Celebridades

Maria Callas. A vida trágica de uma diva grega

Conversámos com a historiadora Lyndsy Spence, que reconstrói a vida da cantora lírica no novo livro "Diva - A Vida Oculta de Maria Callas", onde retrata a "história pessoal real e não o mito" desta mulher.

Foto: Getty Images
23 de fevereiro de 2022 Rita Silva Avelar
Quão sabemos dos períodos negros da vida de Maria Callas? Que passou fome na Grécia, durante a invasão alemã, que se separou de um pai que ficou em Nova Iorque, que vivia à mercê das vontades da mãe e da ausência de bondade da irmã? Que desde muito nova se submeteu a duríssimas aulas de canto, durante horas, esticando para lá do humano as suas cordas vocais? Que sofreu de bullying devido ao seu peso, e que por muitos era considerada feia, na infância e adolescência? Que o marido a trocou por prostitutas? Que sofria, quando cantava, de uma doença próxima à esclerose múltipla, e que os médicos não acreditavam em si?

Em Diva - A Vida Oculta de Maria Callas, Lyndsy Spencer reconstrói a história de uma musa, de uma mulher sofrida que se tornou um ícone na música, na moda, e na vida. Sem filtros nem floreados, a historiada traça também o contexto social e político da era em que Maria Callas viveu.

Contar história sempre foi inato? Quando percebeu que a escrita era uma paixão?


Sim, sempre fui um pouco intrometida e desejosa de saber mais sobre a vida das pessoas. Mesmo quando era pequena e adorava uma personagem de um filme ou de uma série de televisão, imaginava as suas histórias de vida. Por isso, estava sempre a escrever mini-biografias e acho que esse interesse se desenvolveu ao longo do tempo. A paixão esteve sempre presente.
Maria Callas
Maria Callas Foto: Getty Images


É uma historiadora especializada em mulheres aristocratas. Todas elas têm um toque de loucura, o que a apaixona nelas?

Penso que a "loucura" delas pode ser mal interpretada. Prefiro dizer que foram progressistas, pois ousaram viver as suas próprias vidas, para o bem ou para o mal. Até Callas se revoltou contra o sistema. Estou interessada nas suas histórias porque são tão invulgares e, à primeira vista, as suas realizações não são algo que aconteça na vida quotidiana. No entanto, as mulheres reais por detrás da história, têm nas suas histórias temas universais que todos nós podemos relacionar. Adoro o contraste.

Quando é que a história de Maria Callas se cruzou com a sua vida? Como é que a descobriu?

Sou admiradora de Maria Callas desde a minha adolescência e tinha lido todos os livros ingleses escritos sobre ela e visto todos os documentários, graças ao Youtube nos seus primórdios. Sempre senti que a história de Maria, a mulher, era incalculável e que ela se perdia nas suas biografias. Os autores estavam tão envoltos na celebridade de Callas e nos vários mitos, que o eu privado de Maria foi negligenciado. Também acredito que o timing é importante e, tendo escrito vários livros, decidi que era a altura certa para Maria Callas.
Maria Callas
Maria Callas


Eu não escolho os meus temas; eles escolhem-me a mim. Maria apareceu-me na cabeça num domingo à tarde e eu comecei a partir daí. Adoro pesquisar e o meu trabalho é conhecido pela sua pesquisa original, por isso apliquei essas mesmas competências a 'Diva: A Vida Escondida de Maria Callas'. Maria Callas é um grande negócio e é uma mina de ouro para aqueles que a querem explorar. Eles sabem que só o seu nome vende livros, independentemente de o seu trabalho ser sincero ou não. Acontece que olhei para onde ninguém mais olhava e encontrei uma riqueza de material.

Como eu disse, o timing é tudo. O material que utilizei da Universidade de Stanford não tinha sido digitalizado e estava deitado numa caixa. Arrisquei e paguei para que eles fossem digitalizados e o resto é história. Encontrei também uma grande quantidade de informação da NYPL e da Universidade de Columbia, bem como de outros locais. Floria Di Stefano, a filha de Giuseppe Di Stefano, foi também uma grande ajuda. Tal como eu, Floria vê a pessoa real e não o mito.
Maria Callas
Maria Callas Foto: Getty Images


Evitei muitas pessoas que afirmavam ser amigas íntimas de Maria, pois, durante a minha pesquisa, apercebi-me que não eram de todo suas amigas e que a maioria a tinha traído de alguma forma ou usado o seu nome para auto-promoção. Na minha opinião, Maria não era o monstro que outros a tinham retratado como sendo. Ela era por natureza engraçada, atenciosa, e normal em todos os sentidos da palavra. Penso que outros que adoram Callas, a artista, têm medo de Maria, a mulher, porque se trata de um território desconhecido. Tais pessoas atacaram-me realmente quando o meu livro foi publicado em inglês. Agora vêem o erro dos seus caminhos. Maria, a mulher, é tão interessante e amável como Callas, a artista. Espero que o meu livro ajude as pessoas a compreendê-la melhor.
"Diva - A Vida Oculta de Maria Callas" Foto: DR


O que faz dela uma mulher especial? Uma mulher de que nos lembramos décadas depois das decadas?

O facto de ela ter feito o seu próprio caminho e ter sido destemida. Ela acreditava no seu talento e no seu destino, e foi em busca do seu destino como uma grande artista. A sua devoção à arte era inigualável - ninguém trabalhou tão arduamente como Callas. Na minha opinião, ela é especial por causa de tudo o que suportou e como superou as dificuldades da sua vida. Acho-a completamente honesta na sua abordagem e uma fonte infinita de fascínio. Como se costuma dizer, as lendas nunca morrem.
Maria Callas
Maria Callas Foto: Getty Images


Que lado da sua história conta neste livro?

A história humana. Penso que é o que ela teria desejado. 'Ponha uma nota humana na sua história, por favor', disse ela, numa entrevista.

Quais foram estes grandes dramas de vida desta mulher?

A sua educação em Nova Iorque e Atenas; a guerra; a sua carreira na Grécia e os obstáculos que enfrentou dos seus colegas e durante a ocupação alemã; a sua viagem a Verona para cantar no Festival - chegou sem dinheiro e nem sequer um casaco de Inverno; o seu casamento com Battista Meneghini; o seu tempo com Onassis; os cancelamentos de óperas; os seus sustos de saúde; a sua morte prematura e as consequências do seu legado; as pessoas que a exploraram. Ela esteve sempre em modo de sobrevivência.
Maria Callas
Maria Callas Foto: Getty Images


Se tivesse de escolher um aspeto da sua vida pouco conhecido, o que escolheria?

Escolheria falar sobre a sua saúde porque isso afetou a sua carreira e a sua vida privada. Antes de Maria fazer 30 anos, ela começou a experimentar sintomas estranhos que não conseguia explicar. Está tudo nas suas cartas ao seu marido, Battista Meneghini. Um dia ela conseguia comandar a voz, outros dias não conseguia. Os críticos eram imperdoáveis e o público assumiu que ela estava a ser uma diva. Ela tinha muitos sintomas neurológicos que ficaram por tratar, porque os médicos não acreditavam nela. Por isso, ela estava quase sempre doente quando cantava todos esses papéis icónicos e dava concertos. Dois anos antes da sua morte foi-lhe feito um diagnóstico e aceite o tratamento, mas era demasiado tarde. Tinha uma doença semelhante à esclerose múltipla, o que, naturalmente, afetou a sua voz e a sua qualidade de vida, em termos das suas lutas diárias. Só desejava que as pessoas tivessem sido mais compreensivas.
Maria Callas
Maria Callas


Qual foi a coisa mais desafiante em reconstruir a vida desta mulher?

Os mitos estúpidos que a rodeiam. Por exemplo, acredita-se que Battista Meneghini inventou Callas e financiou a sua carreira. Isso não é verdade; foi o maestro, Tullio Serafin, que ajudou Callas. Meneghini explorou Callas durante anos e roubou-lhe o dinheiro, e quando falou em reformar-se e ter um bebé nos anos 50, percebeu que Meneghini tinha desperdiçado mais de metade da sua fortuna. Meneghini era um bom agente mas um mau marido: ele abusou dela emocionalmente e, depois de ela ter perdido peso em 1953, rejeitou-a (ele gostava de mulheres com mais peso) e, em vez disso, optou por ir a prostitutas. Era importante mostrar o seu lugar na sociedade italiana da época: ela não podia divorciar-se do marido - segundo a lei italiana, ela era propriedade dele, e se fosse com outro homem, enfrentaria dois anos de prisão. Há outro rumor de que ela teve um menino com Aristóteles Onassis; isso não é verdade. A história verdadeira era muito mais sinistra. Mas o mais desafiante foi ler sobre a sua vida através das suas cartas e reconstruir a escuridão - o abuso - que tinha sofrido. "Como se sente esta mulher, há alguém para lhe segurar a mão, deve ser o inferno?" disse ela numa gravação de 1968. Senti-me impotente porque a queria ajudar. Espero que o meu livro lhe tenha feito uma certa justiça.

O que fez dela, na sua opinião, a melhor cantora lírica do seu tempo?

A sua devoção à sua arte. Ninguém pode comparar, passado ou presente.
Saiba mais
Celebridades, Inspiração, Maria Callas, Lyndsy Spence
As Mais Lidas