Moda / Tendências

O legado de Coco Chanel: as peças que usaremos para sempre

No dia do aniversário de Gabrielle Chanel, que nasceu a 19 de agosto de 1883, recordamos as peças que mudaram a moda e que ainda hoje usamos, estação após estação.

A carregar o vídeo ...
19 de agosto de 2017 | Rita Silva Avelar
"Nunca fiz nada pela metade. Ou gosto ou não gosto", terá dito Gabrielle Chanel sobre as suas coleções, como conta o capítulo 21 de Gabrielle, A Story of Passion, a homenagem criativa que a própria casa francesa lhe dedica, todos os aniversários. Menos que esta determinação admirável não se esperava de um dos símbolos incontornáveis da moda e beleza e do próprio je ne sais quoi francês.

Gabrielle Bonheur Chanel deixou uma herança intemporal da qual a moda não se parecesse cansar, a partir do dia em que, em 1910, abriu a sua primeira loja no número 21 da Rue Cambon e começou a fazer magia no seu ateliê. Na verdade, já o fazia antes com aquela que é a sua primeira peça de eleição: o chapéu, que desenhava para as damas da alta sociedade. Seguiram-se designs únicos, naturalmente uma mulher à frente do seu tempo, Coco Chanel antecedia as tendências com uma perspicácia social e estética fora do comum.

Primeiro, rebelou-se contra os espartilhos, estendeu a criação de acessórios e chapéus a roupa e, quase exclusivamente, começou a desenhar vestidos e calças de corte direito, um guarda-roupa feminino rebelde e quase provocatório, já que nesta época as calças eram destinadas unicamente aos homens.

Recordamos cinco peças que a moda nunca deixou de parte – pelo contrário, catapulta-as todas as temporadas para as campanhas, para os editoriais e finalmente para as prateleiras das lojas, reinventando-as ou não.

La petite robe noir. Estávamos em 1926 quando Chanel lançou esta que seria uma das suas peças mais icónicas, um vestido preto versátil e intemporal. Na altura apenas reservado a ocasiões fúnebres e ligado ao luto, o preto era uma cor pouco associada à moda. Numa referência ao Modelo T do carro de Henry Ford, muito popular e acessível e com a particularidade de estar apenas disponível em preto, a Vogue americana haveria de apelidar este vestido como o The Ford.

@elliebamber_ #CHANELCruise

A post shared by CHANEL (@chanelofficial) on


O fato em tweed.
Nos anos 20 Gabrielle começa a desafiar as leis da moda e a inspirar-se na própria sociedade para lançar tendências antagónicas ao estilo da altura, tornando-se verdadeiramente especial. Foi também nesta época que começou a alimentar a sua paixão por joias e por peças em tweed ou em jersey que, em 1924, começou a mandar produzir numa fábrica escocesa, de sportswear a fatos ou casacos. Inspirada pelo conforto de uma das peças de sportswear que roubou a um dos seus famosos amantes, o Duque de Westminster, Gabrielle criou esta peça com a particularidade de lhe incluir o colarinho. Mas foi mais tarde, nos anos 50 e 60, que elevou os fatos em tweed ao estatuto da moda de autor, ainda hoje preservados (e reinventados) por Karl Lagerfeld, diretor criativo da maison, em todas as coleções.

@vittoceretti #CHANELCruise

A post shared by CHANEL (@chanelofficial) on


A carteira 2.55.
Marca a segunda chegada vitoriosa da musa à moda, em 1954, quando reabre a maison francesa em plena França do pós-Guerra. Lançada em fevereiro de 1955 (por isso, 2.55), esta carteira em pele matelassé torna-se para sempre a mais associada a Gabrielle.A famosa alça-corrente, diz-se, terá sido inspirada no design dos cintos das enfermeiras, uma referência que remonta à infância da criadora, e nas correntes usadas nos acessórios de equitação (os cavalos eram uma das suas grandes paixões e aos quais dedicava parte do seu tempo). A cor inicial da 2.55 era burgundy, a cor do uniforme que usava na escola católica que frequentou em criança.


Bailarinas.
As famosas sabrinas bicolores com a ponta preta continuam a ser uma referência. Apenas com o símbolo ou adornadas com alguns dos pormenores preferidos de Gabrielle (laços pretos, camélias ou pérolas), ainda hoje são um símbolo de estilo assinado por Coco Chanel.

#ChanelSpringSummer

A post shared by CHANEL (@chanelofficial) on


Breton top.
Um clássico do guarda-roupa francês, com riscas azul e brancas. O breton top define aquele que foi um dos lançamentos de Chanel nos anos 30, que o idealizou depois de uma visita à costa francesa. Porém, surgiu numa das primeiras coleções de inspiração náutica, em 1917, e tem sido usado ao longo de várias décadas, de James Dean a Pablo Picasso, de Kate Moss a Kate Middleton.

Coco, 1930 #ChanelHolidays

A post shared by CHANEL (@chanelofficial) on

Saiba mais Coco Chanel, Chanel, Gabrielle Chanel, França, Moda, Estilo, Anos 20, História da Moda, Tendências, 2.55, Coco, Tweed, Bailarinas, Breton Top, Karl Lagerfeld
Relacionadas

Carteiras: os melhores investimentos

São clássicos que resistem às tendências, fogem da evolução natural da Moda e valorizam com o passar do tempo. Esta é a lista de carteiras para comprar agora e guardar para sempre.

Alta-Costura | outono-inverno 2017: Chanel

Karl Lagerfeld criou uma nova Torre Eiffel dentro do Grand Palais, onde apresentou uma coleção histórica, inspirada na herança da casa francesa. No final do desfile, a Presidente da Câmara de Paris atribuiu ao criador a Médaille Grand Vermeil de la Ville, a mais alta distinção da cidade.

Quatro tendências para o próximo outono que podemos vestir agora

Percorremos todas as coleções e campanhas, comparámos imagens de passerelle e de lookbook e procurámos pontos comuns nos catálogos de fast fashion – tudo para antecipar o que vamos querer usar esta estação fria e podemos acrescentar ao armário neste segundo.

Outono: as melhores peças em nude

Ainda que o exagero das cores ácidas nos traga diversão e sentido de humor, a neutralidade é o que nos faz começar de novo, com os pés no chão. Talvez por isso (ou porque as tendências acabam por nos influenciar sempre) agora o nude invade a moda, a beleza e a casa - e não podia fazer mais sentido.

Paris de Gabrielle ‘Coco’ Chanel: antes e hoje

Recuámos no tempo para descobrir os espaços e lugares preferidos de uma das criadoras mais relevantes da história da Moda – mas também quisemos imaginar onde iria Gabrielle Chanel agora. Este é um novo roteiro de Paris, à medida da sua criatividade e glamour.

C’est chic!

Fala-se no “french je ne sais quoi” ou no “bon chic, bon genre” – o que quer que seja que lhe chamemos, as francesas têm-no. Na dúvida, confira a galeria.

Mais Lidas