Moda / Tendências

Into the blue

A ganga é um caso sério de longevidade e carisma. Além de um lugar cativo em todos os armários, beneficia da liberdade de se reinventar a cada estação e, para esta primavera, mostramos-lhe o que não pode perder.

07 de maio de 2018 | Carolina Carvalho

Em agosto de 2017, a Levi Strauss & Co anunciou o regresso a casa de umas calças de ganga que acredita serem as mais antigas feitas para mulher, com a sua marca, datando doinicio da década de 1930, e às quais deu o nome de Viola. Segundo conta aquela empresa, a dona das mesmas era a então jovem Viola Longacre que as comprou quando era estudante universitária, tendo escrito o seu nome no forro de um bolso. Viola, que se tornou professora, morreu aos 100 anos de idade, em 2004. As calças foram descobertas por uma coleccionadora de peças vintage, no guarda-roupa de Viola, na Califórnia, e terão sido os seus únicos jeans. Quando Viola Longacre os comprou, demonstrando ser uma mulher de vanguarda, os jeans ainda eram estranhos no vestuário feminino. Foi em 1934 que a empresa fundada por Levi Strauss (Buttenheim, Alemanha, 1829 - São Francisco, EUA, 1902) criou as primeiras calças de ganga para mulher, as Lady Levi's. Hoje, entre a democratização e a banalização do vestuário, impõe-se o desafio de refletirmos porque razão os jeans ainda são algo parecidos com os de Viola (azuis, de cintura subida e com rebites em cobre para impedir que os bolsos se rasguem)?

Greta Statter, que representou a Promostyl (uma prestigiada agência que analisa e divulga, com antecedência, as tendências sociais e culturais, entre as quais as da Moda), em Portugal, trabalhou na divulgação das tendências internacionais e foi consultora de moda quando a expressão ainda nem existia no nosso país, faz um enquadramento histórico. "Há três palavras associadas a este tema e que são: denim, jean e indigo. Denim provém de ‘Bleu de Nimes’ [por de Nimes se pronunciar de Níme gerou, nos EUA, a corruptela denim] e jean deriva de ‘gen’, alusivo a Génova." Por sua vez, o indigo era a planta com a qual se fazia o tingimento azul. Explica Greta Statter que era nessas duas cidades europeias que se fabricava a ganga, a qual, na época, ainda era apenas uma tela de tal modo forte que era usada para velas de barcos, sendo também a matéria-prima que, pela sua resistência, Levi Strauss importava para os jeans que fabricava, patenteados em 1873. A associação histórica desta peça aos mineiros norte-americanos é bem conhecida, mas foram os cowboys que impulsionaram o lado cool que ela ainda mantém. O Cinema juntou o brilho necessário para a eternizar na história da Moda. "Nos Estados Unidos, as pessoas com mais posses, que tinham ranchos e que montavam a cavalo, nos fins de semana, começaram a usar jeans [nomeadamente as mulheres, na década de 30] também como uma forma de contrariar o dress code vigente. "Depois dos anos 50 e 60, houve uma juventude da qual fiz parte: os baby boomers. Tudo isso era uma forma de dar uma imagem para a juventude que não era uma imagem de moda, propriamente. Era de lifestyle, já naquele tempo."

"Depois, houve Hollywood com os seus filmes", recorda Greta Statter. As mulheres divulgaram as calças de ganga no Cinema. E exemplos não faltam: Mary Boland mostrou-se numas, em The Women, em 1939; Marilyn Monroe usou-as, em Rio Sem Regresso, em 1954, e em Os Inadaptados, em 1961 e Geena Davis e Susan Sarandon usaram-nas, em Thelma & Louise, em 1991. Quanto à Moda, Yves Saint Laurent terá dito que lamentava não ter sido ele a inventá-los e atribui-se a Louis Féraud a criação dos jeans marcadamente de moda, adaptados ao corpo feminino. Calvin Klein foi o primeiro grande designer a lançar uma linha, em 19789. 

Em Portugal, também se pode observar este percurso de ascensão da ganga. Os jeans chegaram com o pronto-a-vestir, nos anos 60 e 70, e causaram furor através da boutique A Maçã que Ana Salazar abriu no início daquela segunda década, em Lisboa, com peças importadas de Londres. Não se estava na moda se não se vestissem jeans das marcas Levi’s, Lois, Wrangler ou Miura, caras para a época. Hoje, a portuguesa Salsa, uma marca criada em 1987, detém uma produção diária de cinco mil pares de jeans e alcançou uma projeção internacional que chega a 35 países, por todo o mundo. Afinal, depois de tantos anos a construir uma identidade única, os jeans não só ultrapassaram fronteiras como criaram a sua própria linguagem. Basta vermo-los nas ruas.

Azul Profundo

Transversal a qualquer estilo, e sem nunca sair de cena, a ganga nesta estação escurece e usa-se em look total. Com os anos 90 a servir de inspiração, a atitude é requisito obrigatório. Em tonalidades claras, a fórmula mantém-se.

 

BOYFRIEND: O modelo mais masculino, com a parte superior oversize e a parte inferior mais estreita, suaviza as formas e confere um estilo descontraído, cómodo e informal. A rematar o look com elegância, uns altos altos. | Tom Ford, €690
1 de 6 BOYFRIEND: O modelo mais masculino, com a parte superior oversize e a parte inferior mais estreita, suaviza as formas e confere um estilo descontraído, cómodo e informal. A rematar o look com elegância, uns altos altos. | Tom Ford, €690
FLARE: O corte à boca-de-sino, mais justo na parte superior, não só equilibra a zona das ancas e a silhueta como alonga as pernas. Num estilo descontraído, dá o toque feminino que faltava. | Lanidor, €59,99
2 de 6 FLARE: O corte à boca-de-sino, mais justo na parte superior, não só equilibra a zona das ancas e a silhueta como alonga as pernas. Num estilo descontraído, dá o toque feminino que faltava. | Lanidor, €59,99
SKINNY: Justas mas cómodas, estilizam as pernas e moldam as curvas do corpo. Um corte feminino que favorece a silhueta. Partes superiores mais compridas e largas dão equilíbrio e atitude. | Salsa, €89,90
3 de 6 SKINNY: Justas mas cómodas, estilizam as pernas e moldam as curvas do corpo. Um corte feminino que favorece a silhueta. Partes superiores mais compridas e largas dão equilíbrio e atitude. | Salsa, €89,90
WIDE LEGS: Numa proporção mais exagerada do que o modelo flare, com as pernas a alargar desde a zona das ancas, o foco está na cintura definida. Muito versátil, serve todas as ocasiões com os complementos certos. | Elizabeth & James, €280
4 de 6 WIDE LEGS: Numa proporção mais exagerada do que o modelo flare, com as pernas a alargar desde a zona das ancas, o foco está na cintura definida. Muito versátil, serve todas as ocasiões com os complementos certos. | Elizabeth & James, €280
MOM FIT: O corte recuperado dos anos 80 faz da comodidade a prioridade. Ideal para um corpo com curvas, a cintura subida define e estiliza as formas. Obrigatório: top ou camisa usados por dentro das calças. | Pepe Jeans, €90
5 de 6 MOM FIT: O corte recuperado dos anos 80 faz da comodidade a prioridade. Ideal para um corpo com curvas, a cintura subida define e estiliza as formas. Obrigatório: top ou camisa usados por dentro das calças. | Pepe Jeans, €90
STRAIGHT: Para uma descontraída sofisticação, o corte direito é a escolha mais acertada e perfeita para todos os dias. Quase todas as tipologias de corpo saem favorecidas com a estilização de pernas e as ancas atenuadas. | Bottega Veneta, €750
6 de 6 STRAIGHT: Para uma descontraída sofisticação, o corte direito é a escolha mais acertada e perfeita para todos os dias. Quase todas as tipologias de corpo saem favorecidas com a estilização de pernas e as ancas atenuadas. | Bottega Veneta, €750
Saiba mais Jeans. Denim, Into the Blue, ganga, Levis, Levis Strauss, Levis Strauss & Co, Bella Hadid, Jennifer Lopez, Alessandra Ambrosio
Relacionadas

40 formas de usar um casaco de ganga

De Gigi Hadid a Miroslava Duma, de Selena Gomez a Rihanna e Rita Ora, estas são as musas de estilo que nos inspiram a usar uma das tendências do ano: a ganga.

Levi’s goes Peanuts

O cão mais famoso do universo Peanuts é o protagonista da nova coleção-cápsula da marca de denim.

Mais Lidas