Moda

Dior muda data de desfile para evitar protestos dos coletes amarelos

O desfile de moda masculina foi inicialmente marcado para um sábado mas posteriormente alterado devido aos protestos dos coletes amarelos em Paris.

Alta-Costura | outono-inverno 2017-18: Christian Dior
Alta-Costura | outono-inverno 2017-18: Christian Dior
10 de janeiro de 2019 | Ana Silva

A Christian Dior antecipou o desfile de moda masculina em Paris para evitar as manifestações dos coletes amarelos que nas últimas semanas têm condicionado as ruas da cidade.

A Dior pediu o reagendamento do desfile inicialmente marcado para dia 19 de janeiro quando percebeu que os manifestantes normalmente fazem os protestos durante os fins de semana. Desta feita, o desfile será realizado sexta feira dia 18 de janeiro.

As lojas de luxo da Dior e da Chanel estão entre as vandalizadas por alguns manifestantes no início de dezembro, o que levou ao fecho das lojas de alta costura, ao cancelamento de reservas por parte dos turistas e à interrupção de transportes.

Até ao final de dezembro de 2018, os lojistas perderam cerca de 2 bilhões de euros em receita devido aos protestos mas esperam recuperar o dinheiro perdido já em janeiro, já que a semana de moda atrai milhares de compradores e são uma importante fonte de rendimento para Paris.

Os desfiles de moda masculina vão acontecer também em Londres e Milão e precedem os desfiles femininos que estão agendados de fevereiro a março. A federação francesa de moda e alta costura responsável pela organização da paris fashion week garante que está a trabalhar em conjunto com as autoridades para garantir que tudo decorre sem problemas e "nas melhores condições possíveis".

Saiba mais Paris, Christian Dior, Dior, Londres, Chanel, Milão, coletes amarelos, moda
Relacionadas

Christian Dior Couture primavera 2018

A tenda gigante montada nos jardins do Museu Rodin, em Paris, foi decorada com referências a Alice no País das Maravilhas, a primeira pista de que esta seria uma coleção que nos levaria para outros mundos. Maria Grazia Chiuri quis explorar a beleza do subconsciente, recuperando as ideias de Freud e a estética do surrealismo, numa coleção dramática e dominada pelo preto.

Mais Lidas