Beleza / Wellness

A criança em isolamento que chora por não haver fast-food

Em tempos de pandemia e isolamento social, muitos redescobrem o prazer de cozinhar em casa. Mas para algumas famílias, essa situação sem precedentes pode causar reações inesperadas, especialmente nos mais novos.

A carregar o vídeo ...
01 de abril de 2020 | Aline Fernandez

É de pequenino que se aprende a comer bem. Ou não. Uma rapariga britânica de 4 anos conquistou a Internet pela sua reação sincera ao perceber que vai estar longe das suas cadeias de fast foods prediletas. Filmada pela sua mãe, Joanne Charlton, a pequena Layla-Rae é informada que terá de passar o isolamento por causa do novo coronavírus sem os seus pratos favoritos. "Layla, onde mais gostarias de [ir] comer? O Nando's está fechado. Nós adoramos o Nando's... E o KFC e o McDonald's", diz Joanne. Em lágrimas, a menina pergunta à mãe se os restaurantes chineses também estão encerrados. "Todas as entregas ao domicílio?", questiona Layla. "Tu vais mesmo ter de comer a comida da mãe agora", explica a mãe, ao que a filha responde com desespero, chorando ainda mais alto e apercebendo-se finalmente do que este isolamento significa. "Desculpa", acrescentou a mãe a lembrá-la que a Pizza Hut também está fechada. Mais lágrimas. "Se ao menos pudéssemos ter um último...", Layla suspira no final do vídeo.

Os britânicos estão confinados nas suas casas desde o dia 23 de março e esta criança está agora a aperceber-se que o combate ao contágio do vírus Covid-19 significa estar privada de idas a restaurantes – ou pelo menos a mãe está a aproveitar destes dias em casa para melhorar a alimentação da filha. Numa entrevista ao jornal britânico Daily Mail, Joanne Charlon explica que tudo isto foi uma espécie de Terceira Guerra Mundial. Mas disse que Layla ficou chateada e chorou por alguns minutos antes de recuperar, o que normalmente faz. "Ela pode ter os seus momentos, mas é apenas uma criança de quatro anos".

Saiba mais vídeo, rapariga, britânica, miúda, chora, criança, chorar, fast food, Nando's, KFC, McDonald's, Pizza Hut, Layla-Rae Charlton, coronavírus, Covid-19, confinamento, isolamento
Relacionadas

'Um miúdo criado sem limites tornar-se-á um miúdo problemático.'

Reza o provérbio que “quando Deus estava muito cansado, inventou as mães”. Significa que criar um filho não é tarefa fácil. Porém, nunca alguém disse que o seria. Numa época em que as exigências são enormes para as mães, como é que estamos a educar os nossos filhos? Estaremos a criar futuros adultos fortes e resilientes ou antes meninos mimados e pouco, ou nada, preparados para as adversidades da vida?

ON/OFF: quando desligar o botão da TV das crianças

O regresso à escola e à rotina traz dilemas antigos: a televisão é uma boa companhia para os nossos filhos? As opiniões dividem-se mas, numa coisa, os especialistas concordam: até aos dois anos, o aparelho deve estar desligado. Depois, é o bom senso parental que deve comandar as escolhas.

Parar, pensar e educar

É autora do livro 'Educar com Mindfulness', fundadora da Academia de Parentalidade Consciente e mãe de três crianças. A coach Mikaela Övén deixa-nos algumas pistas e estratégias certeiras para aplicar no relacionamento entre pais e filhos.

"Pais apressados geram filhos stressados."

Confrontados com um mar de teorias sobre parentalidade e numa sociedade que obriga a um ritmo de vida diária acelerado (e cronometrado), como é que se educa com calma? Sabemos que pais que vivem sem pressa tendem a criar filhos felizes. A equação parece simples…

Mais Lidas
Entrevista Diogo Faro, o pugilista digital: "Odiaria que a minha vida fosse igual à das mulheres que são apalpadas e assediadas."

O comediante lisboeta tornou-se nos últimos anos uma voz ativa na luta pela igualdade de género. As provocações humorísticas de Diogo Faro sucedem-se no mundo virtual, espicaçam a atualidade, incomodam alguns e originam reflexões sobre o machismo, homofobia e racismo. O seu humor serve-se de ironia para fazer crítica social. Um combate que Diogo Faro abraçou totalmente.