Atual

As 10 atletas mais bem pagas de 2020

A revista Forbes avalia o salário, os prémios, os patrocínios e outros assuntos destas atletas, entre 1 junho de 2019 e 1 de junho de 2020. Nove em dez das 10 atletas femininas mais bem pagas do mundo (este ano) são tenistas, à exceção da 10ª, que é futebolista.

Foto: Getty Images
24 de agosto de 2020 | Inês Esteves

No que toca a prémios, a tenista Ashleigh Barty foi a mais bem paga, ganhando um total de 4,4 milhões de dólares só numa competição, nas finais da WTA em Shenzhen, na China. Um record de prémio em eventos de ténis, entre o masculino e o feminino. Fora de prémios monetários, Naomi Osaka e Serena Williams continuam a ser as estrelas femininas do ténis.

A tenista Ashleigh Barty é a mais bem paga no que toca a prémios.
A tenista Ashleigh Barty é a mais bem paga no que toca a prémios. Foto: Getty Images

Em primeiro lugar no ranking das 10 mulheres mais bem pagas da Forbes, como referido anteriormente, está Naomi Osaka. A atleta fez em prémios 3,4 milhões de dólares e em patrocínios 34 milhões, dando um total de 37,4 milhões de dólares. A atleta é a mais bem paga tanto quanto a patrocínios como no total. Osaka vai representar o Japão nos Jogos Olímpicos de Verão em Tóquio, agora adiados para 2021.

Naomi Osaka
Naomi Osaka

O segundo lugar vai para a tenista Serena Williams, com prémios no valor de 4 milhões, patrocínios no valor de 32 milhões, que dão um total de 36 milhões de dólares. A Nike, Gatorade ou Beats são algumas das marcas que trabalham com a tenista e aproveitam a presença nas redes sociais da atleta.

Serena Williams
Serena Williams Foto: Getty Images

Ashleigh Barty é a atleta com o terceiro lugar. Com prémios no valor de 10,1 milhões e patrocínios em 3 milhões, dá um total de 13,1 milhões de dólares. Em junho de 2019, a atleta foi a primeira mulher australiana a ficar em 1º lugar no ranking, desde 1976.

O quarto lugar é de Simona Halep, com prémios no valor de 6,9 milhões e patrocínios de 4 milhões, somando 10,9 milhões de dólares. Halep ganhou o segundo título de Slam em Wimbledon no ano passado.

Simona Halep
Simona Halep Foto: Getty Images

No quinto lugar está Bianca Andreescu. Os prémios da atleta estão no valor de 4,9 milhões, com patrocínios de 4 milhões. O total é de 8,9 milhões de dólares. A atleta fez história como a primeira cidadã do Canadá - entre homens e mulheres - a ganhar um Grand Slam no US Open.

Bianca Andreescu
Bianca Andreescu Foto: Getty Images

Garbiñe Muguruza está em sexto lugar com prémios de 2,1 milhões, patrocínios em 4,5 milhões, que somam 6,6 milhões de dólares. A tenista ficou em segundo lugar no Open da Austrália e este ano foi a segunda vez que esta avançou para além da quarta ronda de um Grand Slam, desde o seu título de Wimbledon em 2017.

Garbiñe Muguruza
Garbiñe Muguruza Foto: Getty Images

Em sétimo lugar está Elina Svitolina. Em prémios a atleta fez 5,4 milhões, em patrocínios 1 milhão. O total é de 6,4 milhões de dólares. A Svitolina atingiu as semifinais tanto de Wimbledon como do U.S. Open em 2019.

Elina Svitolina
Elina Svitolina Foto: Getty Images

O oitavo lugar pertence a Sofia Kenin com prémios de 4,8 milhões e patrocínios de 1 milhão. Resultando em 5,8 milhões de dólares. Kenin ganhou o Open Australiano em janeiro e ganhou o prémio WTA Most Improved Player Award em 2019.

Sofia Kenin
Sofia Kenin Foto: Getty Images

Angelique Kerber tem o nono lugar no ranking com prémios em 1,3 milhões, patrocínios de 4 milhões e um total de 5,3 milhões de dólares. Kerber soma três títulos Grand Slam desde o início de 2016.

Angelique Kerber
Angelique Kerber Foto: Getty Images

Finalmente, a futebolista Alex Morgan. Em salário e bónus a atleta faz 400 mil dólares, em patrocínios 4,2 milhões. O total de Morgan é de 4,6 milhões de dólares. Com a sua maior parceria sendo a Nike, Morgan alargou o contrato com a Nike depois do Mundial de 2019 com a cláusula de garantia de pagamento de 18 meses, mesmo quando não está a jogar.

Alex Morgan
Alex Morgan Foto: Getty Images
Saiba mais Forbes, Ashleigh Barty, Shenzhen, WTA, China, Naomi Osaka, Serena Williams, Angelique Kerber, Simona Halep, Nike, Mulheres, desporto, ténis
Relacionadas

Porque as mulheres são o sexo mais forte

As mulheres sobrevivem à exaustão, à fome e até ao coronavírus melhor do que os homens. Porquê? Por serem genericamente mais fortes. Descubra o que um cientista especializado em genética, detentor de respostas revolucionárias, tem a dizer-nos sobre esta mudança de paradigma.

Mais Lidas