Moda

Charlotte Casiraghi e os seus sapatos pouco típicos de uma princesa

Em Paris, a princesa do Mónaco misturou os seus básicos com uns sapatos inesperados.

04 de outubro de 2017 | Margarida Ferreira

O guarda-roupa de Charlotte Casiraghi é composto maioritariamente por peças básicas, às quais a filha de Carolina do Mónaco dá um toque de modernidade. Durante a Semana da Moda de Paris, Charlotte surpreendeu com as suas opções, começando logo no desfile de Yves Saint Laurent, onde surgiu com uns calções XL em pele. Para assistir ao desfile de Stella McCartney, Charlotte voltou a brincar com a roupa e misturou um dos maiores clássicos de sempre, o blazer azul-escuro, com calças de ganga e uns sapatos que surpreenderam os mais atentos.

Charlotte levou um blazer oversized, uma das tendências mais fortes da estação, em azul-escuro e com botões dourados. E, para completar o look, juntou-lhe umas calças de ganga largas, em estilo retro, e uma camisola básica com meia gola. Mas não é tudo: chamaram a atenção os sapatos, uns Stella McCartney com sola track,que romperam com as escolhas habituais da princesa.

O modelo simboliza o novo estilo athleisure de Stella McCartney, inspirado no desporto e que conta ainda com uma plataforma bicolor. Estes sapatos estão disponíveis no site da marca por €545. 

1 de 4
2 de 4
3 de 4
4 de 4
Saiba mais sapatos, moda, paris, charlotte casiraghi
Relacionadas

A história das botas Chanel

Coco Chanel usou-as, pela primeira vez, em 1920. Agora Karl Lagerfeld eterniza as icónicas botas e transforma-as, mais uma vez, para a coleção outono/inverno 2017/18.

Mais Lidas
Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.