, e petite tapisserie, o que significa que as bolhas no famoso padrão são ainda mais mínimas. Ultra elegante, com a caixa e bracelete, ambas em ouro branco (ou rosa), cravadas com 1102 diamantes, um luxo ao qual o movimento automático (calibre 2121) não fica atrás. Preço sob consulta

 Audemars Piguet Royal Oak “Jumbo” Extra-Thin
Audemars Piguet Royal Oak “Jumbo” Extra-Thin

Nomos Glashütte Club Campus

Pensado para um público mais jovem, afinal chama-se Club Campus, este Nomos oferece, ainda assim, o melhor nível de relojoaria mecânica. Design minimalista, muito bem temperado por toques de cor ou, no caso, pela sua completa adoção. Caixas de 36 ou 38 mm, e calibre manual com 43 horas de reserva. € 1200 euros

Nomos Glashütte Club Campus
Nomos Glashütte Club Campus

 Cartier Tank Must

Para 2021, a Cartier escolheu relançar um modelo icónico dos anos 1980, o Must, uma reinterpretação mais democrática, em aço, do lendário Tank, até então produzido em metais mais nobres. Nesta nova vida, os Must surgem em três versões monocromáticas cheias - verde, azul e borgonha - com movimentos de quartzo e mostrador limpo de qualquer indicação, ou numa versão SolarBeat, de quartzo alimentado a energia solar, e com as duas braceletes - também coloridas obviamente - produzidas em 40% com os desperdícios agrícolas da produção de maças. Curiosamente, são made in Portugal. €2070 euros

Cartier Tank Must
Cartier Tank Must
Saiba mais relógios, tendências, moderno, homem, moda, estilo
Mais Lidas