Moda / Tendências

“Mostra-lhes o que a loucura [feminina] consegue fazer.” Nike celebra 30 anos do slogan “Just Do It”

Serena Williams dá voz à campanha ‘Dream Crazier’ que celebra as mulheres e as suas conquistas no desporto.

A carregar o vídeo ...
01 de março de 2019 | Inês Fernandes

São 30 anos do slogan da Nike "Just Do It" que desde 1988 serve como impulsionador aos mais diversos atletas para sonharem e darem sempre o seu melhor. Serena Williams, a campeã de ténis com 23 títulos de Grande Slam empresta a sua voz numa campanha que reúne imagens de várias atletas que quebraram barreiras, juntaram multidões e inspiraram gerações futuras.

O anúncio, que estreou durante a 91ª Cerimónia dos Óscares, conta com atletas como Simone Biles, campeã olímpica e vítima de abuso sexual, Ibtihaj Muhammad, uma atleta olímpica de esgrima que competiu a usar um hijab, Chloe Kim, atleta olímpica de Snowboard e a própria Serena Williams.

Williams começa por listar estereótipos ouvidos pelas atletas: "Se mostrarmos emoção, chamam-nos dramáticas. Se quisermos jogar contra os homens, somos loucas. E se sonhamos com oportunidades iguais, estamos a delirar." A tenista continua: "Uma mulher a correr a maratona era uma loucura. Uma mulher pugilista era uma loucura. Uma mulher a encestar, loucura. A treinar uma equipa de NBA? Loucura. Uma mulher a competir a usar um hijab, a conseguir fazer um back-to-back de 1080 graus ou a ganhar 23 Grandes Slam, ter um bebé e voltar para mais? Loucura. Loucura. Loucura Loucura. E loucura."

O vídeo encorajador acabar com Williams a mostrar orgulho nas suas colegas atletas: "E se te quiserem chamar de louca? Tudo bem. Mostra-lhes o que a loucura consegue fazer."   



Saiba mais Nike, Serena Williams, Just Do It, Desporto, Saúde, , Simone Biles, Snowboard, atletismo
Relacionadas
Mais Lidas
Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.